Elias Andreato encarna um catador de palavras e pensamentos

Maurício Mellone, especial para o Favo do Mellone – parceiro do Aplauso Brasil (mellone@aplausobrasil.com

Elias Andreato é “O And@nte”

Em O And@nte, o ator construiu o texto costurando pensamentos, poesias e ideias, tanto suas como de vários poetas, escritores e filósofos. O figurino e o carrinho do andarilho também foram feitos por ele

SÃO PAULO – Exemplo de entrega absoluta à arte do tablado. Este é o retrato de Elias Andreato, revelado em cada trabalho a que se propõe. E em O And@ante, em cartaz no Teatro Eva Herz, esta entrega só se evidencia: o ator encara seu oitavo solo, é o responsável pelo texto, pela direção, compartilhada com André Acioli, além do cenário e figurino. E tudo isto para dar vida a um andarilho, que ao invés de catar objetos e quinquilharias por onde passa, recolhe palavras, pensamentos, poesia e reflexões em busca do conhecimento.

Vivenciamos um momento de elevação e contentamento: depois de assistirmos ao solo O And@ante, Elias Andreato, após as apresentações, volta ao palco e conta ao espectador como se deu a composição e elaboração do espetáculo. Disse como costurou pensamentos de diversos autores, como poetas, escritores, dramaturgos e filósofos e como foi buscar inspiração em artistas como Arthur Bispo do Rosário assim como em andarilhos e mendigos das nossas ruas para compor o personagem. Ele dividiu ainda com os espectadores suas angústias, anseios e expectativas diante do mundo atual:

Elias Andreato é “O And@nte”

“Neste momento dramático do mundo, este personagem da peça vem confirmar que a alma humana é um manicômio de caricaturas fragmentadas. Uni todos estes textos para ir ao encontro do conhecimento e dizer como é importante o livro na vida de todos nós. E é dever dos poetas e artistas chorar e rir com seu povo,” diz o ator.

O andarilho da peça foge do estereótipo padrão de mendigo: usa figurino branco, limpo e os objetos que carrega no carrinho, assim como os adereços de seus trajes, são de prata e ouro, reluzentes.

As ideias e pensamentos que ele expõe em cena também refletem lucidez, clareza e profundidade. Não é à toa que O And@ante de Elias bebe da mesma fonte e pertence ao mesmo universo de artistas como Bispo do Rosário, Van Gogh, Oscar Wilde, Antonin Artaud, Jean Genet e até do mendigo da peça Chorinho, de Fauzi Arap.

Elias Andreato é “O And@nte”

“Este é um andarilho que percorre o universo poético das almas dos imortais falando da solidão entre o caminhar e o pensar. O que ele fala são reflexões ou delírios sobre a vida como lugar de mera passagem. Um carroceiro que recicla palavras catadas nos livros”, afirma Andreato.

A trilha sonora de Daniel Maia seguiu os mesmos moldes da composição do roteiro, cenário e figurino: de acordo com Elias, cada música foi escolhida e colada lado a lado, ao compasso das palavras. Destaque ainda para a iluminação de Wagner Freire e o logo, criado pelo irmão do ator, Elifas Andreato.

Um espetáculo pra deixar o espectador de alma lavada, em estado de êxtase.

Elias Andreato é “O And@nte”

Não perca e fique atento: a peça é apresentada só às quintas-feiras, até 13 de dezembro.


Roteiro:

O And@nte. Texto, roteiro e interpretação: Elias Andreato. Direção: André Acioli e Elias Andreato. Trilha original: Daniel Maia. Iluminação: Wagner Freire. Figurino e cenografia: Elias Andreato. Logo: Elifas Andreato. Programação visual: Vicka Suarez. Fotos: João Caldas. Realização: Andreato’s & Morente Forte.

Serviço:
Teatro Eva Herz (168 lugares), Av. Paulista, 2073, Livraria Cultura/Conj. Nacional. Informações: 11 3170-4059, www.teatroevaherz.com.br. Horários: quintas às 21h. Ingressos: R$ 50. Bilheteria: terça a sábado das 14h às 21h e domingo das 12h às 19h. Aceitam-se cartões, cheques não. Vendas: tel. 4003-2330 e www.ingresso.com. Duração: 60 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 13 de dezembro.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

1 comentário

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*