GRÁTIS: “TEMPOS DE CLÉO” OCUPA A RUA NO FESTIVAL DE CURITIBA

Kyra Piscitelli, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com.br)

"Tempos De Cléo" se apresenta no Festival de Curitiba. Foto: Rafael Saes.
“Tempos De Cléo” se apresenta no Festival de Curitiba. Foto: Rafael Saes.

CURITIBA – Durante o Festival de Teatro de Curitiba tudo é arte. É difícil passar por uma praça, terminal e qualquer caminho sem se deparar com uma performance, espetáculo ou intervenção.  Com o mote de promover um encontro ao ar livre, o monólogo Tempos de Cléo se apresenta no Fringe, mostra paralela do Festival de Curitiba. Serão, ao todo, quatro apresentações até o último dia do evento, no dia 03. As apresentações têm horários e locais  diversos, conforme o dia.

Contemplado pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz de 2014, o espetáculo de teatro de rua Tempos de Cléo é um solo de Márcia Costa sob a direção de Gabi Fregoneis, texto e assistência de direção de Carolina Santana.

"Tempos De Cléo" traz solo com histórias e memórias para o Festival de Curitiba. Foto: Rafael Saes.
“Tempos De Cléo” traz solo com histórias e memórias para o Festival de Curitiba. Foto: Rafael Saes.

Este ano, os espetáculos de teatro de rua passaram por uma curadoria do festival e Tempos de Cléo, de Maringá, interior do Paraná, foi um dos classificados.

Em cena, uma errante e acumuladora de histórias. Do vendedor de algodão doce, ao ex-militar nervoso da feira, há em sua memória várias histórias para serem passadas a diante.

A primeira inspiração para este trabalho foi uma personagem real das ruas maringaenses, uma mulher chamada Cléo. Foi a partir da observação desta assídua frequentadora do campus da Universidade Estadual de Maringá (UEM) que o projeto surgiu e ganhou corpo, para aos poucos, durante o processo, descolar-se da personagem e seguir outros rumos.

História

O espetáculo estreou em outubro de 2015 em Maringá, após mais de um ano de processo. Cumpriu temporada de dez apresentações em locais variados, a exemplo da feira livre, a Universidade Estadual de Maringá, praças e Academia da Terceira Idade.

O objetivo era provocar reações e entrar em contato com histórias, anseios e testemunhos. Todo o material foi registrado em áudio, vídeo e fotos e disponibilizados no blog www.temposdecleo.wordpress.com e no YouTube tudo foi utilizado na tessitura da dramaturgia assinada por Carolina Santana. A partir daí se construiu um mosaico de histórias recolhidas das ruas que, por mais absurdas que pareçam, são reais.

Saiba mais do Festival de Curitiba: http://festivaldecuritiba.com.br/ 

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!