Cássio Scapin estreia espetáculo solo

Nanda Rovere, do Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com.br)

"Eu não dava praquilo". Foto: João Caldas
“Eu não dava praquilo”. Foto: João Caldas

SÃO PAULO – Eu Não Dava Praquilo estreia sexta (12), às 20h00, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-SP). Autoria de Cassio Scapin e Cássio Junqueira. Interpretação de Cassio Scapin. Direção de Elias Andreato; cenografia e figurino de Fabio Namatame. Iluminação de Wagner Freire. Trilha Sonora de Jonatan Harold e assistência de direção de André Acioli, parceiro de Andreato em diversas montagens.

Eu Não Dava Praquilo fala sobre a trajetória pessoal e profissional da atriz e diretora Myrian Muniz, um dos nomes mais importantes da história do teatro brasileiro.

O monólogo dramático é baseado em depoimentos e fatos vividos por Myrian e faz uma homenagem ao ator, à arte de representar e ao teatro como meio de transformação individual e social.

A peça, segundo Cássio Scapin, destaca principalmente a entrada da Myriam Muniz na Escola de Arte Dramática da USP, a relação da atriz com o teatro  de Arena e o trabalho com um dos seus fundadores, o Flávio Império. Além disso, resgata a direção do show Falso Brilhante com a cantora Elis Regina e a fundação da Escola Macunaima.

Para Scapin, é impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar de Myrian Muniz, na medida em que além do talento, a artista era dona de uma personalidade ímpar:  ¨impulsiva, intuitiva, generosa, de uma generosidade hoje rara nos palcos, o que conferiu a artista uma forma inigualável de representar¨.

Neste sentido, as passagens de Myrian pelo palco refletiam o modo como encarava a vida e o ofício do ator. ¨Não foi possível separar a vida pessoal da profissional. Myriam

"Eu não dava praquilo". Foto: João Caldas
“Eu não dava praquilo”. Foto: João Caldas

vivia o teatro intensamente! Tudo que a peça explora no palco é essa relação que a atriz defendia entre as duas coisas¨, conta Scapin .

“Myrian me influencia na busca pela liberdade de estar em cena, entendendo que o teatro não está separado da vida. Teatro é um ofício, é quase um sacerdócio”, salienta o ator, destacando a influência da atriz e diretora na sua trajetória profissional.

O diretor Elias Andreato ressalta que Myrian Muniz é uma sacerdotisa do teatro e os seus ensinamentos marcaram profundamente e apaixonadamente muitos artistas. Eu Não Dava Praquilo é uma forma de agradecimento e reverência pelo seu encantamento, diz o diretor.

O objetivo do espetáculo, afirma o diretor, é também relembrar a história do teatro, seus ensinamentos, prazeres, decepções, obstáculos e relevância para toda sociedade.

Andreato já assinou a direção e atuou em diversos espetáculos solos e os seus trabalhos primam pela delicadeza, na maneira de guiar os atores em cena.

Cássio Scapin demostra segurança em encenar o monólogo e tece elogios ao seu diretor: ¨Estou sozinho, mas não estou só. Trabalhar com o Elias é ter a companhia de quem tem muito conhecimento em espetáculos solos e eu tenho extrema confiança e admiração. Ele trata o ator com muito carinho¨, diz.

A parceria com entre Scapin e Andreato vem de longa data (em montagens como Andaime e Visitando o Sr. Green)  e Eu Não Dava Praquilo , seja pela equipe envolvida, seja pelo assunto tratado, promete ser uma das grandes estreias do mês de julho.

 

Sobre Cassio Scapin
É um dos grandes atores brasileiros. Formado pela Escola de Arte Dramática da USP participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro de sucesso. Desde 1984 trabalha como ator profissional e nos últimos anos esteve nas peças O Mistério de Irma Vap, com direção de Marília Pêra e O Libertino, com direção de Jô Soares. Na televisão,  é muito reconhecido pelo participação no Castelo Rá-Tim-Bum e atualmente é contratado da Record onde atuou na novela Ribeirão do Tempo.

 

Sobre Elias Andreato
É um reconhecido ator e diretor teatral brasileiro, que atua desde a década de 1970 no teatro, na televisão e no cinema. Encenou os monólogos Diário de um Louco, de Nicolai Gogol e Van Gogh, baseado nas cartas do pintor. Além disso, dirigiu, e atuou, em O Andante e Doido ( também monólogos).

Ficha técnica:

Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin

Elenco: Cassio Scapin

Direção: Elias Andreato

Figurino e Cenário: Fabio Namatame

Iluminação: Wagner Freire

Trilha Sonora: Jonatan Harold

Assistente de Direção: André Acioli

Produção Executiva: Angela Dória

Fotos: João Caldas

Programação Visual: Denise  Bacellar

Assessoria de Imprensa: GM Casting – Gabriel Mendonça e João Assunção

Direção de Produção: Fernanda Signorini

Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos

 

Serviço:

Eu Não Dava Praquilo
Local: Teatro do CCBB SP
Endereço: R. Álvares Penteado, 112, Sé, São Paulo/SP CEP: 01012-000
Data: De 12 de julho a 23 de setembro
Horário: A estreia será sexta e  a temporada será aos Sábados às 20h, domingos às 19h e segundas às 20h
Preço: R$6,00 inteira e R$3,00 meia entrada

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 16 anos
Ingressos: venda pelo site www.ingressorapido.com.br e na bilheteria do CCBB
Estacionamento: Estacionamento conveniado Estapar – Rua da Consolação, 228 (Edifício Zarvos) – R$ 15,00 pelo período de até cinco horas, com transporte de van grátis at é a entrada do CCBB. Necessário carimbar o tiquete na bilheteria do CCBB.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.