ENTREVISTA: ATORES LEVAM LIÇÃO DE ANTUNES FILHO PARA INFANTIL E DECLARAM QUE GÊNERO “NÃO É SÓ ENTRETENIMENTO”

Kyra Piscitelli*, do  Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com.br)

"Espetáculo AGora eu Era Herói".
“Espetáculo AGora eu Era Herói”.

CURITIBA – O infantil Agora Eu Era o Herói não é musical, mesmo trazendo à memória a famosa música do Chico Buarque. Também não tem diretamente relação com o artista. A música é, na verdade, uma das inspirações da trupe de São Paulo, que participa da Mostra Guritiba, evento paralelo ao Festival de Teatro de Curitiba. No enredo, um tímido menino do interior se aproxima de uma bailarina que lhe conta diversas aventuras a fim de convencê-lo a seguir viagem junto dela. Como na canção, há o encontro e muitas brincadeiras entre um menino e uma menina.

O projeto tem exatamente um ano e é o primeiro da Cia Um de Teatro, que já está ensaiando outro espetáculo para as crianças.

Agora Eu Era o Herói sai de Curitiba e continua viajando. A jornada começou em São Paulo, no Sesc Vila Mariana.  E eles querem ainda fazer florescer a montagem pelo Brasil.

O Aplauso Brasil, conversou com a atriz e integrante do grupo, Rita Pisano sobre Curitiba, Agora Eu Era o Herói e a Companhia que leva as lições do Mestre Antunes Filho no fazer teatral.

Sim: mais do que Chico, textos, ou qualquer outra referência, Atunes Filho, garante Rita, é a referência desse grupo que não quer só fazer teatro infantil, mas também querem. Querem  “o ator no centro da cena”. A atriz afirma que a união veio da vontade “de voltar a fazer um teatro mais simples, com menos elementos, focado no ator”.

“A gente fala que fazemos um infantil para adultos e um adulto para crianças”, diz a atriz que tem dois filhos e, embora nunca pensasse em fazer um teatro infantil, está aprendendo com essa linguagem.

O infantil, ela lembra que muitas vezes, é visto como algo menor. “É entretenimento, mas não é só entretenimento”. Eles mesmos pesquisaram cerca de sete meses para realizar o projeto.

O espetáculo Agora Eu Era o Herói é resultado desse grupo que vem se descobrindo juntos a partir de uma experiência em comum: eles se conheceram no CPT – Centro de Pesquisa Teatral (do Sesc SP), dirigido por Antunes Filho. E o que deu corpo ao espetáculo foi Prêt-à-Porter, um exercício artístico que Antunes faz com seus alunos,  usa para experimentar textos.

O diretor Rodrigo Audi, lembrou-se de um texto em que Antunes tinha classificado como “um infantil”, apresentou para os companheiros e, então, nasceu o espetáculo Agora Eu Era o Herói. Em cena, a palavra é limpeza. “trazemos poucos elementos à cena, só  o que realmente é importante”. Com imaginação, texto e silêncios  o espetáculo  se apresenta em Curitiba e continua a viajar.

Em tempo: no segundo semestre eles pretendem já estrear a nova montagem que tem nome de “Madrugada”, mas ainda está na fase dos ensaios.

 Agora Eu Era o Herói

Guritiba

GÊNERO COMÉDIA ROMÂNTICA

CLASSIFICAÇÃO 10 ANOS

DURAÇÃO 40 MINUTOS

APRESENTAÇÕES

MON – MUSEU OSCAR NIEMEYER – GURITIBA

31/03 19:45

01/04 19:45

Texto e direção Rodrigo Audi

Elenco  Hércules Morais, Marcelo Lapuente e Rita Pisano

Cenografia          Miguel Aflalo

Direção de arte Clissia Morais

Desenho e operação de luz          João Delle Piagge

Operação de som             Carú Lima

Direção de produção      Fernando de Marchi

Produção             De Marchi Produções

 Acompanhe o Festival de Curitiba no site www.festivaldecuritiba.com.br

 *Kyra Piscitelli, editora assistente do Aplauso Brasil, viajou para Curitiba a convite do Festival.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!