EM CARTAZ: ESPETÁCULO “EIGENGRAU – NO ESCURO” REESTREIA NA FUNARTE

SÃO PAULO – Depois de participar do festival da Cultura Inglesa 2016 e de realizar uma bem-sucedida temporada na Funarte no início de 2017, a peça com texto da britânica Penélope Skinner, volta em nova temporada na capital paulista no dia 06 de maio, na Funarte o espetáculo Eigengrau, No Escuro, de Penélope Skinner, com direção de Nelson Baskerville.

A palavra que dá título à peça tem origem germânica e se refere à cor vista pelos olhos na completa escuridão. Metaforicamente, é nesse espaço que parece não ter luz ou saídas que se encontram os personagens Carol, Marcos, Rosa e Tomás Gordo na tentativa de entendimento de seus afetos, paixões e posicionamentos diante da vida. Carol é uma feminista ativista. Ela anuncia na internet um quarto para sublocar em seu apartamento. É assim que ela conhece Rosa, uma mulher problemática e profundamente apaixonada por Marcos, um marqueteiro sedutor com quem saiu algumas vezes. Ele acaba conhecendo Carol e faz de tudo para conquistá-la. Por fim, há Tomás Gordo, que está de luto e vive de favor na casa de Marcos, seu colega de faculdade.

“Eles parecem não acreditar em mais nada enquanto vagam em uma cidade grande”, diz Renata Calmon.

A atriz, inclusive, foi a responsável por encontrar o texto, o primeiro da autora a ser encenado no país. “Além de ir de encontro a um dos principais objetivos da nossa companhia que é o de produzir textos inéditos nacionais ou estrangeiros, o trabalho de Skinner 6proporciona uma reflexão sobre temas atuais relevantes, como as novas relações que se estabelecem nas grandes metrópoles e a competição nos dias de hoje, além de lançar um olhar sobre o feminismo hoje, sem demagogia e panfletagem”, diz atriz, que também assina a tradução da obra.

Ao explorar estas questões, a jovem autora inglesa retrata muito bem com muito humor as angústias da geração que está na faixa dos 30 anos. Neste período da vida, espera-se que os frutos das escolhas já comecem a ser colhidos. Mas, e se isso não acontece? E se os planos não se concretizarem como o planejado? “Eigengrau, No Escuro é uma obra que lança questionamentos com a mesma urgência de seus diálogos rápidos e cortantes”, comenta o diretor que, quando se deparou com o sobrenome da dramaturga, pensou imediatamente nas experiências com ratos encerrados em caixas de vidro, do cientista B.F.Skinner. “Em sua teoria do behaviorismo, ele afirmou que seres em contato com outros e estimulados por alguma experiência externa, que no teatro chamamos de circunstâncias, chocam-se e provocam atrito entre os encarcerados. É exatamente isso que vejo acontecer com estes quatro personagens!

Ficha Técnica

Texto: Penélope Skinner
Direção: Nelson Baskerville
Elenco: Andrea Dupré, Daniel Tavares, Renata Calmon e Tiago Real
Cenário e Figurinos: Amanda Vieira
Desenho de Luz: Wagner Freire
Trilha Sonora: Fernanda Maia.

Serviço

Funarte Sala Carlos Miranda. 55 lugares.
Alameda Nothmann, 1058 – Campos Elíseos.
Telefone: (11) 3662-5177
De 06 de maio a 28 de maio
Sábados, 21h e domingos, 20h
Capacidade: 55 lugares.
Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)
A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo.
Não são aceitos cartões de crédito nem débito. Apenas dinheiro
Duração: 1h30 – Gênero: Comédia Dramática.

Redação Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com.br)