GRUPO GALPÃO DIVIDE MAIS DE 30 ANOS DE HISTÓRIA LANÇANDO MATERIAL INÉDITO

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

os gigantes da montanha
os gigantes da montanha

SÃO PAULO – A partir das 19h desta quinta-feira (30), o Itaú Cultural recebe o mineiro Grupo Galpão que lança uma série de livros, CD e DVD que documentam o processo de criação desse ensemble que dignifica as artes cênicas brasileiras onde quer que se apresente. Reproduzo abaixo o material de divulgação que detalha o importante projeTO.

 

Na mesma data, é realizada, também no instituto, a mesa-redonda Memória e Compartilhamento dos Processos Internos de Criação e Gestão de um Grupo Teatral, com a participação dos autores, Chico Pelúcio, Eduardo Moreira, fundadores do Grupo Galpão, e do gestor e produtor cultural Romulo Avelar. Ao final, é apresentado um trecho do documentário Primeiro Sinal – História do Teatro em Belo Horizonte dos primórdios até 1980.

 

Com patrocínio do Banco Itaú e apoio do Itaú Cultural, o Centro Cultural Galpão Cine Horto lança uma caixa com os livros Galpão Cine Horto: uma experiência de ação cultural e Do Grupo Galpão ao Galpão Cine Horto: uma experiência de gestão cultural. No primeiro, diversos autores escrevem sobre os principais projetos do Cine Horto, tecendo a história de 15 anos de um dos principais espaços de Belo Horizonte voltados para a arte. No segundo, focado em produtores, gestores e empreendedores no setor, Pelúcio e Avelar fazem uma retrospectiva sobre a trajetória do grupo e do Cine Horto sob o ponto de vista da gestão, produção e sustentabilidade.

 

Diários de montagem, filme, trilhas sonoras e DVDs

TILL, A SAGA DE UM HERîI TORTOO documentário Primeiro Sinal – A história do teatro de Belo Horizonte dos primórdios até 1980, dirigido por Pelúcio e Rodolfo Magalhães, com roteiro deste último em parceria com Vinícius Souza, percorre a história teatral da capital mineira, em pouco mais de uma hora e meia de duração. O relato é de artistas veteranos da cidade – Carlos Rocha, Décio Noviello, Eid Ribeiro, Elvécio Guimarães, Felício Alves, Haydée Bittencourt, Ione de Medeiros, José Mayer, Jota Dangelo, Júlio Varella, Márcio Machado, Maria Olívia, Neuza Rocha, Nilda Almeida, Paulo César Bicalho, Pedro Paulo Cava, Priscila Freire, Raimundo Farinelli, Raul Belém Machado, Rogério Falabella, Ronaldo Boschi, Ronaldo Brandão, Walmir José, Wilma Henriques e Wilma Patrícia – entrevistados por Pelúcio, Souza, Hannah da Cunha, Inês Peixoto e Marcos Coletta.

Por meio da oralidade e da memória, o documentário preenche uma lacuna ao traçar um panorama do que foi feito e do que existiu desde os anos iniciais de produção teatral em Belo Horizonte até a década de 1980. Problematiza, ainda, a valorização dos artistas da capital mineira, onde, até há pouco tempo, não havia espaço para os seus próprios artistas que acabavam por buscar outras profissões ou outros rumos no eixo São Paulo-Rio de Janeiro.

Uma coleção com outros 10 livros contém os diários de montagem de nove espetáculos e o primeiro encontro com montagem de cenas e esquetes com o diretor Paulo José. Eles relatam o dia a dia criativo da companhia, desde Romeu e Julieta, de 1992, até Os Gigantes da Montanha, último espetáculo estreado em 2014.  Três textos foram escritos pelo filósofo e arquiteto Cacá Brandão, que trabalhou como dramaturgo em Romeu e Julieta, Um Molière Imaginário e Partido. Os demais sete volumes foram escritos pelo ator e diretor Eduardo Moreira, que atuou como ator e escreveu os diários dos espetáculos A Rua da amargura; O Inspetor geral; Um homem é um homem; Till – a saga de um herói torto; Tio Vânia (aos que vierem depois de nós); e Os Gigantes da Montanha.

Os textos somam mais de mil páginas onde se lê, com linguagem direta, os bastidores do Galpão. Revelam, assim, os dilemas e descobertas do processo criativo deste grupo de atores que trabalha com diferentes diretores e, assim, vive distintos processos de criação. Só para citar alguns dos diretores convidados pela companhia, registre-se Gabriel Villela, Cacá Carvalho, Marcio Medina, Paulo José, Kika Lopes, Máximo Soalheiro, Babaya, Ernani Maletta, Fernando Muzzi, Francesca della Monica, Yara de Novaes, Dr Morris, Monica Ribeiro, Dudude Hermann, Jurij Alschitz, Olga Lapina.

Dois momentos fundamentais da trajetória do grupo na Praça do Papa, situada em Belo Horizonte e que, nas últimas décadas se tornou uma espécie de âncora da companhia, estão condensados em uma caixa de DVDs com a apresentação das estreias da remontagem de Romeu e Julieta, em 2012, e da estreia de Os gigantes da montanha, em 2013. Eles exibem detalhes ricos e preciosos dos espetáculos, mostrando a relação carinhosa do grupo com o seu público. O material traz, ainda, o documentário Flor, Minha Flor, de Chico Pelúcio, e os bastidores dos ensaios de Os Gigantes da Montanha.

 

Estas duas peças se juntam a um vasto material de registro dos trabalhos do grupo que contém filmagens de Um Molière Imaginário; Pequenos Milagres; e Till, a saga de um herói torto, além de documentários, adaptações de contos de Tchékhov, como o filme em média metragem Para Tchékhov.

ROMEU E   JULIETA
ROMEU E JULIETA

 

Dando continuidade ao lançamento das trilhas de importantes espetáculos do Galpão como Romeu e Julieta; A rua da amargura; Um Molière imaginário; Um trem chamado desejo; O inspetor geral; e Um homem é um homem, o grupo lança seu quarto CD duplo, com as trilhas dos espetáculos Till, a saga de um herói torto e Os Gigantes da montanha.

 

Fiel à sua trajetória de um teatro popular e de grande comunicação com o público, onde a música, tocada e cantada pelos atores, em cena, ocupa um lugar de destaque, o Galpão deixa nesse CD um registro fundamental de mais um capítulo dessa história. Em Till, a música de caráter cigano conduz a trilha. Em Gigantes, o tom é dado pela música popular italiana, com hits conhecidos do famoso festival de San Remo.

 

Patrocínios

O Grupo Galpão é patrocinado há 14 anos pela Petrobras. Neste lançamento, o centro cultural da companhia – o Galpão Cine Horto -, fundado há 15 anos, em Belo Horizonte, recebeu o patrocínio do Banco Itaú e apoio do Itaú Cultural para as obras Galpão Cine Horto: uma experiência de ação cultural e Do Grupo Galpão ao Galpão Cine Horto: uma experiência de gestão cultural.

Os produtos que estão sendo lançados, e os demais, estão à venda pela loja virtual, no site www.grupogalpao.com.br e também serão vendidos – sob responsabilidade expressa da companhia – no dia do lançamento.

SERVIÇO

Grupo Galpão e Centro Cultural Galpão Cine Horto

Lançamento de livros, documentário, CD e DVDs

Mesa redonda com Chico Pelúcio e Eduardo Moreira e Romulo Avelar

30 de abril, quinta-feira, a partir das 19h

Sala Vermelha (70 lugares)

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Fones: 11. 2168-1776/1777

atendimento@itaucultural.org.br

www.itaucultural.org.br

www.twitter.com/itaucultural

www.facebook.com/itaucultural

www.youtube.com/itaucultural

www.flickr.com/itaucultural

 

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*