ESPETÁCULO ¨O CANTO DAS MULHERES DO ASFALTO¨ OCUPA O LARGO DO AROUCHE

Redação Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com)

ocantoSÃO PAULO – O Canto das Mulheres do Asfalto é um lamento de mulheres que nunca mais serão mães nem avós. Carlos Canhameiro, fundador da Cia. Les Commediens Tropicales, assina a autoria do texto. Integram o elenco Paula Carrara, Paula Serra e Cris Rocha. A direção é de Georgette Fadel. O espetáculo fica em cartaz até o final de agosto.

O espetáculo é apresentado ao ar livre, por entre as árvores do Largo do Arouche, um dos lugares mais conhecidos do centro de São Paulo, e coloca em evidência mulheres desencantadas com o mundo e que se recusam a parir novas crianças.

Através do som e da palavra, O Canto das Mulheres do Asfalto apresenta diversos cantos que revelam um mundo contemporâneo em crise, cruel, insensível com relação às questões humanas.

As vozes celebram um presente que precisa de muita atenção e pressentem um futuro sem grandes esperanças.

Em cena estão mulheres, mães e filhas, santas, prostitutas, moças e velhas que expressam as consequências dessa situação.

O texto completo da montagem está registrado em livro pela editora Lamparina Luminosa, com ilustrações de Carolina Meirelle, e a distribuição dos exemplares é gratuita, pois o projeto foi contemplado com o Prêmio Zé Renato de apoio ao Teatro para a cidade de São Paulo.

 

Ficha Técnica:

Encenação: Georgette Fadel

Assistente de Direção: Paula Klein

Texto: Carlos Canhameiro

Elenco:  Cris Rocha, Michele Navarro,  Paula Carrara, Paula Serra, André Capuano, Weber Fonseca

Cenário e Iluminação: Julio Dojcsar

Figurino: Júlia Poly

Trilha Sonora: Rui Barossi

Produção: Carlos Canhameiro

Cooperativa Paulista de Teatro

Realização: Prêmio Zé Renato de apoio ao Teatro para a cidade de São Paulo

 

Serviço:

O Canto das Mulheres do Asfalto

Largo do Arouche ( Nas árvores!)

Até 29 de agosto.

Sextas às 19h e 21h.

Sábados às 18h00 e 20h00