Crítica: Uma bala certeira

Luís Francisco Wasilewski, do Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"A Bala na Agulha"
“A Bala na Agulha”

SÃO PAULO – Criar um bom texto dramático metateatral não é uma tarefa fácil. Pois este desafio é cumprido com maestria por Nanna de Castro em A Bala na Agulha, em cartaz no Tucarena.

Partindo do mote que mostra o encontro de um ator antigo com um jovem galã televisivo e uma grande atriz veterana, a autora faz um percurso por grandes clássicos da dramaturgia ocidental.

Quando entra no espaço cênico, o espectador já é envolvido pelo inteligente cenário de Cláudio Solferini, que faz uma alusão direta a Esperando Godot, de Samuel Beckett, peça que o velho ator e o galã estão ensaiando. Nanna expõe com um humor cruel os bastidores do teatro.

Entremeando esta situação, ela coloca as três personagens representando cenas emblemáticas de peças como Macbeth, Casa de Bonecas e a bela homenagem que a autora faz ao grande dramaturgo brasileiro Alcides Nogueira, reproduzindo uma cena de sua peça Florbela, que originalmente foi representada por Denise Del Vecchio.

A direção de Otávio Martins é precisa. Sabe explorar bem o espaço cênico.E pôde ele também contar com um brilhante trio de atores. Denise Del Vecchio como a grande diva teatral, Eduardo Semerjian representando o amargo ator veterano e Alexandre Slaviero compondo o parvo jovem galã formam um elenco afinado.

A Bala na Agulha já desponta como um dos grandes destaques da cena teatral paulistana deste ano.

Roteiro:
A Bala na Agulha
. Texto: Nanna de Castro. Direção: Otávio Martins. Elenco: Alexandre Slaviero, Denise Del Vecchio e Eduardo Semerjian. Assistentes de direção: Pedro Garrafa e Beto de Faria. Trilha sonora: Otávio Martins. Figurinos: Marichilene Artiseviskis. Cenografia: Cláudio Solferini. Iluminação: Pedro Garrafa. Fotografia: Dene Santos. Produção executiva: Marcela Bannitz. Direção de produção: Will Sampario.
Serviço:
Teatro Tucarena (300 lugares), Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, tel. (11) 3670-8455. Horários: sextas às 21h30, sábados às 21h e domingo às 19h. Ingressos: sexta R$ 40, sábado e domingo R$ 50. Duração: 70 minutos. Classificação: 14 anos. Temporada: até 1º de dezembro.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

2 Comentários

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*