Memória da Cana consagra-se como grande vencedor do Prêmio Shell de Teatro de SP

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com)

Foto: Bruno Tetto / clix.fot.br

A ausência de premiações que acomete o universo das artes cênicas brasileira, torna o Prêmio Shell de Teatro protagonista do desejo da classe teatral. Diferente do APCA, único que resta das premiações teatrais de São Paulo, o Shell, além de oferecer um valor financeiro aos vitoriosos, traz o frisson da revelação apenas no dia da premiação dos escolhidos anteriormente numa lista de indicados. E nesta 22ª edição do Prêmio Shell de Teatro, marcada pelo apontamento dos vencedores da importância de tal Prêmio, o espetáculo d’ Os Fofos Encenam, Memória da Cana, sagrou-se o grande campeão da noite, levando os prêmios de Melhor Cenário e Melhor Direção.

A cerimônia, apresentada pela atriz Patrícia Selonk (Prêmio Shell de Melhor Atriz do Rio de Janeiro, na edição passada, pelo desempenho fascinante em Inveja dos Anjos) seguiu um curso tranquilo só com uma certa indignação de artistas mais rebeldes com o fato de Fernanda Montenegro, Prêmio Shell de Melhor Atriz por Viver Sem Tempos Mortos, não comparecer à premiação. O fato é que ela ficou presa na ponte aérea e não conseguiu chegar à São Paulo, segundo alegou a assessoria da premiação que tentou, sem muito sucesso – já que a indignação atropelou os bons e respeitosos modos -, colocar um link ao vivo de Fernanda Montenegro agradecendo o merecido Prêmio.

Melhor Atriz: Fernanda Montenegro

Ao tomarmos contato com a doce e iluminada presença de Fernanda Montenegro torna-se evidente que ela não veio à entrega do Prêmio porque enfrentou, qualquer que seja, problema que a impediu. Pedimos aos nossos companheiros mais rebeldes um pouco mais de paciência.

Confira a lista completa dos premiados:

Autor:

–          Rafael Primot por “O livro dos monstros guardados”

Direção:

–          Newton Moreno por “Memória da cana”


Ator:

–          João Miguel por “Só”

Atriz:

–          Fernanda Montenegro por “Viver sem tempos mortos”

Cenário:

–          Marcelo Andrade e Newton Moreno por “Memória da cana”

Figurino:

–          Wanda Sgarbi por “O capitão e a sereia”

Iluminação:

–          Luiz Päetow por “Music hall”

Música:

–          William Guedes por “Concerto de ispinho e fulô”


Categoria especial:

–          Cia. São Jorge de Variedades pela pesquisa e criação do espetáculo “Quem não sabe mais quem é, o que é e onde está, precisa se mexer”

Homenagem:

–          Ao diretor, ator, ensaísta e tradutor Fernando Peixoto pela contribuição ao teatro brasileiro.


Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.