Artigo: O crítico de cinema que merece o aplauso do teatro

Foi através do cinema e da premiação do Oscar que Rubens Ewald Filho se tornou o crítico de cinema mais famoso do Brasil. Seu conhecimento enciclopédico sobre a sétima arte era impressionante. No entanto, seu envolvimento com a arte ia além. Na juventude em Santos, ao lado de Ney Latorraca, Neyde Veneziano e Jandira Martini, fez parte do TEFFI (Teatro Escola da Faculdade de Filosofia), grupo de teatro amador liderado por Carlos Alberto Soffredini e que marcou a vida cultural santista.

Rubens, juntamente com Sílvio de Abreu, foi autor de Éramos seis, telenovela exibida na TV Tupi em 1977. Esta adaptação do romance de mesmo nome escrito por Maria José Dupré fez tanto sucesso que o SBT criou uma nova versão em 1994 e a Globo fará uma nova versão do livro para o horário das 18 horas.

O grande legado de Rubens para nós, ligados, de alguma maneira, ao pedregoso caminho da pesquisa em teatro, cinema, música e televisão foi a criação da Coleção Aplauso em 2004, junto ao Governo do Estado de São Paulo. Através dela, tivemos acesso a importantes registros da vida e carreira de atores, diretores teatrais, dramaturgos, cineastas e músicos.

Infelizmente, por motivos políticos a Coleção se encerrou em 2011. Mas faço questão de dizer: Obrigado, Rubens! Nossa memória cultural deve muito a você!

Luís Francisco Wasilewski, do Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

 

Luís Francisco Wasilewski

Pós-Doutor pelo Programa Avançado de Cultura Contemporânea da UFRJ Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela USP Tem artigos sobre teatro publicados em periódicos como Zero Hora, Correio do Povo, Aplauso Brasil e a revista Quero Teatro Autor do livro Isto é Besteirol: o Teatro de Vicente Pereira, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo em 2010. Contato pelo e-mail:fran_theatro@yahoo.com.br