ATOR DECIDE ENCENAR PERSONAGEM NA FESTA DE ABERTURA DO FESTIVAL DE CURITIBA E CAUSA REAÇÕES DIVERSAS

Kyra Piscitelli*, do Aplauso Brasil (kyra@aplausobrasil.com)

O Ator Alexandre Lino (foto) incorpora "O Pastor", na festa de abertura do Festival de Curitiba e surpreende presentes. Foto/crédito:  Facebbok/O Pastor
O Ator Alexandre Lino (foto) incorpora “O Pastor”, na festa de abertura do Festival de Curitiba e surpreende presentes. Foto/crédito: Facebbok/O Pastor

 

CURITIBA – O Festival de Teatro de Curitiba começou ontem (24) mostrando a que veio. Depois do espetáculo de abertura, os convidados se reuniram na Praça Santos Andrade. A festa era fechada, restrita para as pessoas que tinham acabado de assistir ao espetáculo de dança contemporânea Cinderela, do Balé Teatro Guaíra. Mas, de repente, a comemoração virou improviso e teatro – puro. O ator Alexandre Lino começou a encenar o espetáculo O Pastor ali mesmo na praça. O público não sabia que aquilo era um espetáculo e os seguranças tentaram tira-lo dali, mas a organização do Festival, em tempo, reconheceu Lino e o deixou fazer arte.

Segundo o ator, a manifestação não foi combinada e a prova foi o tumulto que causou. E essa não é a primeira vez que Lino usa a rua como palco. Já fez isso no Rio de Janeiro, onde estreou o espetáculo, no ano passado. Agora, o espetáculo faz apresentações na Fringe, Mostra paralela do Festival.

Em Curitiba, entre olhares curiosos e estranhos, a personagem de Lino ( um Pastor pregando como em um culto evangélico) foi também hostilizada por parte do público, que o mandava parar e sair. O ator, então, passou a interagir com esses insatisfeitos. Esse improviso

O ator Leo Campos, que presenciou o improviso, publicou um testemunho no seu Facebook e, com a sua autorização, compartilhamos no Aplauso Brasil:

“Hoje fui testemunha de algo incrível chamado TEATRO. Tudo começou com um evento fechado para convidados, que aconteceu na Praça Santos Andrade, em frente ao Teatro Guaíra. Um evento em céu aberto, logo depois da Cerimônia de abertura do Festival de Curitiba.

Presentes ali, políticos, jornalistas, produtores e formadores de opinião. Eis que de repente ouve-se uma voz com imensa força, aos poucos ganhando ouvintes… aos poucos ganhando inimigos declarados.

Alexandre Lino, recusou o convite e permitiu que em seu lugar fosse o polêmico Pastor Antônio, que com suas pregações causou um movimento incomum no evento. Seguranças se aproximaram para retirar aquele homem que ali estava fora de contexto, celulares saltavam dos bolsos numa tentativa de registrar o ocorrido, e xingamentos ecoavam em meio a trilha sonora de Amélie Poulain. Por pouco não houve agressão.

Aos poucos tudo ia sendo esclarecido ao apresentarmos o folder de divulgação. Era o espetáculo O PASTOR obtendo com grande êxito o queCarina Casuscelli desejou ao dirigí-lo. Certamente ela diria: ” No mundo da performance vale tudo”. Daniel Porto, se aqui estivesse, se emocionaria ao ver sua obra tão viva, tão real.

A mim cabe agradecer pela oportunidade de mais uma vez aprender ao ver um ator livre de qualquer amarra, despudorado, completamente nu e permitindo que o fenômeno teatral acontecesse, fazendo valer cada dia mais estar nesta empreitada. Obrigado, Alexandre. ‪#‎vemprofestival”.

SERVIÇO

O Pastor

CLASSIFICAÇÃO LIVRE

DURAÇÃO 70 MINUTOS

APRESENTAÇÕES

MINI-GUAÍRA – AUD. GLAUCO FLORES DE SÁ BRITTO

28/03 22:00

29/03 22:00

30/03 22:00

Confira outras apresentações no site oficial do Festival: http://festivaldecuritiba.com.br/

*Kyra Piscitelli, editora assistente do Aplauso Brasil, viajou para Curitiba a convite do Festival. 

 

 

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!