Jô Soares dirige comédia maiúscula

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

Luiza Lemmertz e Cassio Scapin em "O Libertino"

SÃO PAULO – A comédia aqui em São Paulo é uma evolução do teatro de revista, praticado a partir das farsas. Por essa razão, grande parte dos atores conhecem, desde o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), bem as técnicas do teatro ridículo e ignoram as interpretações que não sejam satíricas. Quem me explicou isso foi Wolney de Assis (ator, diretor e professor de teatro) lá pela década de 1980. Mas as coisas continuam iguais na maioria das vezes. Não é o caso das encenadas pelo grupo TAPA e nem de O Libertino, de Eric-Emmanuel Shimitt, dirigida com extrema competência por Jô Soares, em cartaz no Cultura Artística Itaim, de quinta a domingo, o que a torna simplesmente imperdível.

O elenco, composto por dois atores e quatro atrizes está com tudo em cima, principalmente Luiza Lemmertz (filha da Júlia e neta da Lilian) e Luciana Carnieli.

Mas quem está arrasando é Cássio Scapin, quem protagoniza a peça. Ele é Diderot, um dos filósofos da ilustração francesa que alterna frases filosóficas e orgias divertidas, tudo isso ficcional. Parece que ele foi um conquistador, mas a peça foi escrita sem se ater a fatos reais.

Além dessas qualidades, a iluminação é do campeão Maneco Quinderé, os figurinos são do premiadíssimo Fábio Namatame, o ótimo cenário é de Chris Aizner e música adequadíssima de Eduardo Queiroz. Uma comédia muito engraçada e sem baixarias.

"O Libertino"

Confira galeria de fotos de O Libertino

LEIA TAMBÉM

“Contaminado pelo vírus da direção teatral”, Jô Soares volta em O Libertino

Roteiro:

O Libertino. Texto: Eric Emmanuel Schmitt. Tradução: Aline Meyer. Direção e adaptação: Jô Soares. Elenco: Cassio Scapin, Luciana Carnieli, Luiza Lemmertz, Tânia Casttello, Erica Montanheiro e Daniel Warren. Iluminação: Maneco Quinderé. Figurino: Fabio Namatame. Cenários: Chris Aizner. Música Original : Eduardo Queiroz. Direção de produção: Fernanda Signorini. Fotos: Jairo Goldflus.Programação Visual: Denise Bacelar. Realização: Cassio Scapin e Fernanda Signorini.

Serviço: Teatro Cultura Artística Itaim (303 lugares), Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830. Quinta e sábado às 21h. Sexta às 21h30. Domingo às 18h. Ingressos: Quinta R$ 40. Sexta e domingo R$ 50. Sábado R$ 60. Duração: 90 minutos. Recomendação: 16 anos. Televendas – 3258-3344  www.culturaartistica.com.br. Bilheteria: terça e quarta, das 15h às 19h. Quinta a domingo, das 15h até o início do espetáculo. Aceita cheque e todos os cartões de crédito e debito. Estacionamento conveniado no local, R$ 16.

Temporada: até 27 de novembro

*Doutora em teatro pela USP, Livre Docente pela UNICAMP

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.