“Lamartine Babo” abre o 4º Festival Ibero-Americano de Teatro de São Paulo

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

LAMARTINE BABO homenageia compositor de marchinas

Amanhã começa a quarta edição do Festival Ibero-Americano de Teatro de São Paulo, na Fundação Memorial da América Latina, com a apresentação gratuita do excelente espetáculo musical Lamartine Babo, texto de Antunes Filho sob direção de Emerson Danese.

O 4º Festibero recebe grupos teatrais que se destacaram recentemente em seus países. É oportunidade para o público paulistano conhecer o que se está fazendo nas artes cênicas da Península Ibérica e da América Latina. Até o próximo domingo (20) serão apresentadas 17 montagens teatrais provenientes de dez países, incluindo o Brasil, que encenam autores clássicos ou contemporâneos e se utilizam de linguagens que vão do tradicional à vanguarda, e tudo de graça.

Segundo o idealizador do Festival e coordenador da comissão de curadoria, Fernando Calvozo, “o intuito é mostrar a diversidade cultural e mapear a produção contemporânea das artes cênicas, além de traçar um paralelo entre a produção dos países da América Latina, Portugal e Espanha e discutir a evolução do fazer teatral dentro da realidade cultural desses países, não esquecendo suas origens e a ligação do teatro com suas comunidades, descobrindo semelhanças e problemas comuns ou específicos de cada grupo”.

Fernando Calvozo, diretor de atividades culturais do Memorial da América Latina

Calvozo explica que “a ideia é fazer uma ponte que possibilite a troca de experiências entre artistas e companhias para O Festival Ibero-Americano foi concebido para pensar o papel do teatro na sociedade atual, evidenciando as tendências de cada região e como assimilam e respondem às questões contemporâneas. Por uma semana, atores, diretores, produtores, dramaturgos, críticos e jornalistas provenientes de diversos países discutem, formalmente ou informalmente, problemas e dificuldades e as soluções encontradas para seguir fazendo teatro. Desta maneira circula o conhecimento e a experiência de diferentes maneiras de manter viva a arte teatral.

Entre outras atividades, a comissão programou três mesas de discussão com o tema: Avanços e Dificuldades do teatro Brasileiro Contemporâneo, coordenadas pela atriz e diretora Analy Alvarez, atual presidente da Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo (APTESP), e a já tradicional oficina nesse ano será a de Direção Teatral terá como mestre o diretor, ator e produtor José Renato (leia mais). Com o Festibero, o Memorial cumpre sua missão de promover o diálogo e estreitar ainda mais os laços culturais entre países irmãos.
Integram ainda a comissão de curadoria a atriz e diretora teatral Elvira Gentil, a crítica e membro da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) Maria Lúcia Candeias, e o ator, diretor e produtor teatral Umberto Magnani.

Confira a programação:

MOSTRA PRINCIPAL – AUDITÓRIO SIMÓN BOLÍVAR
14 de março – segunda-feira – ABERTURA
20h30 / Plateia A – Cerimonial de Abertura
21h00 / Plateia A – “Lamartine Babo”, de Antunes Filho – Direção: Emerson Danesi
Cia. Centro de Pesquisa Teatral – CPT – BRASIL
O musical de Antunes Filho se articula em torno da misteriosa visita de um senhor e sua sobrinha a uma banda que ensaia as clássicas composições de Lamartine Babo.

15 de março – terça-feira
19h00 / Plateia B – “Sin Fin (Collage em B/N)”, Criação Coletiva – Direção: Paula Sinisterra – Cia. Velatropa Colectivo de Arte – COLÔMBIA
21h00 / Plateia A – “As Folhas do Cedro”, Texto e Direção: Samir Yazbek
Cia. Arnesto nos Convidou – BRASIL
16 de março – quarta-feira
19h00 / Plateia B – “Septiembre”, de Yovinca Arredondo – Direção: Yovinca Arredondo – Cia. Artística Tucura Cunumi) – BOLÍVIA
21h00 / Plateia A – “Noel Rosa, O Poeta da Vila e Seus Amores”, de Plínio Marcos

Direção: Dagoberto Feliz – Cia. Coisas Nossas – BRASIL
O texto não linear de Plínio Marcos conta a vida de Noel Rosa, o boêmio compositor de grandes clássicos da música popular brasileira, por meio de cenas que “ilustram” situações presentes nas músicas e narram episódios importantes da vida do autor.

17 de março – quinta-feira
19h00 / Plateia B – “Rua do Medo”, de Leonardo Cortez – Direção: Marcelo Lazzaratto – Cia. dos Gansos – BRASIL
21h00 / Plateia A – “José Gaspar (La Soledad del Poder)”, Hernán Jaeggi – Direção: Gustavo Ilutóvich  – Grupo teatral “Arte Total” – PARAGUAI
18 de março – sexta-feira
19h00 / Plateia B – “Abanico de Soltera”, de Andrea Juliá – Direção: Horácio Medrano – Cia. Tea Teatro – ARGENTINA
21h00 / Plateia A – “A Humanidade é Feia”, de Iñigo Ramirez Haro – Direção: João Craveiro – Cia Kind of Black Box – PORTUGAL
19 de março – sábado
19h00 / Plateia B – “Ya Lo Llamaremos”, de Rafael Pence – Direção: Rafael Pence – URUGUAI
21h00 / Plateia A – “Descomposición”, de Afonso Cárcamo – Direção: Alfonso Cárcamo – Colectivo Escénico Seres Comunes – MÉXICO
20 de março – domingo – ENCERRAMENTO
19h00 / Plateia B – “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues – Direção: Eloísa Vitz
Cia. Grupo Gattu – BRASIL

21h00 / Plateia A – Cerimônia de Encerramento
21h15 / Plateia A – “Yo, Mono Libre”, de Ricardo Joven – Direção: Alfonso Plou – Cia. Teatro Del Temple  – ESPANHA

MOSTRA PRINCIPAL – PRAÇA CÍVICA

19 de março – sábado

18h00 – “Camiños Invisibles”, de Carina Casuscelli – Direção Artística Lenerson Polonini – Cia. Nova de Teatro – BRASIL

MOSTRA PRINCIPAL – SALA DOS ESPELHOS

20 de março – domingo
17h30 – “Hilda Hilst, O Espírito da Coisa”, de José Gaspar Guimarães – Direção: Ruy Cortez com Rosaly Papadopol – BRASIL

Melhor atriz pela APCA, em 2009, Rosaly Papadopol faz sua a voz de Hilda Hilst, levando ao palco poesia, pensamentos, histórias e o que Hilda criou sobre si em si mesma. José Mora Fuentes presidente do Instituto que leva o nome da escritora deu a consultoria literária. A direção é de Ruy Cortez.

ATIVIDADES PARALELAS – SALA DOS ESPELHOS

MESAS DE DEBATES
“Avanços e dificuldades do teatro brasileiro contemporâneo” – Mesa de debates dividida em três etapas, com coordenação de Analy Alvarez – atriz, diretora e presidente da Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo (APETESP).

Mesa 1 – dia 17/03, das 16h às 18h – “Ponto de vista da produção”

Mesa 2 – dia 18/03, das 16h às 18h – “Ponto de vista do ator”

Mesa 3 – dia 19/03, das 16h às 18h – “Ponto de vista do autor”

OFICINA
Dia 19/03, das 13 às 16h – “Direção Teatral”, ministrada pelo ator e diretor teatral, José Renato

Público Alvo: Alunos interessados em direção teatral, com experiência ou currículo recomendável. Deverão se dispor a participar dos exercícios (inscrições a partir de  14/03, através do festiberoteatro@gmail.com – 40 vagas).
Informações: 11 3823-4634 e http://www.memorial.sp.gov.br/memorial/index.jsp

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.