Julia mistura teatro e cinema

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

"Julia" - foto de Gui Maia

SÃO PAULO – Depois de temporada de sucesso no Rio de Janeiro, aclamada com o Prêmio Shell de Melhor Direção, Julia estreia no Sesc Belenzinho, em São Paulo, neste sábado (15), às 21h30. A peça é adaptação do texto clássico Senhorita Julia, de August Strindberg, e tem direção de Christiane Jatahy.

"Julia" - foto de Bruno Tetto

A trama criada por Strindberg se passa no século XIX e apresenta o amor entre a filha do conde e um empregado, um relacionamento intenso que circula entre a paixão e o ódio.

A diretora trouxe o texto, Senhorita Julia, para os dias de hoje: a protagonista, nessa nova versão, é filha de um rico empresário e se apaixona pelo seu chofer, personagem vivido pela primeira vez por um ator negro, o que valoriza mais ainda os preconceitos sociais que ainda persistem no cotidiano.

"Julia" - foto de Bruno Tetto

Na montagem, o limite entre o cinema e o teatro, bem como entre o clássico e o contemporâneo, é tênue. No palco, além dos atores Julia Bernate Rodrigo dos Santos, está presente o cinegrafista David, que filma os diálogos entre os personagens.

Algumas cenas foram previamente gravadas em locações externas, como os encontros no jardim e na piscina da casa de Julia, mas boa parte da história é criada com a presença e a participação do público a partir da encenação teatral tradicional.

Também há cenas que acontecem ao vivo no palco, atrás dos paineis, e que são projetadas no mesmo instante em que elas são encenadas.

O público, de acordo com a sua posição na plateia, vê as cenas de maneiras diferentes, de acordo com o enquadramento da câmera de David Pacheco e das projeções em imensos painéis presentes no palco.

Christiane Jatahy, desde 1996, tem realizado trabalhos que perpassam por diferentes linguagens cênicas. Chama a atenção por transcender os limites entre o real e o imaginário, pela busca de espaços não-convencionais para a criação artística e preocupação em realizar projetos que conduzam o espectador a reflexões sobre a realidade em que vive.

O espetáculo A Falta que nos move virou longa e Corte Seco, em que a diretora editava as cenas baseadas em fatos reais, também explorava as imagens, registrando cenas que aconteciam fora dos limites da sala de espetáculos.

Julia é o primeiro texto clássico dirigido pela diretora e o objetivo da artista érealizar uma trilogia que explore os limites entre o clássico e contemporâneo.

Ficha técnica:

Autor: August Strindberg

Adaptação e direção: Christiane Jatahy

Direção de fotografia: David Pacheco

Concepção cenário: Marcelo Lipiani e Christiane Jatahy

Iluminação: Renato Machado

Figurino:AngeleFróes

Direção de arte e cenário: Marcelo Lipiani

Direção musical: Rodrigo Marçal

Orientação corporal: Dani Lima

Edição/filme: Sergio Mekler e Christiane Jatahy,

Câmera ao vivo: David Pacheco/Paulo Camacho

Assistente de edição: Mari Becker

Mixagem: Denílson Campos

Som direto: Paulo Ricardo

Produção/filme: Manuela Duque

Produção de arte/filme: Marina Lage

Direção de produção/filme e peça: Claudia Marques

Produção executiva: Lara Schueler

Co-produção: Fabrica de Eventos e Axis Produções Artísticas

Produção: Cia Vértice de Teatro

Realização: SESC SP

Elenco:Julia Bernat (Julia)

Rodrigo dos Santos (Jean – Jelson)

Tatiana Tiburcio (Cristina, em cena apenas no filme projetado)

As crianças, no filme: Alice Gastal (Julia) e Lucas Banhos (Jelson)

Serviço:

Julia

Estreia dia 15 de setembro – sábado às 21h30

SESC Belenzinho – www.sescsp.org.br/belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho/SP – Tel: (11) 2076-9700. Sala de Espetáculos I (120 lugares). Duração: 70 minutos. Classificação etária: 18 anos. Temporada: de 15 de setembro a 14 de outubro de 2012

Horários: quintas, sextas e sábados (às 21h30); domingos e feriado de 12/10 (às 19 horas). Não haverá espetáculo no dia 7/10 (Eleições).

Ingressos pelo INGRESSOSESC (unidades do SESC): R$ 24,00 (inteira), R$ 12,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública) e R$ 6,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

Estacionamento: R$ 6,00 (não matriculado no SESC); R$ 3,00 (matriculado no SESC).

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

2 Comentários
  1. Peça Maravilhosa . Traz com muita propriedade uma profunda reflexão social sobre o preconceito , valores, amor , paixao, sonhos, desigualdes e a realidade . Traz um contexto real, com cenas reais e que realmente mexem com o público e nos faz refletir sobre o que esta posto em nossa socidade e como podemos muda-lo…. Além de tecnicamente misturar cinema e teatro de uma forma genial…… NÃO PERCAM

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*