Casarão do Sesc Ipiranga fecha as portas com programação especial

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com.br)

Imagem do Casarão que serviu de ocupação artística por cinco meses para o Sesc Ipiranga. Foto/Crédito: divulgação
Imagem do Casarão que serviu de ocupação artística por cinco meses para o Sesc Ipiranga. Foto/Crédito: divulgação

SÃO PAULO – O Sesc Ipiranga promove uma série de eventos para encerrar o projeto É Logo Ali. As atividades finalizam cinco meses de uma ocupação artística do charmoso casarão na Rua Bom Pastor, 709. A festa que quer celebrar a cidade e a arte começa na sexta (31) e invade a madrugada. O casarão fecha às portas de vez no domingo (2). A maioria da programação é gratuita e o que é pago tem o valor de R$ 12 (inteira).

No encerramento do projeto É Logo Ali, o coreógrafo Luis Ferron promoverá uma festa na alameda central do casarão, revisitando os antigos bailes e discotecas anos 80, e convidando todos os artistas presentes na casa a dançar junto ao visitantes em sua Discotheque.

Além de Ferron, o espetáculo Nervura, da bailarina Gícia Amorim, e a performance Sumo, de Julia Rocha, serão apresentados na noite de despedida, que se encerra com uma maratona de leituras dramáticas e performances cênicas, chamada Portas Abertas, realizada por atores de diversos coletivos teatrais de São Paulo, como Teatro da Vertigem, Teatro de Narradores, Club Noir, Companhia São Jorge de Variedades, Folias, Cia. Livre, Companhia do Feijão, Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, entre outros.

Para quem não sabe, o bonito casarão foi locado apenas para a ocupação artística, enquanto a unidade do Sesc Ipiranga passa por reformas parciais. Agora, o espaço será devolvido aos seus proprietários. Segundo assessoria de imprensa do Sesc, o novo teatro da unidade Ipiranga está em fase de adequação e deve reabrir nos primeiros meses de 2015.

PROGRAMAÇÃO DE ENCERRAMENTO É Logo Ali

Discotheque – espetáculo
Dia 31/10/2014. Sexta, das 19h30 às 21h.

Após um longo período de pesquisa envolvendo o tema terreiros, como espaços passíveis e possíveis de relações, “Discotheque” culmina como outra etapa de pesquisa do coreógrafo Luis Ferron na busca de relações envolvendo encontros fortuitos, uma obra que se estabeleça na horizontalidade da experiência entre artistas e espectadores. O espetáculo é uma experiência artística que nega uma forma posta a priori, e elege o espectador como autor complementar e indispensável para a inauguração de formações fugazes. Uma obra que se constrói no instante de cada tempo-espaço com os participantes. Luis Ferron revisita os antigos bailes e discotecas anos 80, promovendo uma festa e convidando todos os artistas presentes na casa a dançar junto ao público. Alameda Central. Livre. Grátis.

Nervura – espetáculo

Dias 31/10, 01 e 02/11/2014. Sexta e sábado, às 21h. Domingo, às 17h30.

Diversos elementos provindos das técnicas de dança contemporânea, como Limón, Trisha Brown e Alwin Nikolais, informam a pesquisa desenvolvida pela bailarina Gícia Amorin, sendo reelaborados e fundidos com as suas concepções próprias. O espetáculo tem uma relação central com a técnica do coreógrafo americano Merce Cunnigham. Coreografia e performance: Gícia Amorim. Músicas: John Cage, Arvo Pärt e Luciano Berio. Cenografia: Suiá Ferlauto. Duração: 45 minutos. Sala de Visitas. 30 lugares. Livre. R$ 12,00 (inteira); R$ 6,00 (maiores de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 2,40 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

Sumo – performance

Dia 31/10. Sexta, às 21h.

Com Julia Rocha. “SUMO” é uma interferência de movimento no espaço onde, o que se vê, pode apresentar qualidades de natureza diversas. Um humano, uma pedra, uma lhama, um embrulho ou ainda formas abstratas. A performer percorre uma coreografia coberta por um tecido que, ao esconder sua figura, evidencia a materialidade do mover. Diversos espaços. Livre. Grátis.

Portas Abertas – intervenção

Dia 31/10/2014. Sexta, das 21h30 às 2h.

Maratona de leituras dramáticas e performances cênicas realizadas por atores de diversos coletivos teatrais de São Paulo. Oito grupos teatrais participarão de uma atividade integrada, na forma de uma intervenção contínua em que cada um terá entre 20 e 30 minutos para a apresentação de materiais cênicos (cenas, leituras, trechos de espetáculos, materiais novos), articulados a partir de um roteiro geral discutido entre os grupos. Coordenados por José Fernando de Azevedo, diretor do Teatro de Narradores, e tendo como norte a poética dos espaços, a ideia é promover o encontro e as formas coletivas de criação. Diversos espaços. Não recomendado para menores de 12. Grátis.

SERVIÇO
É LOGO ALI. Rua Bom Pastor, 709, Ipiranga. A partir de 06/06. Quinta a sábado, das 15h às 22h. Domingo e feriado, das 12h às 19h.

SESC IPIRANGA. Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga. Telefone: (11) 3340-2000. Acesso para deficientes físicos. Bilheteria – De terça a sexta das 12 às 21 horas, sábado das 10 às 21h30 e domingo e feriado das 10 às 18 horas. Não há estacionamento.www.sescsp.org.br.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!