ESPECTADOR PROFISSIONAL: ULLYSES CRUZ DIRIGE PEÇA ADAPTADA DE FILME DE INGMAR BERGMAN

Maurício Mellone, para o www.favodomellone.com.br – parceiro do Aplauso Brasil

ATRAVÉS DE UM ESPELHO

SÃO PAULO – Com apenas uma personagem feminina em cena, Karin interpretada por Gabriela Duarte, e retratando o clima denso e delicado que traz à tona as mazelas dos personagens — marca da obra de Ingmar Bergman —, Através de um Espelho é a adaptação do filme homônimo de 1961 do diretor sueco que foi adaptado para o teatro por Jenny Worton e que Ulysses Cruz acaba de estrear no SESC Consolação, em curta temporada.

A peça, traduzida por Yara Nagel e com adaptação e dramaturgia de Marcos Daud e Valderez Cardoso Gomes, revela o interior de uma família que se encontra desestruturada: com a morte da mãe e depois da internação da filha numa clínica psiquiátrica, David, vivido por Nelson Baskerville, aceita viajar de férias com os filhos e o genro para uma ilha.

O que poderia ser um refúgio de paz e tranquilidade, aos poucos se transforma num tormento, com sentimentos represados, como angústias, frustrações, tristezas, anseios e traumas, vindo à tona e transformando a vida de todos.

A razão que faz com que a família viaje é o estado emocional de Karin, o que fica evidente na cena inicial em que Martin (Marcos Suchara) conta da internação de sua mulher para o sogro, que invariavelmente se isola para escrever seus romances e assim não participa da vida de Karin e muito menos na de Max (Lucas Lentini), o caçula. A instabilidade emocional da moça provoca uma revisão do papel de cada um naquele núcleo familiar.

“Na peça, a lucidez das personagens ressalta ainda mais a incomunicabilidade das pessoas, que são como ilhas isoladas num arquipélago de incompreensão”, explica Valderez Cardoso Gomes, que assina a dramaturgia do espetáculo.

O que me impressionou na montagem é como o diretor se utiliza de elementos cênicos para construir a narrativa. O desenho de luz de Domingos Quintiliano contribui para o clima denso e introspectivo da trama e o cenário, de Lu Bueno, que no início está convencionalmente estruturado, com o desenrolar das cenas vai se espalhando e se desmanchando — no final o palco está praticamente vazio, oco, assim como os personagens.

Destaque também, em Através de um Espelho, para a interpretação de Nelson Baskerville, que compõe um pai repleto de contradições e dúvidas existenciais, e para Gabriela Duarte, que imprime verdade para a esquizofrênica Karin.

Curta temporada, só até 4 de outubro, confira!

Roteiro:
Através de um Espelho
. Texto: Ingmar Bergman. Versão teatral: Jenny Worton. Tradução: Yara Nagel. Adaptação: Marcos Daud. Dramaturgia: Valderez Cardoso Gomes. Direção: Ulysses Cruz. Diretor assistente e de movimento: Leonardo Bertholini. Elenco: Gabriela Duarte, Nelson Baskerville, Marcos Suchara e Lucas Lentini. Cenografia: Lu Bueno. Designer de luz: Domingos Quintiliano. Figurinos: Cassio Brasil. Trilha original: Daniel Maia. Fotografia: João Caldas. Direção de produção: Giuliano Ricca. Produção: Ricca e Plateia Produções. Realização: SESC.
Serviço:
SESC Consolação, Teatro Anchieta (280 lugares), Rua Dr. Vila Nova, 245, tel.: 3234.3000. Horários: sexta e sábado às 21h e domingo às 18h. Ingressos: R$ 30, R$ 15 (usuário matriculado no SESC, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 6 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC). Venda: Rede INGRESSOSESC (unidades do Sesc) e pelo Portal Sesc SP www.sescsp.org.br. Duração: 75 minutos. Classificação: 12 anos. Temporada: até 04 de outubro.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado