SÃO PAULO – O Prêmio Aplauso Brasil é criado para o público, por isso temos sempre duas premiações: do júri técnico e de quem prestigia o teatro em São Paulo: a plateia. Começamos pequenos e já estamos no calendário da cidade e seis anos de história. Estamos em constante aprimoramento para que seja feito sempre um lindo evento e que as votações e processos sejam os mais justos e transparentes possíveis.

Este ano, o prêmio acontecerá no Teatro Sérgio Cardoso, dia 6 de agosto, às 19h. O Teatro Sérgio Cardoso decidiu ser o grande palco de premiações em São Paulo e nos honra compartilhar do espaço. Ali aconteceu o Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem e também será palco da festa da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), além de abrigar o Aplauso Brasil.

Carregamos com carinho ímpar para o hall da nossa história o Teatro Porto Seguro, que nos dois últimos anos nos recebeu, o incrível Theatro São Pedro, palco da segunda edição, e a SP Escola de Teatro, onde essa história se consolidou.

A atriz Marisa Orth, nossa apresentadora veterana, segue com a gente por mais um ano. Já é o terceiro dela no Aplauso Brasil e queremos que essa parceria se repita muito ainda. Dessa vez, ela dividirá o palco com o ator Aílton Graça. Os dois juntos prometem muita diversão para todos.

Aos poucos vamos trazer mais novidades e notícias da premiação para os nossos leitores.

 

Vencedores
A partir da quarta edição da premiação, ser anexado um Júri Técnico, além de uma Comissão que auxilia nas indicações semestrais, o Voto Popular tem dois aspectos decisórios na reta final: quem vence a final – que vai até as 23h59 de 25 de abril de 2018 – ganha uma placa de Voto Popular e, excepcionalmente por questões técnicas, nesta edição os seis colocados vão para a Final Compartilha entre os votos populares e o Júri Técnico. Originalmente só os cinco mais bem colocados iriam. Atualmente, o Júri técnico é formado por Júlio César Dória, Kyra Piscitelli, Luís Francisco Wasilewski, Nanda Rovere e Teca Spera, sendo Michel Fernandes o coordenador de votação.

O mais votado da lista dos seis finalistas, três de cada semestre, ganha o Voto Popular, sendo-lhe concedida uma placa como prêmio, além disso ele passa a ter três pontos para a Final Compartilhada com o Júri Técnico, sendo o vencedor da estatueta conhecido apenas na Cerimônia do Prêmio Aplauso Brasil, a ser realizada no próximo dia 06 de agosto, no Teatro Sérgio Cardoso.

Final Compartilhada funciona por pontos, onde o primeiro colocado tem três pontos, o segundo, dois, e do terceiro ao quinto colocados ganham um ponto cada, somam-se a essa pontuação um voto por cada membro do Júri Técnico.

Na categoria Melhor Espetáculo Para o Público Infantil e Jovem, o vencedor será escolhido pelo voto compartilhado entre público e o curador da categoria, Júlio César Dória, sendo que apenas o vencedor do Voto Popular ganha dois pontos, o restante ganha apenas um ponto, e o voto do curador da categoria vale dois pontos.

O coordenador de votação, Michel Fernandes, dará o voto de desempate caso seja necessário.

O Júri técnico se reunirá em breve para decidir os seus vencedores, que serão revelados no dia da premiação, no Teatro Sérgio Cardoso. Os mais votados pelo público foram selecionados, em votação aberta, até 25 de abril.

Confira:
(lista em ordem dos mais votados)

MELHOR ILUMINAÇÃO

Binho Schaefer por “Teresinha” e “Grande Sertão: Veredas”
César Pivetti e Vania Jáconis por “O Bosque Soturno” e “Quarto Estado da Água”

Wagner Freire por “O Som e a Sílaba”

Aline Santini por “Refluxo” e “Não Somos Amigas”

Wagner Antonio por ”Chorume” e “Jacqueline”

Aurélio de Simone por “A guerra não tem rosto de mulher”
 

MELHOR ARQUITETURA CÊNICA

Camila Toledo, com colaboração de Paulo Mendes da Rocha por “Grande Sertão: Veredas”

Eric Lenate por ”Refluxo”

José Dias por “Doroteia”

André Cortez por “Imortais” e “Jacqueline”

Grupo Redimunho por “Siete Grande Hotel: A Sociedade das Portas Fechadas”

Ronaldo Fraga por “A Visita da Velha Senhora”

 

MELHOR FIGURINO

Ligia Rocha e Marco Pacheco por “O Som e a Sílaba” e “Hebe, o musical”

Bia Pieratti e Carol Reissman por “Pessoas Brutas”

A musa heroica Cia. de teatro por “Relicário”

Rosangela Ribeiro por “Refluxo”

Kika Lopes e Heloisa Stockler por “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”

As Meninas do Conto – Yumi Sakate por “Mil Mulheres e Uma Noite”

 

MELHOR TRILHA SONORA

Fred Silveira e Dan Rosseto por “Enquanto as Crianças Dormem”

Egberto Gismonti por “Grande Sertão: Veredas”

Zeca Baleiro por “Roque Santeiro, o Musical”

Chico César, Beto Lemos e Alfredo Del Penho por “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”

Miguel Briamonte por “Constelações” e “Num Lago Dourado”

Marcello Amalfi por “Se Existe Eu Ainda Não Encontrei”

 

MELHOR DIREÇÃO
Miguel Falabella por “O Som e a Sílaba” e “Hebe, o musical”
Eric Lenate por “Refluxo”

Luiz Villaça por “A Visita da Velha Senhora”

Luiz Carlos Vasconcelos por “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”

Eric Nowinski por “Mil Mulheres e Uma Noite”

 

MELHOR ELENCO

“Fulaninha e Dona Coisa” (Nathalia Dill, Vilma Melo e Rafael Canedo)
“Enquanto as Crianças Dormem” (Carol Hubner, Carolina Stofella, Diogo Pasquim, Haroldo Miklos, Juan Tellategui, João Sá, Samuel Carrasco e Roque Greco)

“Suassuna – O Auto do Reino do Sol” (Adrén Alves, Alfredo Del Penho, Beto Lemos, Fábio Enriquez, Eduardo Rios, Renato Luciano, Ricca Barros, Rebeca Jamir, Chris Mourão e Pedro Aune)

“O Som e a Sílaba” (Alessandra Maestrini e Mirna Rubim)

“Mil Mulheres e Uma Noite” (Danielle Barros, Helena Castro, Lilian de Lima, Lívia Salles, Norma Gabriel, Silvia Suzy, Simone Grande e Carolina Bahiense) (3%, 18 Votos)

“Estranhos.com” (Deborah Evelyn e Johnny Massaro)

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Miriam Jardim por “A Falecida”
Renata Ricci por “Hebe, o musical”

Mel Lisboa por “Boca de Ouro”

Lavínia Pannunzio por “Refluxo”

Ana Toledo por “Lembro Todo dia de Você”

Denise Assunção por “As Criadas”
 

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Ubiracy Paraná do Brasil por “2 Filhos de Francisco, o musical“
Rodrigo Fregnan por “2 Filhos de Francisco, o musical“

Robson Catalunha por “Pessoas Brutas”

Ivan Parente “Les Miserables”

Dagoberto Feliz por “Roque Santeiro”

Reiner Tenente por “Cantando na Chuva”

 

MELHOR ATRIZ
Denise Fraga por “A Visita da Velha Senhora”

Eloisa Vitz por “A Falecida”

Lavínia Panunzio por “Boca de Ouro

Ilana Kaplan por “Baixa Terapia”

Amanda Lyra por “Quarto 19”

 

MELHOR ATOR
Beto Sargentelli por “2 Filhos de Francisco, o musical“
Daniel Gonzales por “A Falecida”

Caio Blat por “Grande Sertão: Veredas”

Ary Fontora por “Num Lago Dourado”

Renato Borghi por “O Rei da Vela”

Fernando Sampaio por “Pagliacci”

 

MELHOR ESPETÁCULO DE GRUPO

“Pink Star” Cia. Os Satyros
“Uma Peça por Outra” Grupo Das Dores

“Race” Cia. Teatro Epigenia

“Mártir” Cia. Arthur-Arnaldo

“Siete Grande Hotel: A Sociedade das Portas Fechadas” Grupo Redimunho

“Jacy” Grupo Carmim

 

MELHOR ESPETÁCULO MUSICAL
“2 Filhos de Francisco, o musical”

“Hebe, o musical” Bonustrack Entretenimento, Hebe Forever e Atual Produções

“Madame Satã” Grupo dos 10

“Suassuna – O Auto do Reino do Sol” Sarau e Barca dos Corações Partidos

“Lembro Todo Dia de Você” Núcleo Experimental

“Rent” Ibelieve e Beleleo Prods

 

MELHOR ESPETÁCULO DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE
“Enquanto as Crianças Dormem” dirigido por Dan Rosseto, produção – Applauzo Produções e Lugibi Produções Artísticas

“Grande Sertão: Veredas” dirigido por Bia Lessa, produção – 2+3 Produções Artisticas

“Dias Perfeitos” dirigido por César Baptista, produção – Franco Produções Artisticas

“A Visita da Velha Senhora” dirigido por Luiz Villaça, produção – NIA Teatro

“Num Lago Dourado” dirigido por Elias Andreato, produção – Morente Forte Produções e Quadrilha da Arte

“Estranhos.com” dirigido por Emílio de Melo, produção – CALLIGARIS PRODUÇÕES

 

 

MELHOR ESPETÁCULO PARA O PÚBLICO INFANTIL E JOVEM

“Zepelim (ou O balão que nunca existiu)” direção de Danilo Mora
“Certa Vez Numa Ilha” direção de Rafael de Castro

“Oliver Twist” direção de Rodrigo Audi

“Do ensaio para o baile” direção de William Costa Lima

“Bê a bach” direção de Anie Welter e Marcelo Zurawski

“Nerina, A Ovelha Negra” direção de Sidnei Caria


DESTAQUE
Projeto Doutores da Alegria

O Teatro do Contêiner Munguzá” da Cia Munguzá

Espetáculo Colegas – por levar para o teatro artistas com Sindrome de Down. Inserção social nessa época de trevas pé sempre louvável. Adaptação e direção de Leonardo Cortez. (20%, 69 Votos)

Peça “O Rei da Vela” remontagem

Exposição Gianni Ratto 100 anos

Exposição Living Theater, SESC CONSOLAÇÃO