Crítica: Um Grande Espetáculo e um Grande Ator

Luís Francisco Wasilewski, do Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

 

'Bette Davis e Eu'
‘Bette Davis e Eu’

SÃO PAULO – Já escrevi sobre isto no Aplauso Brasil. Desde 1998 eu persigo Wilson de Santos. Foi quando o assisti no musical Noviças Rebeldes, da Companhia Baiana de Patifaria .Fiquei em estado de encanto por este ator cômico, um autêntico revisteiro que possui como poucos o dom de fazer rir e ao mesmo tempo interagir(sem ser agressivo) com a plateia.

A partir de então sempre que Wilson está com um espetáculo em cartaz eu corro para assistir. Foi assim, há poucas semanas, quando fui ao Teatro Renaissance assistir Bette Davis e Eu e Wilson novamente me surpreendeu. Não está em cena o ator de humor desabrido, que interage e provoca a plateia. Temos ali, naquele palco, um ator que construiu uma interpretação histórica do mito cinematográfico Bette Davis. Some aquele humor escrachado, tão típico de suas atuações, para aparecer a ironia fina e mordaz de Bette.

A recriação que ele fez da grande estrela cinematográfica nos remete a outras representações históricas de grandes artistas em montagens brasileiras, como a que Diogo Vilela fez de Cauby Peixoto ou então a de Stella Miranda para Carmen Miranda.

Wilson de Santos e Flávia Garrafa em "Bette Davis e eu"
Wilson de Santos e Flávia Garrafa em “Bette Davis e eu”

O texto foi escrito por Elizabeth Fuller. Ele é calcado em uma experiência que a escritora vivenciou em 1985, a saber, a de receber por um mês em sua casa Bette Davis. Fuller a partir deste fantástico acontecimento concebeu a dramaturgia do texto, que a mostra às voltas com Bette neste insólito período.

Coube a Flávia Garrafa se desdobrar nos papéis de Fuller e de seu marido na montagem brasileira. E ela também o faz com brilhantismo.

Alexandre Reinecke sabe conduzir de forma inteligente a direção desses dois grandes atores.

Durante os 90 minutos do espetáculo o público conhece a fantástica personalidade da diva. Suas famosas brigas, como a com a atriz Joan Crawford que contracenou com ela no antológico                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                O Que Terá Acontecido a Baby Jane? são rememoradas. O mau humor e o sarcasmo de Bette também aparecem ao falar de outros artistas cinematográficos como Paul Newman.

São também merecedores de destaque o ótimo cenário de Theodoro Cochrane e os lindos figurinos de Fábio Namatame para a encenação.

Bette Davis E Eu encerra esta semana sua temporada no Renaissance. Por isso, corra. È uma oportunidade rara de se assistir a um grande ator em um grande espetáculo.

Bette Davis e euAté 30 de Junho, Sextas às 21h30, Sábados às 21h e Domingos às 18h. Teatro Renaissance. Alameda Santos, 2233.  Cerqueira César. Tel. 11 3188- 4151. R$ 60 e R$ 70.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*