Amor de Mãe – Parte 13 abre a temporada teatral do SESC Consolação

Da redação (redacao@aplausobrasil.com.br)

Rodrigo Audi e Lulu Pavarin  em "Amor de Mãe – Parte 13"
Rodrigo Audi e Lulu Pavarin em “Amor de Mãe – Parte 13”

SÃO PAULO – Abrindo a temporada teatral 2013 do SESC Consolaçao,, a partir de hoje (dia 10) ganha o espaço Beta, o espetáculo Amor de Mãe – Parte 13 de Elzemann Neves (Mão e Pescoço!), dirigido por Eric Lenate (O Céu 5 minutos antes da tempestade, Um Verão FamiliarValsa n. 6), com a atriz Lulu Pavarin e o ator Rodrigo Audi.

Amor de Mãe – Parte 13 conta a história de uma mulher que está grávida há trinta anos. Isolada numa fazenda, ela se preocupa com a sucessão de tragédias ocorridas em sua família e decide não ter esse filho, acredita que ele estaria mais protegido em seu ventre do que nesse mundo de infelicidades. Mas um dia, sentindo-se muito apertado, o filho decide nascer.

Disposta a tudo para mantê-lo ao seu lado, ela cria o filho sozinha e passa a educá-lo contando dos horrores de um mundo em que a humanidade foi dizimada por epidemias, de modo que eles são os únicos sobreviventes.

Escrito especialmente para Lulu Pavarin, atriz com mais de 25 anos de carreira, essa tragicomédia bebe na fonte do teatro Grand Guignol, movimento que tem início na França, no final do séc. XIX.

A ação dramática trabalha o melodrama num registro grave, explícito em seu horror naturalista, exagerado e risível nas relações de amor e posse entre os personagens. Esse teatro foi uma das principais atrações populares de Paris até entrar em declínio e fechar suas portas em 1962. Sua influência atingiu diversas esferas e o cinema abraçou o movimento dando origem aos clássicos filmes de horror e comédia da famosa produtora inglesa Hammer, que contava com atores como Vincent Price.

Rodrigo Audi e Lulu Pavarin  em "Amor de Mãe – Parte 13"
Rodrigo Audi e Lulu Pavarin em “Amor de Mãe – Parte 13”

Ao trabalhar os principais elementos do Grand Guignol, a peça resulta numa espécie de melodrama de horror. A relação entre mãe e filho se desdobra em diversas frentes e o texto amplia sua temática, questionando os próprios limites daquilo que acredita-se como “verdade”, na medida em que toda educação pressupõe a encenação de um mundo que os pais decidem apresentar aos filhos.

É a formação e o adestramento do filho em função das crenças e objetivos dos pais. Nesse sentido essa mãe não difere de nenhuma outra. Ela distorce os fatos, cria e recria esse mundo de acordo com o que julga melhor para o filho. E se nesse processo sobrarem alguns mortos, isso é apenas consequência desse amor que protege e sufoca na mesma proporção.

A produtiva parceria entre o autor Elzemann Neves (da peça Mão e Pescoço!) e Lulu Pavarin começou no curta-metragem Depois do Almoço, cujo roteiro recebeu prêmios no Festival de Cinema de Paulínia e no Brazilian Film Festival de Miami/2010, além de exibido no Festival Internacional de Cinema de Berlim – Berlinale/2010. Lulu Pavarin venceu o prêmio de melhor atriz pelo filme na Mostra do Cine MUBE de Cinema Independente/2010, e no Festival Internacional de Cinema de Campos de Jordão/2012.

O filho é interpretado por Rodrigo Audi, ator com longa trajetória no Centro de Pesquisa Teatral – CPT SESC, coordenado por Antunes Filho. Ele dá vida a um ser que não sabe como lidar com essa proteção egoísta.

A montagem tem direção de Eric Lenate, elogiado diretor de obras como Um Verão Familiar, de João Fábio Cabral – encenado com a Cia. dos Inquietos; Rabbit, de Nina Raine – encenado com a Cia. Delas de Teatro; e Valsa nº 6, de Nelson Rodrigues, todas montadas em 2012.

Ficha Técnica:
Texto: Elzemann Neves
Direção: Eric Lenate
Elenco: Lulu Pavarin e Rodrigo Audi
Assistência de direção: Marcelo Villas Boas
Cenário, luz: Eric Lenate
Figurino: Rosângela Ribeiro
Assistência de iluminação: Pilar Valdelvira
Fotos e arte gráfica: Laerte Késsimos
Produção Executiva: Dani Dezan e Lulu Pavarin

Estreia: Dia 10 de janeiro de 2013. Quinta, às 21h.
Temporada: Até 9 de fevereiro. Quinta e sexta, às 21h. Duração: 80 minutos.
Gênero: comédia sombria/tragicomédia
Recomendado para maiores de 14 anos.

Preços: R$ 10,00 (inteira); R$ 5,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 2,50 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).
Epaço Beta – 3º andar – Lotação: 40 lugares

Sesc Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245
Tel: 11 3234-3000

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.