CRÍTICA: “TCHEKHOV” E UMA FÁBULA SOBRE UM MITO DO TEATRO

Kyra Piscitelli*, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com)

"Tchekhov]'
“Tchekhov]’

 

CURITIBA – O Ave Lola Espaço de Criação abriu suas portas para o público com diversos eventos durante o Festival de Curitiba. O grupo local conseguiu fazer da sua casa o que gostam: criar uma experiência artística. O destaque ficou por conta de Tchekhov. O espetáculo é uma montagem autoral do grupo que uniu personagens ficcionais e pessoas da convivência do dramaturgo Anton Tchekhov para falar sobre teatro.

De forma leve e divertida, a diretora Ana Rosa Tezza e os atores usam o pequeno espaço com criatividade. Músicos que ficam em uma espécie de andaime do palco fazem a trilha ao vivo.

Em cena, a desmistificação e a construção de um ícone do teatro russo do século XIX convergem. O fazer teatral está em cena a todo momento.

"Tchekhov"
“Tchekhov”

O espetáculo é dividido em dois atos. No primeiro, um pouco da vida pessoal  de Tchekhov com uma adaptação para o conto Aniuta, que é de autoria do russo. A história é sobre uma cigana ferida que consegue ajuda de um médico e acaba “se casando com ele”.

Já no segundo ato, o espetáculo usa A Gaivota para falar do dramaturgo. O texto que foi um fracasso na primeira montagem, conseguiu sucesso em uma segunda chance, quando foi dirigido por Constantin Stanislavski.

A realidade de um teatro e atores que buscam sobreviver, o universo de uma Rússia em transformação e uma aristocracia em xeque – da qual tanto falou Tchekhov em sua obra – aparecem em uma mescla de humor e drama.

Os recursos e o realismo e ou representação teatral, como, por exemplo, a discussão a cerca da melhor forma de imitar o coaxar dos sapos faz parte dessa montagem que além de criativa, trabalha uma metalinguagem em uma homenagem ao Tchekhov e sua maior arte: o teatro.

Em tempo: a montagem foi vencedora do Prêmio Gralha Azul 2014 e merece sair de Curitiba para ganhar a cena brasileira. Além disso, quem for a Curitiba deve passar no Ave Lola Espaço de Criação para ir ao teatro, sentar e ler ou comer uma ótima e barata Bruschetta com salada.

Confira a programação do Último dia do Festival no Ave Lola:

Dia 5 de abril (domingo)

13h – Exposição Olhos Atentos Sobre a Cidade

15h – Tchekhov

Sobre: Baseada no universo da vida de Tchekhov e do fazer teatral da Rússia do século XIX a obra pede licença e mescla personagens ficcionais e pessoas da convivência do dramaturgo. Uma aventura emocionante sobre a vida dos artistas dessa Rússia dos sonhos.

Ingressos: R$ 40,00 (inteira).

18h – O Narrador

Sobre: Por meio do gesto de contar histórias, o dramaturgo e performer, Diogo Liberano narra ao público vivências próprias relacionadas à morte de amigos e parentes. Porém, mais que falar sobre a morte, esta performance busca abrir um olhar renovador sobre a vida.

Ingressos: R$ 20,00 (inteira).

20h – Trio Quintina

Sobre: Com pouco mais de 10 anos de carreira, o Trio Quintina traz em seu novo trabalho uma multiplicidade de sons para além dos cinco instrumentos originais (violão, guitarra, flauta, percussão e voz), que os levaram a se chamar Trio Quintina.

Ingressos: R$ 20,00 (inteira).

FICHA TÉCNICA DE TCHEKHOV

Direção: Ana Rosa Tezza

Elenco: Evandro Santiago, Fabricio Amaral, Gabriel Schwartz , Helena Tezza, Janine De Campos , Marcelo Rodrigues De Oliveira, Mateus Ferrari, Regina Bastos, Tatiana Dias, Val Salles, Vida Santos

Música Original: Jean Jacques Lemêtre

Operação de Luz: Raul Freitas

Estado  Paraná

Cidade  Curitiba

www.festivaldecuritiba.com.br

*Kyra Piscitelli, editora assistente do Aplauso Brasil, viajou para Curitiba a convite do Festival.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*