GRÁTIS: “NATURALEZA MUERTA” COLOCA PÚBLICO EM JANTAR LATINO NA VILA MARIA ZÉLIA

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com)

"Naturaleza Muerta". Foto: Jonatas Marques.
“Naturaleza Muerta”. Foto: Jonatas Marques.

SÃO PAULO – O  Armazém, na Vila Maria Zélia, recebe novo espetáculo dia 8 de outubro, sábado, às 20h. Naturaleza Muerta, inspirada no prólogo do livro Gracias Por El Fuego, do uruguaio Mario Benedetti (1920-2009). As sessões são gratuitas, de sábado a segunda-feira. E quem escolher o dia 12, uma quarta-feira, para ver o espetáculo, participará de um bate-papo sobre o tema Ser Latino-americano com o sociólogo e professor Jean Tible e a socióloga Carla Cristina Garcia.

O espetáculo Naturaleza Muerta é ambientada em um restaurante fora do país, onde quatro mulheres se encontram enclausuradas. Elas poderiam sair pela porta da frente. Mas não o fazem. Elas estão resignadas, padronizadas, vestem roupas com as mesmas cores, convivem normalmente com insetos e animais rastejantes, alimentam-se da mesma comida, leem o mesmo livro, embora não entendam o sentido do enredo.

Com direção de Rodolfo Amorim (do Grupo XIX de Teatro) o elenco é formado por Gabi Costa, Juliana Sanches, Maria Carolina Dressler e Tatiana Ribeiro, que também assina o texto.

Durante a peça, as atrizes cozinham e comem um puchero, ensopado tradicional de vários países latinos.  A plateia é acomodada como se fizesse parte do ambiente.

Na obra de Benedetti,  que dá origem ao espetáculo, quinze uruguaios, parte deles desconhecidos entre si, jantam num restaurante latino na 5ª Avenida, em Nova York. Enquanto conversam, valorizam a cultura europeia e norte-americana sempre aliada em detrimento da sua própria cultura e de seus desconhecidos vizinhos latinos.

Em Naturaleza Muerta há outras influências como o manifesto antropofágico de Oswad de Andrade (de 1928) e o livro Moby Dick, do escritor norte-americando Herman Melville (1819-1891).

Serviço:

NATURALEZA MUERTA – Estreia dia 8 de setembro às 20h no Armazém da Vila Maria Zélia.

Temporada: De 8 a 30 de outubro – Sábados, domingos e segundas-feiras, às 20h.

Ingressos: Grátis. (Necessário retirar os ingressos com 1 hora de antecedência).

Duração: 60 minutos. Classificação etária: 16 anos. Capacidade: 50 lugares.

Dia 12 de outubro, às 19h seguido do debate Ser Latino-americano com o sociólogo e professor Jean Tible e a socióloga Carla Cristina Garcia.

Vila Maria Zélia – Rua Mário Costa 13 (Entre as ruas Cachoeira e dos Prazeres) – Belém. Telefone: (11) 2081-4647. Acesso para deficientes físicos. Informações e reservas, deterça a sexta-feira das 14 às 17h. Estacionamento: gratuito.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!