MEL LISBOA, MICHEL BLOIS, EVA WILMA E ESTHER GÓES APRESENTAM ESPETÁCULOS NA SÉRIE TEATRO #EMCASACOMSESC

Eva Wilma. Crédito: João Caldas

EM REDE – O Sesc São Paulo promove a série Teatro #EmCasaComSesc, com a transmissão de diferentes trabalhos cênicos diretamente da casa dos artistas, sempre às segundas, quartas, sextas e domingos, às 21h30. No ar desde maio, a série apresenta ao público na próxima semana os espetáculos Madame Blavatsky, com Mel Lisboa, Euforia, de Michel Blois, Eva, A Live, de Eva Wilma e As Mulheres e Aristófanes, de Esther Góes.

Antes, no domingo (20/9), o inédito Antunes Filho: ﹩odoma \G/omorra, concebido e dirigido por Luiz Päetow, será apresentado pela primeira vez, em formato de vídeo pré-gravado (não será ao vivo). A montagem, que faria parte do 29º Festival de Curitiba em abril, cancelado em razão da pandemia, agora volta como uma ação do Festival em parceria com o #EmCasaComSesc. Transcendendo as molduras tradicionais do teatro, reinventado em um contexto ainda mais apocalíptico, o vídeo é construído a partir das pesquisas cênicas do diretor Antunes Filho (1929-2019), que por 37 anos comandou o Centro de Pesquisa Teatral CPT_SESC, fundado em 1982. Päetow cria, a partir da obra inacabada, vídeos-montagem que exploram os alicerces da gramática teatral e une reflexão e catarse, em sintonia com os tempos pandêmicos atuais. O vídeo conta com as participações virtuais de Matheus Nachtergaele, Grace Passô, Christian Malheiros, Elisa Ohtake, Jé Oliveira, entre outros. Classificação: 16 anos.

Abrindo a semana, na segunda-feira (21/9), a atriz Mel Lisboa apresenta Madame Blavatsky, escrita por Cláudia Barral e dirigida por Márcio Macena. A peça traz a história de Helena Petrovna Blavatsky (1831-91), escritora e médium russa do século XIX, fundadora da Sociedade Teosófica, que pretendia difundir uma filosofia ligada à comprovação científica do misticismo. No espetáculo, Helena retorna encarnada no corpo de uma atriz/médium para revisitar a sua história e esclarecer alguns pontos controversos da sua biografia. O espetáculo permite, assim, discutir sobre os limites entre realidade e ficção, a verdade e o fingimento, pontos importantes tanto no teatro quanto no misticismo. Mel Lisboa, atriz nascida em Porto Alegre e radicada em São Paulo, é conhecida por personagens marcantes na TV, teatro e cinema, e trabalhou com importantes diretores teatrais, como Gabriel Villela. É uma das protagonistas de “Coisa Mais Linda”, série original da Netflix, lançada em 2019. Classificação: 12 anos.
Com atuação de Michael Blois, o espetáculo Euforia (indicado aos prêmios “Cesgranrio” e “Botequim Cultural” de melhor ator e melhor texto de 2017) será exibido na quarta-feira (23/9). Dividida em dois solos, a peça trata do desejo, a partir do desabafo de personagens que são olhados como seres assexuados: um idoso e uma cadeirante. O primeiro solo conta a trajetória do octogenário Lauro que, ao se mudar para um asilo, decide esconder sua homossexualidade com medo de ser discriminado por seu cuidador. O segundo traz a trajetória de Maria, uma jovem de 20 anos que, após sofrer um acidente de carro, fica paraplégica e se vê com dificuldades para se adaptar a um mundo hostil à sua nova condição – inclusive no desejo. O espetáculo foi escrito por Julia Spadaccini e tem a direção de Victor Garcia Peralta. Classificação: 14 anos.


Em Eva a Live, na sexta-feira (25/9), Eva Wilma apresenta canções do espetáculo musical “Casos e Canções”. Acompanhada pelo filho, o compositor, cantor e violonista John Herbert Jr., a atriz traz o repertório do musical que resgata as canções de sua adolescência e dos seus 66 anos de carreira de sucesso no teatro, cinema e TV. Ela presta, ainda, homenagem ao dramaturgo Plínio Marcos (1935-99), que completaria 85 anos no dia 29/9, com a leitura do texto “O Ator”. A live se inicia com as imagens da abertura da novela Mulheres de Areia, de 1973, com a banda tocando o tema ao vivo. Classificação: livre.

No domingo (27/9), Esther Góes apresenta As Mulheres e Aristófanes, com direção de Marcio Aurelio e participação de seu filho, Ariel Borghi. Para a criação do espetáculo, a dupla partiu de trechos das peças do dramaturgo grego Aristófanes (447 a.C. – 386 a.C.) que tratam das mulheres. Nessa conversa feminino-masculina, o confinamento das mulheres no lar, na antiga Grécia, se confunde com o confinamento da atual pandemia. Com surpreendente atualidade, os textos de Aristófanes ilustram a necessidade de sair de casa e o desejo de igualdade entre homens e mulheres, ontem e hoje. A apresentação tem direção de Marcio Aurelio e assistência de direção de Paulo Marcello. Classificação: 14 anos.

Agenda de 20 a 27 de setembro, 21h30
20/9, domingo: Luiz Päetow em Antunes Filho : ﹩odoma \G/omorra
21/9, segunda: Mel Lisboa em Madame Blavatsky
23/9, quarta: Michel Blois em Euforia
25/9, sexta: Eva Wilma em Eva a Live. Participação: John Herbert Jr.
27/9, domingo: Esther Góes em As Mulheres e Aristófanes. Participação: Ariel Borghi.

Até o dia 18/9, o Teatro #EmCasaComSesc apresentou 73 espetáculos a uma audiência de mais de 324 mil visualizações. Já passaram pela série os artistas Celso Frateschi, interpretando, de sua autoria, Diana, Georgette Fadel em Terror e Miséria no Terceiro Milênio, de Bertolt Brecht, Sérgio Mamberti em Plínio Marcos, Um Homem do Caminho, Ester Laccava com Ossada, Jé Oliveira em Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens, de sua autoria, Gustavo Gasparani em Ricardo III, de Shakespeare, Lavínia Pannunzio com Elizabeth Costello, Grace Passô, interpretando Frequência 20.20, Denise Weinberg em O Testamento de Maria, Ailton Graça com Solidão, Cacá Carvalho em O Carrinho de Mão in A Poltrona Escura, Bete Coelho interpretando Mãe Coragem, Gero Camilo em A Casa Amarela, Eduardo Mossri com Cartas Libanesas e Cláudia Missura em Paixões da Alma, Matheus Nachtergaele com seu Desconscerto, o ator pernambucano Dinho Lima Flor com o espetáculo Ledores no Breu, Jhonny Salaberg em Buraquinhos ou o vento é inimigo do Picumã, Cassio Scapin com Eu Não Dava Praquilo, Clara Carvalho em A Mais Forte, Rodrigo França na leitura de Contos Negreiros do Brasil, Mariana Lima com a peça SIM – Cérebro|Coração em conferência para a terra, Amanda Lyra em Quarto 19, Denise Fraga com Galileu e Eu – A Arte da Dúvida, Yara de Novaes com o monólogo Justa, Leonardo Netto em 3 Maneiras de Tocar no Assunto – O Homem com a Pedra na Mão, Lucelia Sergio em Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas, Débora Falabella com O Amor e Outros Estranhos Rumores e Debora Lamm encenando Mata Teu Pai, Ondina Clais apresentou Katierina Ivânovna, Antônio e Rocco Pitanga em Embarque Imediato, Teuda Bara em Queria Teatro, Pascoal da Conceição em Os Malefícios do Tabaco, Renato Borghi com Meu Ser Ator, Irene Ravache em Alma Despejada, Felipe Oládélè na performance Fragmentos, Ana Cristina Colla trouxe o solo SerEstando Mulheres, Darson Ribeiro encenou O Homem que queria ser livro, Rodrigo Bolzan apresentou projeto b, Thiago Lacerda encenou Quem Está Aí?, Christiane Tricerri mostrou Frida Kahlo – Viva la Vida, Caco Ciocler encenou Medusa, Fabiana Gugli apresentou Terra em Trânsito, Soraya Ravenle encenou Instabilidade Perpétua, Kenan Bernardes fez Medea Mina Jeje, Isabella Lemos apresentou Viva Cacilda! Felicidade Guerreira!, Quitéria Kelly trouxe A Frasqueira de Jacy, Eduardo Moscovis encenou O Livro, Maria Alencar apresentou A Cobradora, Regina Braga apresentou Um Porto para Elizabeth Bishop, Gregório Duvivier fez (A Montanha vai a) Sísifo, Cia Mungunzá apresentou Poema em Queda-Live – Episódio 1, Dirce Thomaz encenou Eu e Ela: Visita a Carolina Maria de Jesus, Luciana Paes apresentou Olar Universo!, Antonio Petrin fez Só os Doentes do Coração Deveriam Ser Atores, Daniel Warren apresentou Pontos de Vista de um Palhaço, Claudio Tovar performou Diário de um Louco, Eduardo Okamoto apresentou Eldorado, Leona Cavalli fez Elogio da Loucura, Leonardo Rocha e Mariana Arruda, do Grupo Maria Cutia, apresentaram o Auto da Compadecida, Lilian de Lima mostrou Pagu, Anjo Incorruptível, Márcia Limma protagonizou Medeia Negra, Ana Beatriz Nogueira atuou em Um dia a Menos, Rita Clemente trouxe Amanda, Vitor Placca apresentou O Desmonte, Laila Garin interpretou Joana de Gota d’Água a Seco, Paulo Betti apresentou Autobiografia Autorizada, Georgiana Góes fez Pequenos e Grandes Gestos de Despedida, Renato Livera interpretou Colônia e Ana Kfouri fez Uma Frase Para Minha Mãe .

+ SESC NA QUARENTENA
Desde o final de agosto, cinco meses após a suspensão majoritária do atendimento presencial nas unidades, o Sesc São Paulo anunciou uma parcial e gradativa retomada, com um número restrito de atividades, dirigidas aos alunos que já eram inscritos nos cursos de Ginástica Multifuncional, Práticas Corporais e Corrida, além de pacientes das Clínicas Odontológicas cujos tratamentos foram interrompidos pela pandemia. Todas essas atividades serão previamente agendadas, visando restringir a circulação de público no interior das unidades. Todas as 40 unidades do estado darão início a essa retomada gradual à medida que os municípios em que estão instaladas atinjam a classificação necessária para reabertura, estabelecida pelo Plano São Paulo do Governo do Estado, e em conformidade com as regulações municipais.

Paralelo à retomada gradual de alguns serviços presenciais, a instituição segue oferecendo um conjunto de iniciativas on-line, que garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.
Mesa Brasil | Tecido Solidário | Fabricação Digital de Protetores Faciais | Teatro | Música | Dança | Cinema | Esporte | Crianças | Ideias | SescTV | Selo Sesc | Edições Sesc São Paulo | Youtube Sesc São Paulo | Instagram Sesc Ao Vivo | Portal Sesc SP

+ SESC DIGITAL
A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!