Luto e ação imediata

lutostamaria

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com.br)

importantestamariaBRASIL – Tenho um sobrinho de quase seis anos de idade e outra que nasceu na última sexta-feira (25)  e tentei me colocar no papel dos pais e amigos daqueles que perdem criaturas cujo amor dirigido é inexplicável. Dói sem-fim, mesmo que eu seja apenas tio. Imagine o rasgo incurável no coração daqueles que perderam jovens cheios de vigor, estudantes em busca do conhecimento para melhorar seus destinos e a vida de quem usufruísse, direta ou indiretamente, a vida de tantos outros; amigos e sobreviventes da tragédia ocorrida na madrugada de domingo (27) na Boate KISS em Santa Maria, Rio Grande do Sul Não precisamos nos projetar no papel de amigos, parentes, brasileiros. A mancha atinge nosso lugar de SER HUMANO.

Creio estarmos, todos de luto, chocados, indignados. Thiago Lacerda, em entrevista que realizei no último sábado (26), se definiu como um “ser inquieto”. Penso que todos nós devamos ser seres inquietos sempre e, agora, mais que nunca, pois a tragédia incendeia o nosso desejo de ação  imediata. Os culpados pelo “genocídio”, como bem escreveu em seu perfil do Facebook o músico e compositor Miguel Briamonte  (a ação de alguns “seguranças” da Boate KISS retardou o escoamento do superlotado ambiente, graças à lógica do capital a exigir que se quitasse, primeiro, a comanda, aproxima os tais “seguranças” dos oficiais da SS alemã, que dizimaram milhares de judeus, gays, ciganos e inimigos políticos em verdadeiros matadouros onde entravam e inalavam gás tóxico até a morte por asfixia).

voluntarios stamariaPreocupa-me as medidas imediatas para que a fumaça tóxica do desejo-por-lucro  entorpeça a consciência dos empresários do entretenimento ou que o desejo-pela-diversão nuble nossa inquietude. Sejamos inquietos e não apenas os que lamentam pelo acontecido, vamos exigir, como alternativa primeira e urgente, que a boate deixa à vista dos frequentadores o Alvará de Funcionamento e que todas as liminares, pelo menos em primeira instância, sejam revogados.

É o mínimo que podemos fazer, além de lamentar, evitar a repetição disso.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.