Atenção grupos de teatro do interior, litoral e região metropolitana de São Paulo

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com.br)

Projeto Ademar Guerra
Projeto Ademar Guerra

SÃO PAULO – Na última quinta-feira quando os responsáveis pelo Sesc apresentaram o festival Palco Giratório, a gerente de cultura Marcia Rodrigues da Costa comentou sobre o que faz com que um grupo seja escalado para o festival é perceber sua maturidade, na maior parte das vezes com a contribuição de formações em oficinas, debates, entre outras atividades de cunho pedagógico. No exato instante recordei do Projeto Ademar Guerra da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, cujas inscrições para a temporada de 2013 vão até sexta (22), que dá orientação artística a grupos de teatro do interior, litoral e regiões metropolitanas paulistas.

Projeto Ademar Guerra
Projeto Ademar Guerra

No final do ano passado fui o crítico convidado para fomentar reflexões sobre o trabalho apresentado na Mostra de Teatro do Projeto Ademar Guerra 2012, e mesmo quando, após as apresentações, o grupo era duramente criticado pelo grupo de profissionais de teatro, liderados pelo diretor Sérgio Ferrara, coordenador artístico do projeto, o clima em lugar de severa repreensão era de orientação pedagógica. No Projeto Ademar Guerra os grupos não são obsessivamente induzidos ao acerto, antes o que interessa é o percurso necessário ao êxito.

Em entrevista Michel Fernandes, do Aplauso Brasil, Aldo Valentim, Coordenador Geral do Projeto Ademar Guerra e dos Projetos Especiais das Oficinas Culturais do Estado de São Paulo, fala mais sobre o Projeto Ademar Guerra.

Aplauso Brasil – Como funciona a logística do projeto?

Aldo Valentim – O Projeto é composto por várias ações, sendo que a principal é a orientação técnica e artística oferecida de quinze em quinze dias aos grupos, por meio de um profissional pré-selecionado. As outras ações (mostras, encontros, qualificações) são desenhadas ao longo da edição. 

AB – Qual a duração das atividades de acompanhamento dos grupos assistidos pelo projeto?

AV – O Projeto tem ações de março a novembro, sendo que a orientação artística ocorre de abril a outubro.

AB – Quando acabam as atividades quais as perspectivas de continuidade dos grupos assistidos pelo Projeto Ademar Guerra?

AV – A ideia do Projeto é proporcionar condições de independência para os grupos, independência artística que legitima a sua validação na cidade para obter apoios e parcerias. Após a orientação é realizado a Mostra final onde os grupos que apresentaram processos interessantes ao longo do ano e conseguiram obter êxito na proposta inscrita, apresenta seu espetáculo e é avaliado. Neste momento o Projeto observa e busca possibilitar ao grupo outros formatos de orientação ou atuar na modalidade circulação, quando o grupo passa a se apresentar, representando o Projeto em Festivais.

AB – Quais os critérios de seleção para os editais anuais?

AV – Qualidade artística, consistência da proposta, elenco permanente, relação com a comunidade, histórico do grupo e parceria com a prefeitura local.
CLIQUE AQUI para saber como participar.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*