SÃO PAULO – Em meio a opressão da Segunda Guerra Mundial e a angústia da espera de seu marido preso em um campo de concentração, o solo A Dor, montagem do VULCÃO [criação e pesquisa cênica], com direção de Vanessa Bruno e atuação de Rita Grillo traz para o palco a saga da escritora francesa Marguerite Duras (1914-1996). Em sua terceira temporada na capital paulista, o espetáculo estará em cartaz em curta temporada, de 18 de outubro a 08 de novembro, no Teatro Pequeno Ato com sessões às quartas, 21h. Ao final das apresentações sempre haverá bate-papo com uma convidada no projeto intitulado [Vulcão Conversa].

“Marguerite Duras é realmente uma mulher do século XX. Passou por guerras, resistência, machismo, é símbolo do feminismo e resistência. Mudou as tendências literárias e cinematográficas. Na peça, a obra ganha um deslocamento da literatura para o palco por meio de procedimentos que já foram utilizados por ícones da dança como Pina Bausch e Klauss Vianna. Também foram mescladas conexões autobiográficas da atriz. Todos esses elementos contribuem para a construção cênica”, conta a diretora Vanessa Bruno.

Já a atriz Rita Grillo pesquisa Marguerite Duras desde 2008 e traduziu o romance A Dor especialmente para esta adaptação teatral. Ela tem parte de sua formação teatral na França, país onde estudou entre 2003 e 2005, na Université Sorbonne Nouvelle, Paris 3. Desde então, estabeleceu uma estreita relação profissional com o país, trabalhando como atriz e assistente de direção em diversos projetos franco-brasileiros, o mais recente, em 2016, na Comédie-Française, como assistente de Anne Kessler na montagem de La Ronde, de Schnitzler.

“Um dia eu descobri ‘A Dor’. Essa espera de todos os tempos. Um relato terrível e profundamente humano. E esse projeto ficou em mim, esperando para acontecer. O reencontro com Vanessa Bruno, em 2012, foi uma fagulha, uma vontade comum, um sonho. E em 2015 o incêndio, a explosão vulcânica: Marguerite em cena, finalmente, agora”, conta Rita.

[Vulcão Conversa]

Além das apresentações, o Vulcão também promoverá, logo após o espetáculo, encontros entre o público e uma convidada para desdobrar temas que se entrecruzam com o material levantado pelo espetáculo, formando mais uma edição do projeto intitulado [Vulcão Conversa]. A programação de abertura  conta com uma das críticas teatrais do Aplauso Brasil, Kyra Piscitelli.

Abertura

18.10 – A AUTORIA FEMININA : o que muda na narrativa?

convidada: Kyra Piscitelli, crítica teatral

25.10 – POR QUE A GUERRA HOJE?

convidada: Lélia Reis, psicanalista lacaniana

01.11 O TESTEMUNHO NA CONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA: narrativa da dor pessoal como resistência a regimes totalitários e ditaduras

convidada:  Cassia Nunes de Oliveira, historiadora (a confirmar)

 

Encerramento

08.11 – LIMITES ENTRE VIDA E CENA: construção ficcional a partir de diários.

convidada: Janaína Leite, atriz diretora e pesquisadora

Sobre o VULCÃO [criação e pesquisa cênica]

Surgido da união de artistas autônomos com desejo comum de concretizar suas pesquisas artísticas e criações autorais, o VULCÃO [criação e pesquisa cênica] desenvolve projetos teatrais que investiguem a condição humana. É formado pela atriz e diretora Vanessa Bruno, a atriz e preparadora corporal Livia Vilela, as atrizes Elisa Volpatto e Rita Grillo e, também pelo ator e produtor Paulo Salvetti.

Entre os seus pilares está a aproximação de diferentes linguagens, unir dança ao teatro, literatura e vídeo e vê como motor catalizador – principal e determinante – o trabalho do intérprete. A residência artística ocorre na Casa das Caldeiras para desenvolvimento de seus novos projetos.

O trabalho envolvendo literatura e teatro resultou na concepção de três espetáculos solos. Além de A Dor (partir de La Douleur, de Marguerite Duras, idealizado pela atriz Rita Grillo), foram criados Pulso (obra de Sylvia Plath e idealizado pela atriz Elisa Volpatto) e, em processo de ensaio Águas Do Mundo (montagem a partir de contos de Clarice Lispector, idealizado pela atriz e diretora Vanessa Bruno). Cada solo explora para além do feminino as questões de todo e qualquer ser humano e mescla fragmentos biográficos das escritoras e elementos de suas obras.

SERVIÇO e FICHA TÉCNICA

A DORReestreia dia 18 de outubro, quarta-feira, às 21h, no Teatro Pequeno Ato.

Temporada: Quartas às 21h até 08 de novembro.

Proposição, Tradução e Interpretação: Rita Grillo. Direção: Vanessa Bruno. Preparação Corporal e Assistência de direção: Livia Vilela. Figurino e Cenário: Anne Cerutti. Trilha Sonora: Edson Secco. Iluminação: Aline Santini. Fotos: Maurício Pisani, Cézar Siqueira, Victor Iemini, Bob Souza. Produção Geral: Paulo Salvetti. Realização: Vulcão [criação e pesquisa cênica]. Apoio: Casa das Caldeiras e Pequeno Ato. Duração: 50 minutos. Classificação: 14 anos.

Teatro Pequeno Ato – Rua Doutor Teodoro Baima, 78 – Vila Buarque. Telefone: 11 99642-8350. Bilheteria aberta com uma hora de antecedência. Aceita cartões. Ar condicionado. Capacidade: 30 lugares. Preço: R$30,00.

Compras online:  http://bit.ly/2fghmKC

Completando a programação, o Vulcão também oferece o Workshop Os Caminhos Do Ator – Da Palavra À Ação/ Da Ação À Palavra ministrado por Rita Grillo.

Os Caminhos Do Ator – Da Palavra À Ação/ Da Ação À Palavra – Essa oficina pretende se debruçar sobre os diversos procedimentos dos atores na composição e elaboração de uma cena teatral. Análise de texto, composição de uma sequência de ações físicas, desenvolvimento de uma sequência de ações internas, jogo e percepção são alguns dos caminhos abordados pela oficina para construir uma cena teatral. Cada trabalho, cada cena, cada ator precisam de um caminho, uma abordagem. Nessa oficina o participante experimenta dois procedimentos diferentes para a construção da cena: da palavra à ação (partir do texto, sua análise, seu entendimento, para encontrar os impulsos justos para cada ação da personagem); da ação à palavra (partir de uma sequência de ações físicas elaborada a partir de provocações para nela inserir o texto, e desse encontro descobrir novas camadas de leitura para a cena).

Ministrado por Rita Grillo: atriz, diretora e professora de teatro e desenvolve pesquisa em teatro físico desde 2005, tendo estudado com Roberta Carreri e o Odin Teatret (Dinamarca) e no Grotowski’s Art Institut (Wroclaw – Polônia), além de participar regularmente de grupos de estudo e treinamento físico do ator. Membro do Vulcão [criação e pesquisa cênica] desenvolveu em 2016 o solo A Dor, a partir do romance de Marguerite Duras, com direção de Vanessa Bruno e preparação corporal de Lívia Vilela – técnica Klauss Vianna.

Local: Pequeno Ato (rua Teodoro Baima, 78)

Datas: de 30 de outubro a 02 de novembro de 2017

Horário: das 13h30 às 17h30

Valor: R$400,00

Público alvo: atores e estudantes de teatro (mínimo 8 / máximo 16)

Necessidades: é preciso que os participantes tragam desde o primeiro dia um texto (teatral ou literário) de cor, a cena pode ser um monólogo ou diálogo (neste caso os dois atores já devem ter decorado a cena); roupas adequadas ao trabalho físico.

Vagas limitadas – inscrições e informações pelo email: ritagrillo@gmail.com