Bob Wilson apresenta documentário Absolute Wilson

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Robert Wilson em foto Ling Jing Yuan

SÃO PAULO – Logo mais, às 20h30, no CineSESC, o diretor, dramaturgo e ator norte-americano Robert Wilson, apresenta o documentário Absolute Wilson, da diretora alemã, radicada em Nova Iorque, Katherine Otto-Bernstein, em exibição única.

Com 106 minutos de duração, o filme, cujas exibições serão gratuitas, conta a trajetória de Wilson, desde sua infância no Texas (EUA) – onde seu pai foi prefeito de Waco, cidade marcada pela segregação racial e o fanatismo religioso que contribuíram para que sua timidez aflorasse ainda mais –; suas primeiras dificuldades de aprendizagem e o uso da terapia como ferramenta para expressão artística; sua saída de casa e o fascínio que a cena avant-garde da Nova York dos anos 1960 exerceu sobre Bob Wilson, enfim,  que forma um dos artistas mais renovadores da cena teatral da década de 1970 aos dias atuais.

Robert Wilson em foto de Lucie Jansch

Pelas lentes de Katharina, é possível observar o trabalho terapêutico precoce do artista com crianças hiperativas e a profunda influência que essa experiência catártica teria em seu relacionamento com a linguagem e o movimento.

O que emerge é uma vida cheia de impressões, cores e ritmos, tornando ainda mais pungente a maneira como as primeiras dificuldades deram forma à sua visão estética inovadora e permitiram a criação de algumas das produções mais marcantes do século 20.

Absolute Wilson conta com depoimentos de personalidades como David Byrne, fundador da também vanguardista banda Talking Heads e colaborador de Wilson em The Knee Plays e The Forest; Willian Burroughs, escritor da geração Beat e autor do clássico Almoço Nu; Susan Sontag, aclamada crítica e escritora e colaboradora em Alice in Bed e Lady From the Sea; Philip Glass, compositor minimalista responsável por inúmeras trilhas sonoras e um dos mais influentes músicos do século 20, entre outros.

Wilson está no Brasil para uma temporada de cinco apresentações no Teatro do SESC Belenzinho do monólogo A Última Gravação de Krapp, de Samuel Beckett, cuja estreia foi sábado, mas os ingressos estão esgotados e marca o início de um projeto, que vai até 2014, dedicado a Robert Wilson, que inclui artes cênicas, exibições multimídia e uma nova obra teatral criada e produzida no Brasil com profissionais brasileiros.  Essas ocorrem graças  a uma parceria entre o SESC, a Change Performing Arts e Watermill Center.

Absolute Wilson (EUA, 2006, 106 min)

Direção: Katharina Otto-Bernstein

Quando: dia 16, segunda-feira, às 20h30

Onde: CineSESC (rua Augusta, 2075 – Cerqueira César  –  São Paulo, SP)

Quanto: grátis Telefone: (11) 3087-0500

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*