“Marulho” capta com maestria inquietantes mistérios campestres

Afonso Gentil, colunista e crítico teatral do Aplauso Brasil

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Com pouco mais de quatro anos de vida, o Redimunho de Investigação Teatral tem se mantido coerente à trilha proposta desde o início, a de um teatro de feições

Elenco de "Marulho: o Caminho do Rio"

antropológicas que reflete um pouco conhecido e pouco explorado Brasil “profundo”. Mais especificamente da população campesina, aquela das crendices seculares, que acabaram se incorporando a esse mundo  aparentemente prosaico, mas de profundos mistérios.  Em Marulho: o Caminho do Rio, há, como nos belos A Casa e Vesperais nas Janelas, suas duas primeiras montagens, aquele movimento surdo, quase imperceptível,  de ondas “cristalinas e permanentes” permeando a ação e deixando as personagens em mágico estado de suspensão entre o real e o imaginário.

No universo repaginado com raros vigor e rigor criativos, entre os novos encenadores, por Rudifran Pompeo, primeiramente como dramaturgo e, igualmente como diretor, com inconfundível e personalíssima  visão estética da perenidade das tradições populares, das gentes simples do interior, Marulho capta o telúrico que emana daqueles seres tão rudes quanto ingênuos. Por isso mesmo, tão distantes e alheios às mazelas de nós citadinos, para sua própria felicidade.

O crítico teatral Edgar Olimpio de Souza, em sua revista eletrônica Stravaganza se demorou, com invejável perspicácia, cena a cena, intenção por intenção, o quanto Rudifran e sua equipe formam um todo coeso nesse “relato de densidade poética, que transpira delicadeza em um clima mágico e fabular”. E imune, acrescentamos agora nós, a certas assertivas descabidas (para dizer o menos) enfileiradas em jornal de grande prestígio, notadamente quando se demora na prosódia utilizada pelo elenco, totalmente equivocada, segundo o articulista. Justamente aquela prosódia que vem desde os tempos dos gregos, é mole?

O que causa polêmica (saudável, aliás) é a inserção, entre as cenas, dos conflitos vivenciados pelo Redimunho, durante a construção do espetáculo, criando um clima pirandeliano pelos seus pungentes e doloridos questionamentos do “ser ator” e do “ser ficção”, jogo muito teatral e muito atraente quando colocado em cena, como aqui.

Ao mesmo tempo, o recurso do carteiro que adentra a cena fictícia (real, para nós) trazendo cartas ameaçadoras para a equipe, sacode o ritmo por si contemplativo (mas, jamais monótono) dos causos, com o “frisson” (arrepio) das fofocas e indagações das coxias.

É tranquilizante e salutar termos em atividade um grupo como o Redimunho. Prazer um tanto raro, em meio a tanta egolatria que grassa em palcos bajulados pela mídia.

SERVIÇO:

MARULHO O CAMINHO DO RIO/  Espaço Redimunho à rua Álvaro de Carvalho, 75, Centro / fone 3101-9645 /R$ 30,00 (inteira) / 12 anos / Sábados às 2l horas e aos domingos às l9h/ Duração: 140 minutos / Até Junho.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

2 Comentários

Leave a Reply

Seu email não será publicado