Editorial: Pra gente se reinventar

Penso na equação tempo e palavra e percebo que as palavras – e mesmo as frases: a reunir muitas delas – estão cada vez mais desbotadas, gastas pela enxurrada de informações, “verdades” apresentadas a nós que se esfacelam a menor checagem. Não acreditar, esse é o caminho? Sem fundamentalismos! Entre o sim e o não, crença ou descrença, há a estrada. É preciso caminhar, apenas caminhar. Atento, sempre atento. Sem expectativas, nem ideias pré-concebidas. Sem desistência, antes o compromisso – saudável – de se reinventar.

O que deve permanecer de tudo o que lemos, ouvimos, assistimos; o vértice que deve sustentar nossos atos: é a vital necessidade de nosso recolhimento social, sempre sempre e sempre nossa saúde mental (ALGUMAS DICAS NO VÍDEO ABAIXO).

Não é como prisioneiros que vivemos, é como civis sensatos e sensíveis; pessoas providas de empatia – característica primordial que deveria ser semeada como base, mas absolutamente rejeitada e ultrajada pelo chefe máximo da nação brasileira, infelizmente, eleito por suficiente parcela de nós –, ou seja, sem egocentrismo, ocupados conosco e, ao mesmo tempo com nosso semelhante.

Só assim, quando nos dermos conta do fundamental papel que cada individuo possui para movimentar a engenhoca da vida, poderemos seguir adiante. Só assim o espírito se acalma. Só assim poderemos contatar estratégias para que possamos nos reinventar.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.