Eriberto Leão é destaque em A Mecânica das Borboletas

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Mecânica das Borboletas" - foto de Guga Melgar

SÃO PAULO – Depois de temporada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, A Mecânica das Borboletas faz temporada na capital paulista. A estreia será amanhã no Teatro Anchieta (SESC Consolação). No elenco, Ana Kutner, Eriberto Leão, Otto Jr e Suzana Faíni. A direção é de Paulo Moraes, da Cia Armazém de Teatro.

A Mecânica das Borboletas é um texto inédito do dramaturgo Walter Daguerre e faz uma reflexão sobre a vida contemporânea ao abordar as escolhas da vida e as consequências que elas ocasionam.

O espetáculo faz referência à história de duas figuras mitológicas, relacionadas à  fundação de Roma: os  irmãos gêmeos Rômulo e Remo.

Rômulo (Eriberto Leão) sai de casa em busca de aventuras. Vinte anos depois, já um escritor conhecido, volta a sua terra natal para reencontrar a sua família e rever as suas origens. Descobre que seu pai, mecânico, morreu e que a família manteve a oficina, que funciona na própria residência e é administrada por Remo (Otto Júnior).

Para a família, que vive das lembranças do pai e nunca abandonou a vida no interior, as cobranças são inevitáveis e, para complicar o relacionamento conturbado devido à ausência de Rômulo por tanto tempo, Lisa (Ana Kutner), que namorou Rômulo na adolescência,  casou com o irmão.

Rômulo, apesar de não ter abandonado a convivência familiar, também possui um sonho: construir uma Harley Davidson. Um sonho que não se realiza porque uma peça desta moto, a borboleta do carburador, nunca chega.

O autor Walter Daguerre teve a ideia de contar esta história após uma viagem a Lavras do Sul, interior do Rio Grande do Sul.  Segundo o autor, ao observar os hábitos das pessoas do local, surgiram indagações sobre os que saem de suas cidades e os que resolvem ficar.

“Sentimentos de perdas prevalecem em quem busca o sonho de desbravar o mundo e em quem escolhe ficar no mesmo lugar, na mesma cidade. O primeiro, acha que perde a participação no crescimento, desenvolvimento e amadurecimento da família. O outro tem a sensação de perda por não aproveitar novas oportunidades e experiências que conhecer o mundo pode proporcionar”, analisa Walter.

A história se passa na cozinha, na oficina e no jardim. A borboleta simboliza a mesmice, o apego às tradições, mas também é a ânsia pela liberdade, a vontade de que os sonhos se realizem e a vida se torne mais interessante.

Entre os destaques do cenário, idealizado por Carla Berri e Paulo de Moraes,  estão a carcaça cinza-chumbo e o motor de um Passat dos anos 1970, e uma moto Honda CD400, transformada numa Harley Davidson.

No elenco, destaque para a presença do ator Eriberto Leão. Conhecido por trabalhos na TV, Eriberto começou a sua carreira artística em São Paulo e participou de espetáculos como Alma de Todos os Tempos, direção de Gabriel Villela; Ventania, também dirigido por Villela; O Evangelho Segundo Jesus Cristo, com direção de José Possi Neto e Fala Baixo Senão eu Grito, 2007, montagem carioca que teve direção de Paulo de Moraes e foi a sua última temporada teatral em São Paulo.
Ficha Técnica:

Texto: Walter Daguerre

Direção: Paulo de Moraes

Cenário: Carla Berri e Paulo de Moraes

Iluminação: Maneco Quinderê

Figurinos: Rita Murtinho

Trilha Sonora Original: Ricco Viana

Elenco:

Ana Kutner (Liza)

Eriberto Leão (Rômulo)

Otto Jr (Remo)

Suzana Faíni (Rosália)

Produção Executiva: Gabriel Bortolini

Produção: Bianca de Felippes

Produtoras Associadas: Gávea Filmes e Akutner

Serviço

A MECÂNICA DAS BORBOLETAS

Teatro Anchieta – SESC Consolação (320 lugares)

Rua Dr. Vila Nova, 245. – Tel. 3234.3000

Informações da bilheteria: ingressoSESC. Você pode comprar os ingressos para os eventos do SESC/SP em qualquer unidade da Capital, do interior e do litoral do Estado. Consulte a lista de pontos de venda e escolha a que estiver mais perto de você: www.sescsp.org.br

Formas de pagamento: Dinheiro e cheque (à vista); cartões: Visa, Visa Electron, Mastercard, Mastercard Electronic, Maestro, Redeshop e Diners Club International (crédito e débito).

Sexta e Sábado às 21h; Domingo às 18h.

Ingressos: R$ 32

R$ 16 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 8 (trabalhador no comércio e serviço matriculado no SESC e dependentes).

Duração: 80 minutos

Recomendação: 12 anos

Estreia dia 13 de abril

Temporada: até 27 de maio

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado