MENOR DE IDADE: O MUSICAL INFANTIL “MOINHOS E CARROSSÉIS” ESTREIA DIA 03 DE DEZEMBRO TEATRO JOÃO CAETANO

Cassiano Leonardo especial para o Aplauso Brasil (Cassiano@aplausobrasil.com.br)

Moinhos e Carrosséis • ©2016 Heloisa Bortz
Moinhos e Carrosséis • ©2016 Heloisa Bortz

SÃO PAULO – Durante sua trajetória de 45 anos de estrada o Grupo Pasárgada sempre teve enfoque na pesquisa de linguagem estética, privilegiando textos e encenações que abordam temas e conteúdos ligados a valores como: raízes populares, identidade cultural, cidadania, exclusão social e qualidade de vida, e para comemorar todos esses anos, o grupo resolveu remontar o antigo e premiado musical infantil de José Geraldo Rocha, encenado pelo grupo em 1989.

A nova montagem de Moinhos e Carrosséis estreia dia 3 de dezembro Teatro João Caetano, de 3 a 11 de dezembro, depois de passar por temporada no Teatro Cacilda Becker.

“Sempre tive grande fascínio pela literatura de ficção científica e alguns autores clássicos me inspiraram, entre eles, Julio Verne, Carl Sagan e Ray Bradbury. Na obra, no conto Um Som de Trovão, Bradbury leva o leitor a uma viagem ao passado, através de uma máquina do tempo, o conto me inspirou para escrever um enredo que permitisse falar de emoções e sentimentos que possam manter vivos nossos sonhos de liberdade e escolhas”, comenta o autor.

Utilizando o jogo tradicional e o jogo teatral como instrumento de criação, a montagem conta com a atuação de músicos-atores tocando e cantando ao vivo com a riqueza de cenários e figurinos que permitem manipulações e transformações cênicas constantes.

A história de Moinhos e Carrosséis se passa em um ano no futuro, P. e F., junto a outros visitantes, fazem uma viagem para um museu, controlada rigidamente por um Sistema de Segurança. Atraídos por uma melodia, os dois saem do roteiro e penetram numa galeria desconhecida, onde descobrem figuras que despertam sentimentos que têm um profundo significado para a sobrevivência da espécie humana. “O texto não tem o tom de caos e catástrofe como se o futuro estivesse comprometido, mas, ao mesmo tempo, é uma metáfora da realidade que estamos vivendo atualmente, que assusta e amedronta pela falta de esperança que nos envolve e nos impede de enxergarmos novos rumos”, analisa o dramaturgo José Geraldo Rocha.

Ficha Técnica

Texto: José Geraldo Rocha
Direção: Débora Dubois
Assistente de direção: Felipe Correa
Elenco: Alessandro Aguipe, Angela Lyra, Kaká Degáspari, Lilian de Lima, Luian Borges e Ricardo Aguiar.
Stand-in: Janaína Rocha e Thiago França
Direção de movimento: Fabrício Licursi
Cenário e figurinos: Claudio Cretti e Valnice Vieira Bolla
Criação e confecção de adereços: Mariano Pereira e Vanice Vieira Bolla
Direção musical e composição: Gustavo Kurlat
Letras das canções: José Geraldo Rocha e Gustavo Kurlat
Iluminação: Luiz Alex
Cenotécnicos: Alisson Nascimento Cabral e Fernando de Vito Luna
Costureira: BenêCalistro
Direção de produção: Kiko Rieser
Produção executiva: José Geraldo Rocha e Valnice Vieira Bolla
Coordenação geral do projeto: José Geraldo Rocha
Fotografia: Heloísa Bortz
Vídeo: Ricardo Montenegro
Assessoria de imprensa: Pombo Correio (Douglas Picchetti e Helô Cintra)
Designer gráfico: Kleber Góes
Realização: Secretaria Municipal de Cultura

Serviço

Teatro João Caetano

temporada de 03 de dezembro a 11 de dezembro.
Sábados e domingos, às 16h.
Ingressos: R$ 10,00
Classificação: livre
Duração: 55 min
Lotação Teatro João Caetano: 400
Telefone Teatro João Caetano: 5573-3774

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*