EM CARTAZ: SESC POMPEIA RECEBE ‘OS CORVOS’ UM DUETO DE LUIS FERRON E LUIS ARRIETA

Cassiano Leonardo especial para Aplauso Brasil (Cassiano@aplausobrasil.com.br )

SÃO PAULO – Com estreia prevista para quinta-feira (30), obra possui direção conjunta e interpretação de Luis Arrieta e Luis Ferron e integra o primeiro movimento do projeto Diálogos Alados – Colóquios Sobre a Morte.

A circunstância existencial que envolveu o dançarino Luis Ferron entre os anos de 2006 e 2013, de intenso convívio com o ciclo de envelhecimento, doença e morte de seus pais, foi mote da criação coreográfica Os Corvos.

Neste contexto gerado da experiência e do permanente estado de reflexão de novos sentidos, sobretudo, o da vida, e do desejo de tratá-lo de forma artística e poética é que Luis Ferron convidou Luis Arrieta para dividir a criação.

Os Corvos resulta do encontro desses dois importantes coreógrafos de diferentes gerações da dança contemporânea brasileira. São mais de cinco décadas de experiência, influência e formação de diversos coreógrafos e bailarinos e criação de trabalhos relevantes para a cena da dança.

“Construímos no trabalho um território de encontros. Encontro com memórias, com meus pais, comigo e com Luis Arrieta, grande artista que continua me ensinando os requintes do dançar e coreografar desde os anos oitenta, quando iniciei a minha carreira artística”, diz Ferron.

Os Corvos é uma metáfora análoga à jornada final dos meus pais, de como eu os percebia: o corpo definhando de mãos dadas ao tempo, mas algo já lhes escapando. Se por um lado ainda estavam presentes neste mundo, por outro já percebiam outro estado por vir. E a simbologia do corvo no xamanismo o coloca como mensageiro do vazio, possuidor das forças criadoras e da transformação”, acrescenta Ferron.

Para Arrieta, “espelhados pelo mesmo nome, cada um trouxe ao outro o peso necessário do equilíbrio e do encorajamento nesta experiência de inexorável solidão. E assim, com a fé cega na nossa ignorância, que é o anjo provocador na nossa infância, decidimos rabiscar sobre esse instante fecundo na tela sempre madre do palco”.

Nessa criação, que conta ainda com trilha sonora executada ao vivo em cada apresentação, a dupla pôde exorcizar conceitos antigos sobre a morte e abrir novas perspectivas no sentido de potencializar o presente e celebrar a vida.

Os Corvos sou eu, você, todos nós, mas acima de tudo um convite que nasce como exaltação à vida vivida”, conclui Ferron.

Ficha Técnica:

Direção e interpretação: Luis Arrieta e Luis Ferron
rojeto de Luz e operação: Mauro Martorelli
Edição de Trilha Eletrônica e operação de Som: Teo Ponciano
Arranjo para Piano e Violoncelo: Pedro Assad
Músicos: Pedro Assad – Piano, Thiago Vilela – Violoncelo
Tambores: Almir Jesus de Almeida (Tata Ybadan), Danilo Luango de Almeida (Tata Dassazume) e Ricardo Souza. Todos do Templo de Cultura Bantu Redandá.
Figurino: Fause Haten
Voz em off: Fátima Silva.
Registro Fotográfico: Clarissa Lambert
Produção: Núcleo Corpo Rastreado
Assessoria de Imprensa: Adriana Monteiro

Serviço:
“Os Corvos”
Teatro di Sesc Pompeia –                                                                                                Rua Clélia, 93.                                                                                                           De 30 de março a 09 de abril de 2017, quinta a sábado, às 21h, e domingos, às 19h.
Capacidade: 302 lugares                                                                                     Ingressos: R$ 6,00 , R$10,00,e R$20,00 (inteira).
Ingressos à venda nas unidades a partir de 22/03, às 17:30, e em sescsp.org.br
a partir de 21/03 às 17:30.
*Venda limitada a 6 ingressos por pessoa.
Classificação indicativa: LIVRE.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia