Intensidade e lirismo presentes no “Mundo Novo Antigo” de Filipe Catto

Edson Junior, especial para o Aplauso Brasil (edson@aplausobrasil.com)

Filipe Catto por Giovanni Paim

A sonoridade autoral e a sofisticação poética de Felipi Catto couberam confortavelmente no Tom Jazz, em noite emocionada e calorosa. O palco da charmosa casa de espetáculos de Higienópolis estabeleceu uma atmosfera intimista necessária para que o intérprete, visceral e intenso, espalhasse criatividade, talento e técnica vocal. A única apresentação do seu Mundo Novo Antigo, atual espetáculo do jovem porto-alegrense, é um olhar caleidoscópico  sobre o amor e todas as suas possibilidades.

Filipe caminha sobre as canções como um trapezista, sem rede de proteção. Redoma, a canção que abre o espetáculo, é capaz de sintetizar e dar direção ao show que opta pelo caminho do amor rasgado, passional, trágico e da graça que há em tudo isso, pois os sambas compostos pelo rapaz conseguem ser alegres com toques ácidos de ironia e sinceridade.

É possível perceber a influência de grandes cantores na formação deste artista: a grande dama da canção americana, Billie Holiday, reverenciada e homenageada com Gardênia Branca no Cabelo Dela.

Inspirado na leitura de sua biografia, a letra revela seu olhar sobre a diva e nos remete ao universo de cantores da era de ouro do rádio, onde se ouvia emissões potentes de intérpretes que cantavam, de maneira teatral, o amor e o desamor.

E aí está o ponto onde essas duas linhas se encontram, o antigo e o novo, na  teatralidade latente do jovem Filipe, nas faíscas

Filipe Catto

que saíram do palco e na dramatização sem deslizar para o caricato ou pesar a mão como na interpretação precisa da belíssima Teu Quarto.

Filipe não é só influenciado pelo rádio, o falso brilhante que trouxe nos dedos, nos faz perceber que a eterna Elis Regina, morta há exatos 29 anos, também imprime sua marca tanto pela interpretação pungente quanto pela extensão vocal, o contratenor, traz lirismo ao cancioneiro popular e revela a humanidade presente em todos nós quando o assunto é amar.

O público paulistano ainda pode assistir Filipe Catto, dia 04 de fevereiro no SESC Pompéia, sem dúvida, imperdível!

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.