Um belo retrato de uma grande atriz brasileira

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Beth Goffman vive Zezé Macedo em "A Vingança do Espelho"

SÃO PAULO – A Vingança do Espelho- A História de Zezé Macedo bem poderia receber um outro subtítulo, o de a vingança do ator cômico brasileiro. Esta mais do que justa e necessária recuperação da história de Zezé Macedo é também uma forma do teatro brasileiro atual fazer um “acerto de contas” com os grandes intérpretes que sempre estiveram à margem por serem artistas populares.

O espetáculo em cartaz no Teatro Vivo é daquelas joias que, de vez em quando, o teatro nos oferece. O inteligente texto de Flavio Marinho escapa do biografismo tradicional no teatro. A opção sagaz do autor foi a de colocar em cena uma companhia teatral que tem a incumbência de recontar a vida de Zezé Macedo.

A partir desse mote o espectador é levado a saber que Zezé não foi apenas um ícone das chanchadas cinematográficas- o que por si já dá a ela o crédito de uma das nossas maiores atrizes- mas também uma mulher que passou por experiências traumáticas como a truculência do seu primeiro marido e a perda do seu único filho. Para levar esta riqueza biográfica à cena, Flavio pôde contar com o excelente trabalho de pesquisa de Daniel Schenker, que nos traz informações valiosas como o fato de Zezé ter sido além de atriz, uma poeta que desde muito jovem adorava escrever.

Peça de Flávio Marinho faz parte do projeto "Trilogia da Comédia"

A direção de Amir Haddad é outro grande predicado do espetáculo. Conservando suas características como encenador, como a constante quebra da quarta parede, Amir conduz o espetáculo com rara sensibilidade e um notável dinamismo. Além disso, A Vingança do Espelho reúne um elenco de excelentes atores. Marcelo Várzea, Tadeu Mello, Marta Paret e Eduardo Reys cumprem muito bem a tarefa de se desdobrarem nas mais diversas personagens que circundaram a vida da atriz. Chico Anysio, Carlos Manga entre outros surgem redivivos em cena. E Betty Gofman consegue fazer uma interpretação de Zezé sem caricaturá-la, algo bastante difícil, mas que Bety faz com maestria.

Não posso encerrar esta crítica sem mencionar um fato emocionante que vivenciei no dia em que assisti A Vingança do Espelho. Um dos momentos mais tocantes da peça é a cena em que Zezé recebe o único prêmio de sua carreira, o de melhor Atriz Coadjuvante no Festival de Cinema de Gramado por seu trabalho no filme As Sete Vampiras. E na plateia na sessão que assisti estava Rubens Ewald Filho que, emocionado, lembrou que fazia parte do corpo de jurados que deu o prêmio para a notável Zezé, uma de nossas maiores atrizes e que, felizmente, tem agora a sua vida eternizada neste imperdível A Vingança do Espelho.

Ficha Técnica

Texto: Flávio Marinho

Direção: Amir Haddad

Elenco: Betty Gofman, Tadeu Mello, Mouhamed Harfouch, Marta Paret e Marcelo Várzea

Direção de Arte: Afonso Tostes

Iluminação: Paulo Denizot

Trilha Sonora: Alessandro Perssan

Idealização: Eduardo Barata

Produção: Barata Comunicação

Serviço

Local: Teatro Vivo

Capacidade: 290 lugares (268 numerados, 10 numerados obesos, 6 cadeirantes e 6 extras sem numeração)

End.: Avenida Doutor Chucri Zaidan, 860, Morumbi

Tel.: (11) 7420-1520

Dias: Estreia 08/03 para convidados, 09/03 para público. Até 29 de abril.

Horário: Sexta às 21:30, sábado às 21h e domingo às 19h.

Ingresso: Sexta R$ 40,00 (inteira) e 20,00 (meia); sábado e domingo R$ 50,00 (inteira) e 25,00 (meia).
Na primeira semana do espetáculo, preço único promocional R$ 10,00. Funcionamento da Bilheteria: 14h00 às 20h00 (terça a quinta); a partir das 14h00 (sexta a domingo)

Classificação: 12 anos

Duração: 110 minuto

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.