Lama para limpar a alma

Milton Ferreira Verderi, especial para o Aplauso Brasil

traj2Artaud quando usa o termo “crueldade” fala da crueldade metafísica. O teatro da crueldade a que se referiu é uma maneira de fazer uma crítica sobre a cultura do espetáculo. Artaud fala sempre de um teatro que não se confina num palco, mas que pode se realizar numa conferência, por exemplo, e que pode se metamorfosear em qualquer situação. Trata-se de re-elaborar o pensamento e quebrar uma linguagem formal. Normalmente, o discurso está sempre armado e falta a confrontação com o interno, onde o pensamento titubeia. Há uma crueldade nesse pensamento, na confrontação com o nascimento da linguagem. Nasce de uma atitude interior e de uma experiência também ligada ao interno. E é isso que vai transformar o que Artaud chama de vida. Uma atitude de desarmamento, uma maneira de se lançar ao desconhecido. Artaud vai negar a idéia de cultura enquanto produção, de consumo. Para ele, a cultura é uma questão social mais urgente. Assim, o artista fala a partir da dor de existir. Uma dor de fundo, este é o impulso metafísico. Crueldade e interrupção: com o automatizado, com o discurso pronto. O interromper para abrir-se para outro espaço. Mas antes do analisar, do racionalizar.

Traje de Banho Para Sujar, apresentado no final de novembro na cidade de Catanduva, segue a linha Artaudiana do princípio ao fim, com toques de Pina Bausch e elementos musicais onde temos s impressão de estarmos dentro de uma apresentação de composições de John Cage.

traj1O etéreo, o mundano, a vaidade, a falta da vaidade, o desespero, a primeira menstruação, a perda da virgindade (com prazer ou não) é discutida de uma forma intensa, onde vemos o poder do feminino, Gaia, explícita, numa nudez arrebatadora e que condena.

 A encenação de Tales Frey, junto ao Galpão 6 e Cia Excessos, aponta o dedo na nossa cara, mostrando o que nós homens e mulheres, fazemos com o feminino interno e externo. Sim, o feminino está incluso em todos os seres. Isto é fato mostrado e confirmado nesta belíssima apresentação!

Uma encenação nada pretensiosa, sem exageros cênicos, e com um grande e necessário exagero de mensagens explícitas ou implícitas, que só enxerga quem “é cego as avessas” como Caetano já disse.

Uma encenação de primeiro mundo, onde tudo se comunica sem palavras, mostrando que o teatro é uma língua universal! Um espetáculo para ser apresentado e reverenciado em qualquer festival internacional do mundo.

É a cultura das sensações (do imaginário, do sensível), não da cultura erudita. Mas um teatro que vai do sensorial ao intuitivo. Não é um teatro físico, apenas.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*