SÃO PAULO – O suicídio entre jovens e a pressão da vida moderna, é o ponto de partida de Mau Lugar (tradução literal da palavra ‘distopia’), nova montagem do Coletivo de Galochas, que tem temporada de quinta a domingo, no Tusp, até 30 de setembro.

Com direção de Daniel Lopes e dramaturgia de Antonio Herci, Jéssica Paes e Rafael Presto, que também integra o elenco ao lado de Diego Henrique, Kleber Palmeira, Mariana Queiroz, Roanne Aragão e Wendy Villalobos, Mau Lugar  acompanha a história de Lúcia, uma mulher comum cuja vida é transformada pelo suicídio da filha.

Como esse mês acontece a Campanha Setembro Amarelo, criada com o intuito de conscientizar a população sobre a realidade do suicídio e mostrar que existe prevenção em mais de 90% dos casos, segundo a Organização Mundial da Saúde, o Coletivo de Galochas, realiza a atividade  Do monólogo ao diálogo: falando sobre suicídio em parceria com pesquisadores e psicólogos do IPUSP e COLABOR (USP|CNPq). A atividade, que acontece logo após as apresentações do espetáculo nas sessões de domingo, traz convidados, que debaterão temas e questões suscitadas pela montagem. A Monja Coen Roshi, missionária oficial da tradição Sôtô Zenshû, com sede no Japão e Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista Zendo Brasil é a convidada do dia 16 de setembro, seguida pela psicóloga sanitarista, doutora e livre-docente em Psicologia Social professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo Ianni Regia Scarcelli (dia 23 de setembro) e da psicóloga Maria Julia Kovacs, fundadora e coordenadora do LEM, Laboratório dos Estudos da Morte (IPUSP) no dia 30 de setembro.

Sobre o Coletivo de Galochas

O Coletivo de Galochas é um grupo de teatro da cidade de São Paulo criado em 2010 para pesquisar formas de atuação político-poéticas. Nesses oito anos de trajetória continuada, realizaram seus espetáculos ao lado de movimentos, grupos parceiros, ocupações e comunidades diversas da região metropolitana de São Paulo. O histórico do grupo conta com quatro diferentes montagens, sendo três delas autorais: Piratas de Galochas,Revolução das Galochas Cantos de Refúgio, peças que se desdobraram em inúmeras experiências teatrais e ocuparam os mais diferentes espaços. Mau Lugar é o quarto espetáculo autoral do Coletivo de Galochas. Todas as dramaturgias dessas montagens podem ser conferidas no livro Coletivo de Galochas: Dramaturgia Completa, que pode ser baixado gratuitamente no site do grupo. www.coletivodegalochas.com.br.

Serviço

MAU LUGAR – Sala Multiuso do TUSP. Com o Coletivo de Galochas. Direção – Daniel Lopes. Elenco – Diego Henrique, Kleber Palmeira, Mariana Queiroz, Rafael Presto, Roanne Aragão e Wendy Villalobos. Dramaturgia – Antonio Herci, Jéssica Paes e Rafael Presto. Direção Musical e Sonoplastia – Antonio Herci. Iluminação – Mariana Queiroz, Rafael Presto e Rodrigo Oliveira. Cenografia e Bonecos – Daniel Lopes, Diego Henrique e Kleber Palmeira.Figurinos – Mariana Queiroz e Roanne Aragão. Músicos – Antonio Herci (piano preparado) e Rafael Presto (percussão). Preparação Corporal – Gabriela Segato. Danças Urbanas – Andrezinho. Comunicação – Antonio Herci e Wendy Villalobos. Imagens – Leonardo Fernandes. Duração – 80 minutos. Recomendado para maiores de 16 anos. Ingressos – R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia-entrada). Temporada – De 13 a 30 de setembro, de quinta-feira a sábado às 21 horas e domingo às 19 horas.

Sinopse – Em uma sociedade brasileira distópica, a insatisfação e o suicídio tornaram-se crimes. A exploração do trabalho atingiu níveis inimagináveis e a ipermedicalização culminou no consumo obrigatório do Remédio da Felicidade, droga do controle e da manutenção do poder. Apesar do suicídio ser criminalizado, cada vez mais jovens resolvem tirar a própria vida. Nesse contexto, Lúcia se vê envolta em problemas com sua filha.

 

TUSP – CENTRO UNIVERSITÁRIO MARIA ANTONIA – Sala Multiúso – Rua Maria Antônia, 294 – Vila Buarque.Telefone – (11) 3123-5222. Capacidade – 72 lugares. Bilheteria abre duas horas antes do início da sessão.www.usp.br/tusp