EM CARTAZ: ESTREIA “DOUTOR FAUSTO” LIVRE ADAPTAÇÃO DE CALIXTO DE INHAMUNS NO TEATRO SÉRGIO CARDOSO

SÃO PAULO – Uma das mais importantes e respeitadas obras da literatura universal, Doutor Fausto recebe adaptação de Calixto de Inhamuns e direção de Neyde Veneziano estreou na última sexta-feira no Teatro Sérgio Cardoso.

Tomando como mote o pacto com o demônio e seus reflexos no imaginário coletivo, a adaptação de Calixto de Inhamuns foi buscar sua principal referência nos clássicos Fausto, uma Tragédia e UrFaust (Fausto Zero), de Goethe. Ao transportar a lenda para a realidade brasileira, surge um Fausto intelectual, deprimido, ateu e estudioso da essência humana: uma espécie de neurocientista empenhado em entender a frágil natureza humana. Um Mefistófeles moderno lhe devolve o desejo de poder, de viver e lhe devolve também a sexualidade. Mas esta retomada do sopro vital tem o preço descrito no acordo: Fausto vendeu sua dignidade.

A sensual e meiga Margarida, objeto do desejo carnal, depois de seduzida e rejeitada, perde o rumo de sua vida e comete um infanticídio “à la brasileira”, produto da marginalização e da miséria. Noites de Valpúrgis, loucuras e drogas, levam Fausto à destruição moral arquitetada por Mefistófeles. É a tragédia da vaidade, combinada ao erotismo e à sede de poder. Pelo poder Fausto vendeu sua alma ao diabo.

Neyde Veneziano conta que a montagem tem ‘uma encenação moderna, poética e contemporânea. A poética da cena vai sublinhar os espaços com luz, música erudita e sons extraídos dos próprios corpos dos atores, dentro de um cenário nada realista e nada figurativo. A poesia de Goethe saltará aos olhos e aos ouvidos da plateia. O prazer da palavra se juntará à musicalidade e à estética da obra contemporânea’.

“Desta vez não faço teatro de revista, nem commedia dell’arte. Estou perseguindo o mito fáustico, a tragédia da arrogância e do conhecimento. E que é também uma tragédia erótica. Com esses temas, a poética da cena se revela absolutamente necessária. Se Goethe alcançou o belo cantando em versos toda a história universal, nós usaremos a plasticidade dos cenários, da luz, das óperas, e, principalmente, da musicalidade nas falas dos atores com seus corpos líricos e essenciais”.

Ficha técnica

Elenco: Daniel Costa, Guryva Portela, Rita Carelli, Claudinei Brandão, Jhe Oliveira, Fabiola de Morais
Direção: Neyde Veneziano
Assistente de Direção: Carol Bezerra
Cenografia: Amanda Vieira
Figurinos: Cássio Brasil
Desenho de Luz: Domingos Quintiliano
Trilha Sonora Original: Ricardo Herz
Preparação Vocal: Renata Rosa
Coreografia de cenas: Dirceu de Carvalho
Visagismo: Mary Paiva
Idealização do Projeto: Guryva Portella
Produção Executiva: Michelle Gabriel
Assistente de Produção Executiva: Kamunjin Tanguele
Operador de Luz e Som: André Lemes
Estagiária assistência direção: Helena Fraga
Fotografias do Espetáculo: Priscila Prade
Design Gráfico: Amanda Vieira
Fotografias Making Of: Marco Zschommler
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Direção de Produção e Administração: Michelle Gabriel

Serviço

Teatro Sérgio Cardoso, Sala Paschoal Magno
Rua Rui Barbosa, 153
(11) 3288-0136
De 05 a 21 de maio
Sexta a domingo às 19h30
144 lugares
80 minutos
14 anos
R$20

Redação Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com.br)

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*