Comédia de Glaucio Gil ganha direção de Roberto Lage

Nanda Rovere, do Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com)

TODA DONZELA TEM UM PAI  QUE É UMA FERA
TODA DONZELA TEM UM PAI QUE É UMA FERA

SÃO PAULO – A comédia Toda Donzela Tem Um Pai que é Uma Fera, de Gláucio Gill (1932-1965), é um clássico do teatro brasileiro. Escrita em 1962, conta a história de um coronel que defende a honra de sua filha, numa trama recheada de confusões. A estreia é quarta-feira (12), no Teatro Folha, às 21h00. Com direção de Roberto Lage, o elenco conta com os atores Augusto Zacchi, Elvis Shelton, Greta Antoine, Isser Korik e Mariana Hein. Heron Medeiros assina a cenografia. Kleber Montanheiro é o responsável pelo figurino; Paulo Henrique Jordão assina a iluminação e Aline Meyer, a trilha sonora.

A trama se passa na década de 1950, retratando a juventude brasileira dos Anos Dourados e mostra o comportamento machista de um pai que não aceita as atitudes libertárias de sua filha, numa época em que as mulheres eram educadas para casar e ter filhos, mas sempre com a aprovação dos pais.

Dayse vai morar com seu namorado Joãozinho. O pai, um coronel antiquado e linha dura, fica furioso e vai armado atrás do rapaz. Desesperado, o moço procura seu grande amigo Porfírio, que mora no mesmo prédio, e lhe pede um favor: que Dayse fique lá por alguns minutos. O coronel não encontra a filha ao vasculhar o apartamento de Joãozinho e descobre que a moça está no apartamento de Porfírio, um libertino.

Para piorar a situação, uma vizinha, Loló, também entra na história e contribui para que uma tremenda confusão seja armada.

TODA DONZELA TEM UM PAI  QUE É UMA FERA
TODA DONZELA TEM UM PAI QUE É UMA FERA

A ideia de remontar Toda Donzela Tem Um Pai que é Uma Fera é do ator Elvis Shelton, que ficou encantado pela obra após participar de uma encenação desse texto criada para a TV Cultura, dentro da série Senta que Lá Vem Comédia, em 2005.

O objetivo de Shelton é trazer aos palcos comédias clássicas de autores importantes e esquecidos. Neste sentido, a estreia de Toda Donzela Tem Um Pai que é Uma Fera é parte de um projeto maior, que engloba também um ciclo de leituras programado para o segundo semestre deste ano, com oito textos de comediógrafos brasileiros.

Segundo o ator, o que mais lhe chamou a atenção na obra de Glaucio Gill foi a qualidade do texto. ¨Ele escreve brilhantemente e consegue, de maneira muito bem construída, levar ao riso sem precisar de artifícios apelativos. O ator vive em busca de bons textos e sob esse ponto de vista “Toda Donzela” e um prato cheio¨, conta Shelton.

O diretor Roberto Lage também assinala a qualidade do texto e acrescenta: ¨É um grande deleite trabalhar com uma peça de época. Gill propõe um jogo lúdico, arquitetado em uma dramaturgia que envolve e diverte o espectador com as surpresas da trama”, afirma Lage.

A peça retrata fielmente a sociedade dos anos 50, mostrando os conceitos morais e sociais daquele momento histórico: ¨A ideia sempre foi montar um espetáculo respeitando a época original da obra e, consequentemente, os figurinos, cenário, trilha, enfim, tudo nos leva de volta aos anos 50¨, assinala Shelton

Ficha Técnica:

Texto: Gláucio Gill

Direção: Roberto Lage

Elenco: Augusto Zacchi (Porfírio), Elvis Shelton (Joãozinho), Greta Antoine (Dayse), Isser Korik (Coronel) e Mariana Hein (Loló).

Cenografia: Heron Medeiros

Figurino: Kleber Montanheiro

Iluminação: Paulo Henrique Jordão

Trilha sonora: Aline Meyer

Assistência de direção: Paulo Henrique Jordão

Direção de produção: Maurício Inafre

Produção executiva: Regilson Feliciano

Design gráfico: Lucas Blat

Costureira: Euda Alves de Souza

Fotos: Manolo Pacheco

Realização: Abideque Produções

Patrocínio: Theraskin

Co-patrocínio: Sonda Supermercados

Apoio: J. Macedo

 

Serviço

Toda Donzela Tem Um Pai que é Uma Fera

Estréia: dia 12 de março – quarta-feira – às 21 horas

Teatro Folha – Shopping Pátio Higienópolis (Terraço)

Avenida Higienópolis, 618 – SP/SP. Tel: (11) 3823-2323.

Ingressos: R$ 30,00 (setor 1) e R$ 10,00 (setor 2) – ambos com meia entrada

Bilheteria: ter. a qui. (15h-21h), sex. (15h-24h), sáb. (12h-24h) e dom. (12h-20h).

Aceita todos os cartões de crédito.

Temporada: quartas e quintas – às 21 horas – Até 29 de Maio

Duração: 80 min. Gênero: Comédia. Classificação etária: 12 anos.

Capacidade: 305 lugares. Acesso universal. Ar condicionado.

Ingressos Antecipados: www.ingresso.com

Site: http://www.conteudoteatral.com.br/teatrofolha/

 

 

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado