SÃO PAULO – Elenco grande no teatro é cada vez mais raro. São Tempos de vacas magras. Mas o fato é que Jô Soares conseguiu não só reunir uma equipe grande como também imprimir coesão e qualidade para a A Noite de 16 de janeiro. O espetáculo em cartaz no Teatro Tuca, funcionou mesmo para Jô, que comemora seus 80 anos com a montagem que carrega no nome o dia do seu aniversário. E como ousadia nunca é demais, ele está no palco como juiz.

A história remete aos clássicos de tribunal. Da filósofa russo-americana Ayn Rand, A Noite de 16 de Janeiro é um peça que se passa em 1934 e encena o julgamento de um homicídio. O Tribunal do Júri é apresentado ao caso de Andrea Karen, ex-secretária e amante do empresário Bjorn Faulkner, acusada de seu assassinato. O final da história quem escolhe é o público. A cada sessão 12 espectadores ficam no palco e fazem o real papel de júri.

Jô além de dirigir e estar em cena, para saciar aqueles os que sentem saudade da sua irreverência, também traduziu o texto para essa montagem. A história já teve uma montagem em 1949, com Paulo Autran e Nydia Licia no início do TBC.

Para o elenco, Jô escolheu bem seu elenco e consegue quase o milagre de fazer tal número estar coesos. Cassio Scapin, Erica Montanheiro, Felipe Palhares, Giovani Tozi, Guta Ruiz, Luciano Schwab, Kiko Bertholini, Marco Antônio Pâmio, Mariana Melgaço, Milton Levy, Nicolas Trevijano, Norival Rizzo, Paulo Marcos, Ricardo Gelli e Tuna Dwek.

Com camadas que vão do drama à comédia, do suspense à redenção, o espetáculo oferece camadas. É verdade que o texto é longo e o espetáculo tem quase duas horas e, no final, a plateia sente, mas o esforço compensa. O cenário impressiona, pois é possível acompanhar muita gente no palco, bem acomodada e com nuances. A atriz Guta Ruiz, que faz a amante acusada, a todo momento esboça reações – ora fáceis de notar, ora nem tanto, como por exemplo, uma mexida leve no colar. O público pode até escolher o que o olhar acompanha. O Júri? As testemunhas, que depois de depor também se acomoda no palco? Ou as mesas do promotor e do advogado de defesa?

Se há destaques em A Noite de 16 de Janeiro são as mulheres. Tuna Dwek quando entra no palco para fazer a governanta rouba a cena, com direito a um sotaque. As rivais interpretadas por Guta Ruiz e Erica Montanheiro divertem e intrigam. E Mariana Melgaço, por sua vez, consegue arrancar risadas sem quase falar em cena.

Ricardo Severo dá o tom do espetáculo de época e de suspense completado por belos figurinos de Fabio Namatame e a iluminação precisa de Maneco Quinderé. A Noite de 16 de Janeiro é um espetáculo equilibrado em muitos pontos. Leve para quem gosta de leveza sem deixar de tratar de temas espinhosos como corrupção e traição. Como diz o Jô, sem spoilers, qualquer coincidência com o Brasil é só isso mesmo.

Ficha Técnica

Texto: Ayn Rand

Tradução: Jô Soares e Matinas Suzuki Jr

Direção: Jô Soares

Elenco: Cassio Scapin, Erica Montanheiro, Felipe Palhares, Giovani Tozi, Guta Ruiz, Jô Soares, Luciano Schwab, Kiko Bertholini, Marco Antônio Pâmio, Mariana Melgaço, Milton Levy, Nicolas Trevijano, Norival Rizzo, Paulo Marcos, Ricardo Gelli e Tuna Dwek

Diretor assistente: Mauricio Guilherme

Cenografia: Chris Aizner e Nilton Aizner

Figurino: Fábio Namatame

Música Original: Ricardo Severo

Videografismo e Mapping: André Grynwask e Pri Argoud

Iluminação: Maneco Quinderé

Direção de Arte Gráfica e Assistente de Dramaturgia: Giovani Tozi

Fotografia: Priscila Prade

Video Maker: Erik Almeida

Assessoria de Imprensa: Morente Forte

Produção Executiva Montagem: Mariana Melgaço

Produção Executiva Temporada: Joyce Olivia

Assistente de produção: Adriana Souza e Bruno Gonçalves

Administração financeira: Vanessa Velloni

Patrocínio: Bradesco Seguros

Produção: Rodrigo Velloni

Realização: Ministério da Cultura e Velloni Produções Artísticas

Serviço

A NOITE DE 16 DE JANEIRO

Teatro Tuca (672 lugares)

Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes

Informações: 3670.8455

Vendas: www.ingressorapido.com.br e 4003.1212

Bilheteria: de terça a domingo a partir das 14h. Aceita dinheiro e todos os cartões, crédito e débito. Não aceita cheque. Acesso para deficiente. Ar-condicionado. Vallet no teatro aos sábados e domingos – R$ 20. Estacionamento conveniado: Píer Park da Rua Monte Alegre, 835 – R$ 14.

Sextas às 21h30 | Sábados às 21h | Domingos às 19h

 Ingressos:

R$ 100

Duração: 110 minutos

Recomendação: 14 anos

Estreou dia 05 de Maio de 2018

Temporada: até 09 de Dezembro

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com.br)