Artigo: Peça faz releitura das heroínas gregas Antígona, Electra e Medeia

Maurício Mellone, para o www.favodomellone.com.br – parceiro do Aplauso Brasil

Letícia Sabatella, Miwa Yanagizawa e Denise Del Vecchio interpretam, Trágica.3 as trágicas heroínas da Grécia antiga, num espetáculo de Guilherme Leme, em cartaz no CCBB-SP

TRAGICA 3
TRAGICA 3


SÃO PAULO – Uma releitura contemporânea das tragédias gregas Medeia, Electra e Antígona é o que propõe o ator e diretor Guilherme Leme no espetáculo Trágica.3, em cartaz no CCBB-SP. A temporada paulistana está prevista até o início de julho, depois a peça irá para Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, nas demais unidades do CCBB.

Em três peças curtas, apresentadas de forma independente, as atrizes Letícia Sabatella, Miwa Yanagizawa e Denise Del Vecchio, vivem respectivamente as heroínas Antígona, Electra e Medeia.

No elenco estão ainda Fernando Alves Pinto e Marcello H, que além de atuarem são os músicos do espetáculo, ao lado de Letícia, que inicia a peça tocando piano (ela também toca surdo).

O espetáculo começa com Letícia dando vida a Antígona, texto do paulista Caio de Andrade, baseado no clássico de Sófocles, que discute o comportamento humano diante do poder e da intolerância.

Em seguida Miwa encarna Electra, em texto do amazonense Francisco Carlos que traz as três visões da vingança cultivada pela heroína, guardiã da façanha executada pelo irmão, Orestes, que elimina a mãe, Clitemnestra, assassina confessa do marido soberano.

TRAGICA 3
TRAGICA 3

A última a entrar em cena é Denise em Medeia, de Heiner Müller com tradução de Monique Gardenberg e Guilherme Leme; em interpretação vigorosa, a atriz vive a heroína que trai tanto seu povo como seus parentes próximos (mata o irmão e lança seus pedaços ao mar, possibilitando a fuga de Jasão). Com diálogos curtos, Denise também dá voz a Jasão, que abandonou Medeia e se casa com a filha de Creonte, Rei de Corinto. O vídeo exibido no telão atrás da atriz complementa o jogo cênico.

Além de trazer as histórias das heroínas da Grécia antiga sob o olhar contemporâneo, Trágica.3 se destaca por sua montagem minimalista e intimista, o que potencializa o poder da palavra e o impacto que as tragédias provocam no espectador.

Destaque ainda para a trilha sonora executada ao vivo, a iluminação de Tomás Ribas e o visagismo assinado pelo ator Leopoldo Pacheco.

Espetáculo denso e de forte conexão com o espectador.

Roteiro:

Trágica.3’ . Textos: Medeamaterial (Heiner Müller), Antígona (Caio de Andrade), Electra (Francisco Carlos). Tradução: Monique Gardenberg e Guilherme Leme. Concepção e direção:Guilherme Leme. Elenco: Denise Del Vecchio, Letícia Sabatella, Miwa Yanagizawa, Fernando Alves Pinto e Marcello H. Cenografia: Aurora dos Campos. Iluminação: Tomás Ribas. Figurino: Glória Coelho. Trilha sonora original: Fernando Alves Pinto, Leticia Sabatella e Marcello H. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Fotografia: Victor Hugo Cecatto. Produção executiva: Sílvia Rezende.
Serviço:
Centro Cultural Banco do Brasil
(130 lugares), Rua Álvares Penteado, 112 tels. (11) 3113-3651/ 3113-3652. Horários: sábado e segunda às 20 horas e domingo às 19 horas. Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). Duração: 75 min. Classificação: 14 anos. Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física. Estacionamento conveniado: Estapar Estacionamentos – Rua da Consolação, 228; van faz o transporte até o CCBB. Temporada: até 7 de julho.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.