Duas que vale conferir

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

<i>Teatro Para Pássaros</i> -Daniel Gaggini e Ana Füser - foto de Cacá Bernardes-
Teatro Para Pássaros -Daniel Gaggini e Ana Füser - foto de Cacá Bernardes-

A Cia. de Teatro Encena apresentou em suas últimas montagens, com exceção de Leonor de Mendonça (Gonçalves Dias), textos experimentais em que o ponto de vista dos jovens de agora é contraposto à visão dos atuais coroas. Desta vez mudou de foco encenando ninguém menos que Jorge Andrade, Os Ossos do Barão, em cartaz no Teatro Ruth Escobar.

O autor paulista, em Os Ossos do Barão, analisa os efeitos da crise de 1929, que empobreceu os donos de fazenda e de cujos efeitos foi possível se salvar graças ao café e à imigração italiana.

Dois interesses a princípio antagônicos, mas que acabam se compondo como é hábito em nosso país pouco afeito à guerras, apesar de ter participado de algumas e criado revoluções mais ou menos localizadas. Talvez esse seja o foco que o grupo defende e enfatiza, pois é com o qual conta com a empatia da plateia. Há interesse do público do começo ao fim, inclusive rindo nas partes cômicas.

Mário Condor e Luciana Rossi em <i>Teatro Para Pássaros</i>
Mário Condor e Luciana Rossi em Teatro Para Pássaros

Pessoas acostumadas a assistir famílias de alta estirpe em cena, provavelmente estranharão a simplicidade de cenário (Jorge Jacques) e figurinos (Walter Lins) os quais muitas vezes parecem mais próximos do experimentalismo que até hoje caracterizou o grupo. São detalhes que não impedem a apreciação da obra, mas podem chamar a atenção de espectadores muito exigentes.

O elenco composto por dez atores não é inteiramente regular, mas dá conta do recado, especialmente na primeira parte, tendo como destaque Orias Elias, no papel do fazendeiro, e que, também, assina a direção do espetáculo.

Uma peça bastante otimista em contraste com tantas pessimistas, a maior parte das quais vindas de fora. Além do que traz para a cena uma das obras primas da dramaturgia paulista. Vale conferir.

Na corrente oposta está Roberto Lage que re-estreou Teatro Para Pássaros, no Teatro Sérgio Cardoso, desta vez, fazendo montagem experimental.

O texto é de Daniel Veronese, um dos argentinos mais premiados em seu país, já conhecido nas Américas e que nunca tinha sido montado por aqui. É um espetáculo extremamente instigante: A Primeira impressão é de que se trata de uma peça do absurdo, mas com uma característica nova, apresentando o absurdo, que sempre se caracterizou pela falência da razão, nas relações afetivas. A segunda impressão é a de que é de um autor que considera a juventude absurda. A terceira, é a de que trata-se de uma crítica à juventude brasileira, pois o país é muitas vezes citado nominalmente. Será?

Vale assistir porque mexe com a gente e o elenco (Ana Fuser, Bete Correia, Daniel Gaggini, Flávia Tonalesi , Luciana Rossi e Mário Condor) é maravilhoso, a direção com ritmo impecável de Lage, assim como ótimos cenário (Rodrigo Paz) e figurinos (Ed Mendes e Luiz Parisi).

OS OSSOS DO BARÃO, de Jorge Andrade, Até 28 de março de 2010 no Teatro Ruth Escobar. Sextas e sábados às 21 horas e domingos às 19h30. Direção: Orias Elias. Co-Direção: Walter Lins. Elenco: Cadú Camargo, Daniella Murias, Débora Muniz, Dora Coppola, Jacintho Camarotho, Lourdes Bastos, Orias Elias, Roberto Francisco, Sylvia Malena e Zulhie Vieira. Figurino e Trilha Sonora: Walter Lins. Cenografia: Jorge Jacques. Luz: Orias Elias.Ingressos: R$ 30 (sextas e domingos) e R$ 40 (sábados). Faixa etária: 12 anos. Duração:90 minutos. Capacidade: 390 pessoas.

TEATRO RUTH ESCOBAR – Sala Dina Sfat. Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista. Telefone:3289-2358. Possui acesso para deficientes. Estacionamento: Sistema Valet.

TEATRO PARA PÁSSAROS, de Daniel Veronese. Até 28 de fevereiro. Teatro Sérgio Cardo – Sala Paschoal Carlos Magno. Rua Rui Barbosa, 153, Bela Vista – SP – Tel: (11) 3288-0136. Sextas (21h30), sábado (21h) e domingo (19 horas)

Ingressos: R$ 20,00 (¹/2 entrada: R$ 10,00) – Bilheteriade quarta a domingo a partir das 15h. Gênero: Comédia – Duração: 80 min – Classificação etária: 14 anos

Capacidade: 144 lugares – Reservas: (11) 8152-1598

Cartões Visa e Visa Electron – Ar condicionado e acesso universal.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

2 Comentários

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*