CRÍTICA: A ÓTICA DO CAPITALISMO SELVAGEM EM “QUANTO CUSTA?”

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com)

"Quanto Custa?". Foto: Ding Musa
“Quanto Custa?”. Foto: Ding Musa

SÃO PAULO – O diretor Pedro Granato é do tipo que prefere os projetos não efêmeros. Com as temporadas de espetáculos cada vez mais estreitas o feito deve ser celebrado e lembrado. Esse é caso da montagem Quanto Custa, em está em cartaz no Pequeno Ato, espaço que o diretor mantém, na região central da cidade. Essa é a quarta temporada do espetáculo que já passou por cidades do interior e Brasília.

Baseado nos contos Quanto Custa o Ferro e Dansen do alemão Bertolt Brecht (1898-1956), o espetáculo traz à cena o capitalismo selvagem, suas traições e a busca pelo lucro e sobrevivência de forma leve através de um mistério que faz toda a plateia perguntar: qual é o meu preço?

No enredo, três comerciantes vivem harmoniosamente até que um assassinato misterioso e um empresário forasteiro acaba com a paz e coloca um em alerta contra o outro. Pela montagem visitamos  Brecht além da luta de classes. A guerra, as associações de fachada, os contratos frágeis e a competição que somos levados no dia a dia… quem lucra com a guerra e o medo? É possível sobreviver sem se vender? Quem é confiável? Quem tem mais dinheiro é o melhor aliado? Essas e outras perguntas permeiam o texto que tem mais do que uma interrogação no título.

Os atores Paulo Federal, Pedro Felício e Ernani Sanchez têm boas atuações, que em conjunto com a trilha sonora e narração de Rafael Castro, iluminação Uirá Freitas e direção cênica de Marinês Mencio ajudam a criar o clima de suspense e proximidade com a plateia.

Quanto Custa? É uma adaptação que fala aos nossos dias, ao inconfessável da nossa sociedade – que mesmo com mais de meio século adiante – continua a mesma no cerne da humanidade.

O espetáculo está na última semana de temporada no Pequeno Ato. Faz apresentações dias 10 e 11 de março, quinta e sexta-feira, às 21h. Se bem que se depender de Granato, a peça logo aparece em cena de novo. Ainda bem.

Ficha Técnica:

Quanto Custa?. Texto: Bertolt Brecht. Tradução: Christine Röhrig e Marcos Americo Renaux. Adaptação e  Direção: Pedro Granato. Assistente de Direção: Diego Dac.Elenco: Ernani Sanchez, Paulo Federal e Pedro Felício. Direção de Arte: Marinês Mencio. Iluminação: Uirá Freitas. Trilha Sonora Original: Rafael Castro. Direção de Produção: Carla Estefan. Assistente de Produção: Nuno Carvalho. Operação de Luz: Vinicius Andrade. Operação de. Som: Edson Luna. Cenotécnicos: Bygdin e Edson Luna. Fotos: Ding Musa. Design Gráfico: Anna Turra. Vídeo: Beto de Faria. Gênero: Suspense. Duração: 60 minutos. Recomendação etária: a partir de 12 anos.

 

Serviço:

Quanto Custa? – De 25 de fevereiro a 11 de março no Teatro Pequeno Ato.

Temporada: Quintas e sextas às 21 horas. Ingressos: R$30 e R$15.

Capacidade: 30 lugares.

TEATRO PEQUENO ATO – Rua Doutor Teodoro Baima, 78, Consolação. Telefone – 99642-8350. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Aceita cartão. Estacionamento ao lado. Ingressos antecipados em: http://www.sympla.com.br/pequenoato

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!