Cia. Hiato chega ao rol dos melhores coletivos de teatro

Michel Fernandes*, do Aplauso Brasil/ iG (michelfernandes@superig.com.br)

"O Jardim" - foto de Annelize Tozetto

CURITIBA – Desde 2008, com seu primeiro trabalho – Cachorro Morto –, a renomada crítica teatral Mariangela Alves de Lima chamou minha atenção para essa jovem Cia. Hiato, destacando que o grupo “apresentava um trabalho bastante interessante”, à procura de uma dramaturgia que dialogasse com a cena que desejavam realizar. Assisti ao espetáculo e me encantei pelo que vi: jovens talentosos e com muita disciplina na realização do trabalho. Por questões que não interessam ser abordadas aqui, perdi Escuro, segundo trabalho do grupo, e graças ao Festival de Curitiba, tive o prazer de assistir O Jardim, texto e direção de Leonardo Moreira, que estreou ano passado e, sem dúvidas, se a tivesse assistido seria voto certo no prêmio em que sou jurado, o APCA.

"O Jardim" - foto de Annelize Tozetto


Conteúdo e forma são aliados em O Jardim que traz um delicado, comovente, hilário e tenso exercício de memórias esparsas, de épocas diferentes e cruzadas, da vida de um senhor, preso na catatonia de seu Mal de Alzheimer e prestes a ser levado a um asilo.

"O Jardim" - foto de Annelize Tozetto

O jardim é o elo de tais fragmentos da vida dessa família. E é na forma como é apresentada a trama que residem todos os indícios que instigam ao público que assiste ao espetáculo:  os  três fragmentos/ cenas – que nomearei de passado, presente e futuro – são exibidos simultaneamente num cenário divido, pelos atores, formando três nichos que são vistos por parcelas da plateia, esta também disposta de modo a assistir apenas uma das cenas por vez. Assim sendo, o público conecta as diferentes peças da trama, construindo, cada um, seu próprio mosaico erigindo a trama.

Realização: Cia. Hiato | Dramaturgia e Direção: Leonardo Moreira | Elenco: Aline Filócomo, Fernanda Stefanski, Luciana Paes, Mariah Amélia Farah, Paula Picarelli, Thiago Amaral | Ator Convidado: Edison Simão | Cenário: Marisa Bentivegna |Assistente de Cenografia: Ayèlen Gastaldi | Desenho de Luz: Marisa Bentivegna | Operação de Luz: Ayèlen  Gastaldi |Música Original: Marcelo Pellegrini | Figurinos: Theodoro Cochrane | Assistência de Direção: Amanda Lyra | Fotos e vídeos: Otávio Dantas | Criação Gráfica: Cassiano Tosta – DGRAUS | Gestão de Projeto: Aura Cunha | Produção Executiva: João Victor D’Alves | Classificação: 14 anos | Duração: 90 minutos.

*Michel Fernandes viajou a convite do Festival de Curitiba

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.