Artigo: A Obscena Senhora D prorroga temporada até final de junho

 

Maurício Mellone, para o www.favodomellone.com.br – parceiro do Aplauso Brasil

"A Obscena Senhora D"
“A Obscena Senhora D”

Monólogo de Suzan Damasceno baseado na obra de Hilda Hilst fica no Teatro Eva Herz mais um mês, só às quintas-feiras. Com a morte do marido, senhora de 60 anos decide viver num vão de escada, alheia a tudo

SÃO PAULO – Depois de ter participado do projeto Palco Giratório do SESC, em que os espetáculos viajam por todo o país, Suzan Damasceno acaba de estender por mais um mês a temporada no Teatro Eva Herz do monólogo A Obscena Senhora D, baseado na obra de Hilda Hilst.

Providencial que a peça seja prorrogada, já que a aconchegante sala abriga perfeitamente este monólogo que requer íntima integração com a plateia.

Em cena, somente uma cadeira, que está colocada em cima de palha e mato seco: assim que toca o terceiro sinal, tudo se apaga e em seguida já se vê a senhora com uma cabeleira imensa e amarfanhada sentada. Ela começa seu longo desabafo, explicando porque é chamada de senhora D, D de derrelição, de abandono, de desamparo.

Aos 60 anos, após a morte do marido e desiludida da vida, Hillé decide se afastar do mundo e passa a morar num vão de escada, onde busca pelo sentido das coisas.

Suzan Damasceno é a Senhora D
Suzan Damasceno é a Senhora D

Acompanhada apenas de um aquário em que coloca peixes de papelão, Hillé recorda de momentos vividos ao lado marido Ehud; em alguns momentos do espetáculo,  o espectador pode ter a impressão até que aquela senhora dialoga com o marido. No entanto, são divagações e tentativas de se compreender o mundo, a velhice, a solidão, o abandono, sua relação com Deus e o sentido da vida e da morte.

Sobre A Obscena Senhora D, o escritor Caio Fernando Abreu, num texto de 1982, disse:

“Esta personagem de Hilda Hilst nos contempla para falar ‘desta coisa que não existe mas é crua e viva, o Tempo’. Para cuspir em nosso rosto a pequenez, a perdição humana, para dizer que ‘ninguém está bem, estamos todos morrendo’”.

Com um texto corrosivo e desconcertante, o espectador é forçado a refletir sobre a existência humana. Mas confesso que o espetáculo me provocou um certo distanciamento, talvez pela condição solitária e de total abandono da personagem.

Com direção geral de Rosi Campos e Donizeti Mazonas, o grande destaque de A Obscena Senhora D é sem dúvida para Suzan Damasceno, que além de sua interpretação visceral, responde pela direção e concepção geral do espetáculo. 3

O tom sóbrio e de claustrofobia — exigência do texto de Hilda Hilst — é enfatizado pela luz de Pedro Brandi e a cenografia e figurino assinados por Anne Cerutti.

Roteiro:
A Obscena Senhora D
. Texto: Hilda Hilst. Adaptação: Germano Melo e Suzan Damasceno. Direção geral: Rosi Campos e Donizeti Mazonas. Direção, concepção e interpretação: Suzan Damasceno. Iluminação: Pedro Brandi. Cenografia e figurino: Anne Cerutti. Fotografia: Ary Brandi.
Serviço:
Teatro Eva Herz (168 lugares), Av; Paulista 2073, Cj Nacional, tel: (11) 3170-4059. Horários: quintas às 21 horas. Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia-entrada). Vendas pelo site www.ingresso.com.br ou pelo tel (11) 4003-2330.   . Bilheteria: de terça a sábado das 14h às 21 h e domingo das 12h às 19 h. Acesso para deficientes físicos. Duração: 60 minutos. Classificação: 16 anos. Temporada: até 27 de junho.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*