Bixiga ou Zona Oeste?

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Mamy", de Alexandra Golik, peça que inaugura o Viradalata

Por incrível que pareça, hoje em dia é difícil saber se há mais teatros no Bixiga (Bela Vista) ou na Zona Oeste. É claro que não há tantas casas reunidas como na Praça Roosevelt em nenhum outro bairro. Mesmo assim, temos, de memória, SESI Leopoldina, SESC Pinheiros, Cultura Inglesa, SESC Pompéia, Cacilda Becker, Bradesco, Viga, Crisantempo, o Centro da Terra e duas novas: o Amandodito Espaço Cênico e o Viradalata, ambos na rua Apinagés (Perdizes). Também há recentes na Bela Vista, por exemplo, na rua 13 de maio há o Espaço Elevador e a Sede do Teatro da Vertigem, além do Teatro Ivo60 na Teodoro Baima, próximo ao Arena. Em síntese, até parece uma competição.

Ainda não conheci alguns como o Ivo60 e o Amandodito, mas já estive no Elevador que é muito simpático e no Viradalata que, quando estiver completamente pronto, vai arrasar. Mesmo agora é excelente. Tem bar, como sala de espera, um ótimo palco com iluminação  e som de primeira. Vale a pena conhecer.

O espetáculo de estreia do espaço é Mamy, com texto e direção de Alexandra Golik. Trata do caso de uma senhora de idade cuja casa pegou fogo e que tem de se hospedar com um dos dois filhos, Laura (Luciana Ramanzini) e Felipe (Fabiano Geueli), ou com a nora, Suzi (a autora e diretora).

Viradalata

O texto capta o interesse da plateia sem postular nenhuma tese. Os atores dão conta do recado. A cenografia é de extremo bom gosto (Moshe Motta e a autora), assim como o figurino (Diego Endo e Gabriela Pinesso). A eficiente iluminação é de Miló Martins e a música é de Marcelo Pellegrini.

Não se trata de uma montagem imperdível, mas é boa diversão. O que é imperdível mesmo é o espaço, o teatro.

CLIQUE AQUI para conferir os serviços das peças e endereços dos espaços.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.