LAILA GARIN E ALEJANDRO CLAVEAUX ESTRELAM “GOTA D’ÁGUA [A SECO]”

Clássico de Chico Buarque ganha releitura pelas mãos do diretor Rafael Gomes. Foto: divulgação
Clássico de Chico Buarque ganha releitura pelas mãos do diretor Rafael Gomes. Foto: divulgação

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)


RIO DE JANEIRO – Em dezembro de 1975, Bibi Ferreira subiu ao palco do Teatro Tereza Rachel para estrear Gota D’Água, transposição da tragédia grega Medeia, de Eurípedes, para a realidade de um conjunto habitacional do subúrbio carioca. Com um arrojado texto em versos de Chico Buarque e Paulo Pontes e canções como Basta um Dia, o espetáculo marcou época e se tornou um clássico moderno do teatro brasileiro.

Mais de quatro décadas depois, a história voltará à cena no mesmo local em que estreou – agora Theatro Net Rio– com uma adaptação inédita do diretor Rafael Gomes. Batizada de Gota D’Água [a seco], o espetáculo estreou no dia 6 de maio, com apenas dois atores em cena, Laila Garin e Alejandro Claveaux, acompanhados de cinco músicos sob a direção musical de Pedro Luís.

Como o ‘a seco’ do título já indica, a montagem busca chegar à essência da história, através dos embates entre os protagonistas Joana e Jasão, ainda que outros personagens do original também apareçam na adaptação.

Gota D’Água [a seco] é o primeiro espetáculo que Rafael Gomes dirige fora de sua companhia, a Empório de Teatro Sortido, de onde trouxe alguns colaboradores para esta montagem, como o cenógrafo André Cortez (Vencedor do Prêmio Shell 2015 pelo cenário de Um Bonde Chamado Desejo) e o iluminador Wagner Antônio. Rafael foi convidado pela produtora Andréa Alves e por Laila Garin para fazer parte da encenação.

Laila além de interpretar a mítica personagem eternizada por Bibi Ferreira,recebeu a missão de interpretar músicas de Buarque que não faziam parte da peça original, como Eu Te Amo, Sem Fantasia e Cálice. Revelado em Clandestinos, Alejandro Claveaux interpretará o personagem que já foi representado por Roberto Bonfim e Francisco Milani.

A participação de Pedro Luís na direção musical vem ao encontro da vontade de não fazer necessariamente um musical tradicional. ”É um arejamento, um olhar diferente. Pedro fará com as canções, todas já tão conhecidas e consagradas, o que eu pretendo fazer com a dramaturgia: dar uma nova dimensão, jogar uma luz por um lado que não estamos acostumados a ver. Isso não implica em uma ambição de “melhorar” nada, apenas de tentar pensar e criar por um caminho menos óbvio’’, ressalta Rafael, que acaba de ganhar o Shell de Melhor Diretor pelo seu magnífico trabalho em Um Bonde Chamado Desejo. Em cena acompanham os atores o quinteto de músicos formado por Antônia Adnet, Dudu Oliveira, Elcio Cáfaro, Marcelo Muller e Pedro Silveira.

 

GOTA D’ÁGUA [A SECO]

De CHICO BUARQUE e PAULO PONTES.Adaptação e direção: RAFAEL GOMES

Com LAILA GARIN e ALEJANDRO CLAVEAUX

Músicos: ANTÔNIA ADNET, DUDU OLIVEIRA, ELCIO CÁFARO, MARCELO MULLER e PEDRO SILVEIRA

Direção Musical: PEDRO LUÍS.Cenografia: ANDRÉ CORTEZ.Iluminação: WAGNER ANTÔNIO.Figurinos: KIKA LOPES.Direção de Produção: ANDRÉA ALVES

Diretor assistente e direção de movimento: FABRICIO LICURSI.Assistente de direção: DANIEL CARVALHO FARIA

Design de som: Gabriel D’Angelo.Preparação e arranjos vocais: Marcelo Rodolfo e Adriana Piccolo.Assistente de direção musical: Antônia Adnet.Assistente de cenografia: Rodrigo Abreu

Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno.Produção Executiva: Monna Carneiro.Marketing Cultural: Ghéu Tibério

 

SERVIÇO

Temporada de 6 de maio a 26 de junho.De quinta a sábado, às 21h. Domingos, às 20h.

THEATRO NET RIO Rua Siqueira Campos, 143 / 2º piso – Copacabana.Ingressos a R$150 (plateia e frisa), R$ 100 (Balcão 1) e R$ 50 (Balcão 2 com visão parcial)

Duração: 90 minutos.Classificação etária: 14 anos

 

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*