Brava Companhia apresenta novo espetáculo

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Este Lado Para Cima" - Brava Companhia - crédito Fabio Hirata

Estreia logo mais, às 17h30, no Largo São Francisco, o espetáculo Este Lado Para Cima – Isso Não é um Espetáculo, novo espetáculo da Brava Companhia.

O novo trabalho da trupe, ao ar livre, pretende discutir as relações de trabalho e o poderoso mercado do consumo apresentado personagens que representem determinado tipo social como o Economista, o Apresentador de programa de TV, os Pastores de rua, a Ordem, o Progresso, entre outros, por oito atores.

Este Lado Para Cima, dirigido por Fábio Resende e Ademir de Almeida, conta com verba do Programa de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo e terá duas apresentações no Largo São Francisco (dias 6 e 13 de agosto, ambas às sextas-feiras) e 12 apresentações, aos domingos, em ruas e praças – como Grajaú, Parelheiros, M’boi Mirim, São Luis, Campo Limpo e Cidade Ademar (confira os locais e horários no blog da Brava Companhia: http://blogdabrava.blogspot.com).

“Durante toda nossa trajetória percorremos mais de trezentos bairros da cidade, principalmente os da zona Sul. O Sacolão das Artes, Espaço Brava Companhia, é nossa sede, porém é de extrema importância que nosso teatro não se resuma apenas ao espaço. Queremos percorrer outros lugares, outras trincheiras poéticas, com nossos espetáculos”, explicam os diretores.

Em entrevista exclusiva a Michel Fernandes, o diretor Ademir de Almeida fala sobre Este Lado Para Cima, continuidade da pesquisa iniciada com Errante, espetáculo anterior da cia. que será reapresentado a partir deste sábado (veja serviço ao final da matéria).

"Este Lado Para Cima"- Brava Companhia - crédito Fabio Hirata

Michel Fernandes – Fala-se sobre a continuidade do trabalho anterior. Como se deu o desenrolar de tal continuidade?

Ademir de Almeida – Dá para dizer que, de certa forma, são trabalhos que se complementam, pois partem do mesmo tema de pesquisa, mas vale ressaltar que são abordados de forma bastante diferente.

O tema que deu origem aos dois trabalhos é: MUNDO DAS IMAGENS E SUAS APARÊNCIAS. Durante a pesquisa desse tema nos deparamos com a obra de Guy Debord, Sociedade do Espetáculo, que acabou se tornando a principal referência teórica de ambas as montagens.

Em O Errante, a transformação de toda a vida em uma sucessão de espetáculos é o mote principal, abordado por meio de uma estética que se apropria de elementos espetaculares (projeções em vídeo, luzes, fumaça, cenários e figurinos exagerados etc.) para fazer a crítica da espetacularização.

Já em Este Lado Para Cima, os trabalhadores, que tem suas relações mediadas por esse sistema espetacular mercantil, é que estão evidência, com um tratamento estético pensado para a rua ou espaços alternativos, que traz, ao mesmo tempo, elementos de “trabalho urbano” (ferramentas e instrumentos de trabalho, uniformes, barras de ferro etc.) e de “protestos de rua” (sirenes, faixas, megafones, molotovs), buscando criar um clima de distúrbio urbano durante a encenação.

Em ambos os trabalhos há forte influência do teatro épico de Bertolt Brecht, que se reflete em músicas que contribuem com a narrativa, a valorização do gesto social e o humor como instrumento de crítica.

Michel Fernandes – De que forma isso define a produção estética da cia.?

Ademir de Almeida – A Brava Companhia é um grupo de pesquisa, que possui um corpo estável de atores com um trabalho intenso e continuado visando um permanente aprimoramento técnico e teórico no sentido de potencializar, cada vez mais, suas ações (estéticas ou não). Por conta disso, sua estética pode apresentar características diversas ao longo do tempo, assumindo diferentes definições em determinados períodos.

Mas é possível identificar alguns elementos que são recorrentes em nossos trabalhos, e que tem marcado a estética do atual momento histórico do grupo : um humor anárquico que não poupa nem a si mesmo da crítica, o trabalho físico e gestual – com ênfase no gestus brechtiniano, a narrativa épica, inclusive com a utilização de músicas que apóiam essa narrativa, e o entendimento do teatro como uma arte que possui uma função social.

Michel Fernandes – A discussão a que se propõe o espetáculo não é nova. Qual a forma que vocês pretendem aplicar para desenvolver o tema?

Ademir de Almeida – É uma pretensão da Brava Companhia com seu teatro desnaturalizar alguns absurdos que se apresentam como naturais em nossa sociedade. É isso que entendemos como função social do nosso teatro.

A relação dos trabalhadores com os donos dos meios de produção que os escravizam, de fato, não é um tema “novo”.

Mas talvez seja o tema mais importante de toda a História, pois é essa relação que define todas as outras relações humanas.

Utilizamos nesse trabalho (Este Lado Para Cima) uma estética que até pode ser considerada um tanto agressiva, mas que vem temperada com humor, música, um trabalho físico e gestual apurado e, principalmente, a nossa disposição para falar desse assunto olhando nos olhos do público, com verdade e de maneira bem próxima – afinal, esse trabalho será apresentado na rua, em bairros da periferia, onde as pessoas vivenciam a importância desse tema na pele.

Michel Fernandes – Quais as principais diretrizes da cia. depois dessa estreia?

Ademir de Almeida – Após a estréia, a Brava Companhia circulará com Este Lado Para Cima por bairros da periferia de São Paulo, sempre aos domingos. Cada bairro visitado receberá, na semana seguinte, dois ônibus que levarão o público que assistiu a peça até o Sacolão das Artes, espaço onde a Companhia tem sua sede, para ver o espetáculo O Errante – que aborda o mesma tema discutido em Este Lado Para Cima, mas de maneira bastante diferente. Essa ação tem o objetivo de aprofundar as discussões que levantamos com os espetáculos, além de promover o espaço do Sacolão das Artes, e fortalecer a relação da Brava Companhia com o seu público.

Todas essas ações são pagas com dinheiro público e fazem parte do projeto da Brava Companhia contemplado pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo

ESTE LADO PARA CIMA – Dias 6 e 13 de agosto, sexta, às 17h30 no Largo São BentoDireção – Fábio Resende e Ademir de Almeida. Texto – Brava Companhia. Elenco –Cris Lima, Débora Torres, Henrique Alonso, Joel Carozzi, Luciana Gabriel, Marcio Rodrigues, Rafaela Carneiro e Sérgio Carozzi. Stand in – Maxwell Raimundo. Cenários, adereços e figurinos – Cris Lima, Débora Torres, Joel Carozzi, Marcio Rodrigues, Rafaela Carneiro e Sérgio Carozzi. Concepção Sonora – Brava Companhia.Produção – Kátia Alves. Assistente de Produção –Luciana Gabriel. Duração – 80 minutos.  Censura – livre Gênero – Comédia épica. Ingressos – grátis.

O Errante – reestreia dia 7 de agosto, sábado, às 20 horas, no Sacolão das ArtesDireção – Ademir de Almeida e Fábio Resende. Dramaturgia – Alexandre Krug. Elenco – Rafaela Carneiro, Max Raimundo, Marcio Rodrigues, Luciana Gabriel, Fábio Resende e Ademir de Almeida. Consultor Artístico – Reinaldo Maia. Produção – Kátia Alves. Cenário e Adereços – Mauro Martorelli, Marcio Rodrigues e Rafaela Carneiro. Figurinos – Rafaela Carneiro e Marcio Rodrigues. Costureira – Cleusa de Fátima. Treinamento de Palhaço – Ésio Magalhães.Treinamento Vocal – Carlos Simione. Direção Musical –Brava Companhia. Assessoria Musical – Dagoberto Feliz e Núcleo de Música da Cia Antropofágica. Bases Musicais Eletrônicas – Jonathan Mendonça de Almeida.Consultoria de Maquiagem – Greco Hairstylist. Vídeos –NCA – Núcleo de Comunicação Alternativa e Brava Companhia. Fotos – Fábio Hirata. Material Gráfico –Ademir de Almeida.Temporada – sábados, às 20 horas. Duração – 100 minutos. Censura – livre – Ingressos – grátis.Sacolão das Artes – Rua Cândido José Xavier n° 577, Parque Santo Antônio. Telefone – 11 55116561.Capacidade 120 pessoas. Até 13 de novembro.

VEJA TEASER DE Este Lado Para Cima

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.