Fãs de musicais não devem perder Versão Brasileira

Michel Fernandes *, especial para o Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

VERSÃO BRASILEIRA

Que as versões das cançoes de quase todos os musicais produzidos em São Paulo e no Rio de Janeiro, nos últimos dez anos, levam a talentosa assinatura de Claudio Botelho é fato. Que tais versões tem vigor e sonoridade que permitem que a interpretação brasileira não saia devedora de suas matrizes, também o é. Além do livro Os Reis dos Musicais focar o trabalho da dupla Charles Möeller e Cláudio Botelho, o último faz um revival musical da trajetória da dupla em Versão Brasileira.

Como se fosse um bate-papo informal, Claudio Botelho conta sobre sua trajetória, ilustrando cada passo com canções dos musicais que, ao lado de Möeller, encenou e, também, aqueles em que assina a versão das canções para o português.

Afora a homenagem especial a Stephen Sodhein, que completa 80 anos nesta segunda-feira (22), compositor e letrista de quem é fã confesso, cantou músicas dos musicais Cole Porter – Ele Nunca Disse Que me Amava, Chicago, A Noviça Rebelde,Suburbano Coração, Ópera do Malandro, entre outros, acompanhado por três excelentes musicistas num cenário enxuto e elegante, assim como o figurino sóbrio dos quatro componentes de Versão Brasileira.

Ao final do espetáculo fez um pout-pourri de seus próximos musicais com Möeller: Annie, Gypsy, Hair, Nine, O Violinista no Telhado e Aquela Canção do Roberto.

Enfim, aos que gostam de musicais bem interpretados e com elegância, não devem perder a última apresentação de Versão Brasileira, no Guairinha, dentro do 19º Festival de Curitiba.

*Michel Fernandes viajou a convite do Festival de Curitiba

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

1 comentário

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*