“HORA AMARELA” CHEGA A SÃO PAULO

Redação do Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com.br)

HORA AMARELA
HORA AMARELA

SÃO PAULO– Hora Amarela mostra as consequências de uma guerra aterradora entre uma potência desconhecida e os Estados Unidos. Depois de temporada de sucesso no Rio de Janeiro, a estreia na capital paulista é sexta-feira, dia 20, às 20h00, no SESC Bom Retiro.  A direção é de Monique Gardenberg e a tradução de Isabel Wilker. No elenco estão Deborah Evelyn, Isabel Wilker, Michel Bercovicth, Darlan Cunha, Daniel Infantini e Daniele do Rosario. A produção é de Mônica Torres e Calligaris Produções Literárias e Artísticas. A peça integra o Programa Vivo EnCena.

É a primeira montagem no Brasil de Hora Amarela (Through the Yellow Hour), do dramaturgo norte-americano Adam Rapp, que nessa obra traz como cenário a cidade de Nova York, que está sitiada e arrasada por uma guerra misteriosa e violenta.

A peça marca o reencontro entre Monique Gardenberg e Deborah Evelyn, dez anos após o sucesso de Baque, montagem de 2005. Além disso, é a segunda experiência da diretora com a dramaturgia de Rapp, autor de Inverno da Luz Vermelha, encenado por ela em 2011.

HORA AMARELA
HORA AMARELA

Na trama, Ellen (Deborah Evelyn)  está escondida há três meses no porão de seu prédio e não perde a esperança em rever o marido desaparecido.

Durante o confinamento, Ellen é surpreendida pela chegada de Maude (Isabel Wilker), jovem viciada em drogas à procura de abrigo; o professor Hakim (Emílio de Mello), que traz notícias do mundo externo e um fugitivo sírio (Daniel Infantini), que não consegue se comunicar por não falar outra língua.

O maior desejo de todos é a sobrevivência, num ambiente cada vez mais desolador e desesperador.

O ambiente é claustrofóbico e revela a destruição em que se encontra boa parte da cidade. Sobre o cenário, criado por Daniela Thomas, e a luz de Maneco Quinderé, Monique revela: ¨Estamos em um bunker fechado e claustrofóbico. Daniela trabalhou em cima desta ideia, a de um porão fechado abaixo do solo. A vida se passa, portanto, sobre a cabeça dos atores”, explica a diretora, ressaltando que a luz virá quase sempre de fontes em cena, como luminárias, lanternas e resistências.

Monique também destaca que outro ponto fundamental para o desenvolvimento dos conflitos é a trilha sonora original de Lourenço Rebetez: ¨O som ‘comenta’ toda a peça: Quando li o texto, pensei: tem que ser rápido, doloroso e muito tenso. A forma de criar esta tensão seria através da trilha sonora, algo que precisaria ser composto. Por coincidência, antes de começarem os ensaios, assisti a um ballet do coreógrafo Ricardo Linhares, musicado pelo Lourenço. Além de um profundo conhecimento musical, ele é um pensador inquieto. Eu precisava dessa combinação¨, conta.

HORA AMARELA
HORA AMARELA

Quem resolveu comprar os direitos do texto e produzir a montagem no Brasil foi a atriz Mônica Torres, que logo mostrou o texto para  Deborah  e as duas convidaram Monique para assumir a direção.

¨Quando assisti a montagem americana, me despertou novamente a vontade de produzir, adormecida há quase duas décadas. Quis trazer para cá esta discussão que o Adam Rapp propõe sobre intolerância, religião, fanatismo e preconceito. É um momento muito oportuno¨,  diz.  A tradução é de Isabel Wilker, filha de Mônica Torres e integrante do elenco.

Ficha Técnica: 

Texto: Adam Rapp Tradução: Isabel Wilker Direção: Monique Gardenberg Cenografia: Daniela Thomas Figurinos: Cassio Brasil Iluminação: Maneco Quinderé Elenco: Deborah Evelyn, Isabel Wilker, Michel Bercovicth, Darlan Cunha, Daniel Infantini e Daniele do Rosario. Produção: Mônica Torres e Calligaris Produções Literárias e Artísticas

Serviço:

Hora Amarela

Estreia 20/02

De 20/02 a 29/03

Teatro do SESC Bom Retiro – 291 lugares.

Al. Nothmann,185 – Campos Elíseos

Ingressos- valores: de R$ 9,00 a R$ 30,00.

Horário: Sextas às 20h00; sábados às 19h00; domingos às 18h00.

Não recomendado para menores de 16 anos. Duração 50 min.

Acessibilidade: Entrada com acesso para pessoas com deficiência e

mobilidade reduzida. Poltronas reservadas para cadeirantes.

Estacionamento próprio: R$4,00 e R$8,00.

 

 

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*