CRÍTICA: ‘ATO A QUATRO’ FEITO COM AMOR E SOBRE AMORES

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com)

ATO A 4
ATO A 4

SÃO PAULO – Ato A Quatro é um espetáculo que surpreende por conseguir expandir a partir de um jogo amoroso para uma trama divertida, com dose de suspense e conteúdo. A forma como a relação das personagens é construída e desconstruída na cena deixa transparecer as fragilidades e as aspirações de cada um deles.

Além disso, a peça é um exercício de teatro que também é sobre o teatro – não só o dos atores profissionais, mas aquele que fazemos no dia a dia em todos os lugares: casa, trabalho e festas.

Quatro personagens, uma trama de teatro dentro do teatro e uma “quadrilha” de amor que lembra o poema Carlos Drummond de Andrade. Cenas comuns, de comédia de costume, que são enriquecidas pela entrega dos atores, o trabalho do diretor Bruno Perillo e da autora do texto, a inglesa Jane Bodie – que parte do clichê das relações para o psicológico que as envolve.

Em Ato A Quatro, Tom (Luciano Gatti) é casado com Alice (Nicole Cordery). Ela é uma atriz que se tornou enfermeira em busca de estabilidade. No trabalho descobre Jack (Edu Guimarães), homem solitário e obsecado por ela. Enquanto isso, Tom, ator, ensaia um espetáculo em que faz o amante de Nathasha (Joana Dória). A ficção invade a mente dos dois que se envolvem pela sedução.

O espetáculo acontece em 25 pequenas cenas, ágeis e fáceis de acompanhar. O cenário, jogo de luz e o bem aproveitado palco alternativo do Viga Espaço Cênico (onde a peça fica em cartaz até 31 de maio) chamam a atenção. 'Ato A Quatro'

As junções entre as cenas são bem demarcadas pela luz, troca de figurino e trilha. Os atores por todo o tempo permanecem no palco, alternando quem está em primeiro ou segundo plano. A perspectiva é trabalhada com minimalismo. Projeções que invadem a plateia favorecem o clima intimista e aconchegante.

Ato A quatro tem conjunto e uma história do tipo que agrada e fala ao público. Não é a toa que a trupe do espetáculo está investindo (do próprio bolso) para se manter em cartaz no Viga, depois de uma curta temporada no Sesc Pinheiros. O teatro (e seus amantes) deve agradecer os ‘loucos’ que carregam produções de qualidade nas costas. Uma peça feita com amor e sobre amores –  como o fazer teatral.

FICHA TÉCNICA

Texto: Jane Bodie

Direção e tradução: Bruno Perillo

Personagem/Elenco:

Alice / Nicole Cordery – Tom / Luciano Gatti – Natasha / Joana Dória – Jack / Edu Guimarães

Assistente de direção: Janaína Suaudeau

Cenografia: Chris Aizner e Nilton Aizner

Figurino: Chris Aizner

Luz: Igor Sane e Flavio Barollo

Instalação audiovisual: Flavio Barollo

Trilha sonora: Dan Nakagawa

Corpo: Marina Caron

Operação de luz: Vitória Angela Silva

Fotografia: Carla Trevizani

Assistente de produção: Anna Zêpa

Produção executiva: Janaína Suaudeau

Direção de produção e Idealização: Bruno Perillo e Nicole Cordery
SERVIÇO:

Espetáculo Ato a Quatro

LOCAL: VIGA ESPAÇO CÊNICO – Sala Piscina – http://www.viga.art.br
ENDEREÇO: Rua Capote Valente, 1.323 – Próximo ao Metrô Sumaré

Temporada: de 11 de abril a 31 de maio

Horários: sábados às 21h e domingos às 19h

Duração: 75 minutos

Capacidade: 40 lugares

Classificação: Livre

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Serviço de manobrista na porta: R$ 20,00

Ingressos pela internet: Ingresso Rápido – 4003-1212 – http://www.ingressorapido.com.br

Bilheteria: Abre duas horas antes do espetáculo

Reservas e informações pelo telefone: (11) 3801-1843 das 13h às 18h.

 

 

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!