Artigo: APCA de teatro divulga melhores do ano e premia pela primeira vez diretora negra

SÃO PAULO – Com mais de 60 anos de história a APCA (Associação Paulista de Crítico de Arte) tem a importante missão de olhar a sociedade e se modernizar, pelo menos a comissão de teatro – da qual faço parte – tem feito esse trabalho. No ano anterior, a diretora Bia Lessa levou pela primeira vez na história o prêmio de direção. O termo, aliás, foi ajustado na mesma votação de diretor (no masculino) para direção, assim como a categoria dramaturgia também assumiu o nome por mais pluralidade. Sabendo que há uma estrada a ser percorrida ainda, em 2018 tivemos um segundo semestre em teatro com três atrizes negras indicadas e uma diretora negra vitoriosa, também pela primeira vez.

Em 2018 fazer uma marca dessa na história pode até parecer atraso, mas atraso mesmo seria não ter essas discussões em pauta ainda e estamos aí: colocando à mesa e mexendo no cenário.

Em 2018, ano intenso para os musicais, Bibi – Uma Vida em Musical foi bem representado pela vencedora Amanda Acosta na categoria de Melhor Atriz. A força do povo negro, excluído e lutador teve também sua força no musical Elza e na premiação do pungente texto de Vinicius Calderoni. Já fora dos musicais, Maurício de Barros levou o troféu de melhor ator por Pousada Refúgio, espetáculo completo e interessante sobre a nossa classe média.

Em espetáculo houve um empate difícil de ser desfeito, o que fez duas produções dividirem o prêmio: Um Panorama Visto da Ponte, um drama clássico e atual que ganhou meses em cartaz – em meio a temporadas enxutas – e é completo, e Pi – Panorâmica Insana, retrato do teatro contemporâneo e da dramaturgia fragmentada com bons atores e que transformou um teatro em reforma de São Paulo em cenário inclusivo. Por último, um representante do teatro alternativo e uma artista jovem premiada como diretora – a primeira negra da história – por Buraquinhos – ou O Vento É Inimigo do Picumã.

Assim como na categoria espetáculo, houve uma divisão do Prêmio Especial da Crítica. E por coincidência são dois “em memória”, que nos ajudam a contar a importância do teatro em São Paulo. São os 70 anos de fundação do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) e da EAD (Escola de Arte Dramática). O primeiro em homenagem a Franco Zampari e o segundo a Alfredo Mesquita.

Quem será homenageado pela categoria de teatro na premiação em 2019, sem data e local definido ainda, será Sérgio Mamberti. O ator completará 80 anos no ano que vem, está ativo no palco e na política pelo teatro e fez ótimo papel em um dos melhores espetáculos do ano: Um Panorama Visto da Ponte.

Com duas categorias dividindo prêmios fica clara a disputa acirrada de um ano com temporada cheia de opções diversas. Que em 2019 esse sucesso se repita e que possamos diminuir uns passos menos a desigualdade que atinge a todas as áreas. Que a arte seja respeitada e traga reflexão, riso e representatividade.

Confira os indicados do primeiro e segundo semestre com os vencedores em negrito:

Dramaturgia 

. Gustavo Colombini (Colônia)

. Jhonny Salaberg (Buraquinhos – ou O Vento É Inimigo do Picumã)  

. Leonardo Cortez (Pousada Refúgio)

. Marcos Damasceno (Homem ao Vento)

. Marina Corazza (Aproximando-se de A Fera na Selva)

. Vinicius Calderoni (Elza)

 

Ator  

. Alexandre Cioletti (Love Love Love)

. Maurício de Barros (Pousada Refúgio)

. Rodrigo Lombardi (Um Panorama Visto da Ponte)

. Rodrigo Pandolfo (Pi – Panorâmica Insana)

. Sérgio Mamberti (Um Panorama Visto da Ponte)

. Victor Mendes (Andy)

 

Atriz

. Aline Deluna (Josephine Baker – a Vênus Negra)

. Amanda Acosta (Bibi – Uma Vida em Musical)

. Clara Carvalho (A Profissão da Sra. Warren)

. Larissa Luz (Elza)

. Lucelia Sergio (Navalha na Carne Negra)

. Yara de Novaes (Love Love Love)

 

Direção

. Bia Lessa (Pi – Panorâmica Insana)

. Gabriel Villela (Estado de Sítio)

. Gustavo Paso (Hollywood)

. Inez Viana (A Mentira)

. Malú Bazán (Aproximando-se de A Fera na Selva)

. Naruna Costa (Buraquinhos – ou O Vento É Inimigo do Picumã)

 

Espetáculo

. Agosto

. Bibi – Uma Vida em Musical  

. Insetos

. Love Love Love

. Um Panorama Visto da Ponte

. Pi – Panorâmica Insana

Prêmio Especial da Crítica (só os vencedores)

. 70 anos da fundação da companhia Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), em memória de Franco Zampari

. 70 anos da fundação da Escola de Arte Dramática (EAD), em memória de Alfredo Mesquita

 

Grande Prêmio da Crítica (só os vencedores)

. Sérgio Mamberti (pela trajetória no teatro)

Críticos votantes: Celso Curi, Edgar Olimpio de Souza, Evaristo Martins de Azevedo, Gabriela Mellão, José Cetra, Kyra Piscitelli, Márcio Aquiles e Miguel Arcanjo Prado.

*Aguinaldo Cristofani Ribeiro Cunha (votou apenas nas categorias Prêmio Especial e Grande Prêmio da Crítica)

Kyra Piscitelli do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com.br)

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*